Terça-feira, 22 de Novembro de 2016

Um texto que dá que pensar hoje.........

 

 

amanhã...quando quiserem. Bonito

 

406515_188880494544870_761079603_n.jpg

 


O Amor é um Acidente, uma Renúncia, um Hábito, uma Maldição

O amor é um acidente.

Eu estava sentada no regaço de uma mulher de cobre, uma escultura de Henry Moore, e Bill debruçou-se sobre mim e beijou-me nos lábios. E de repente eu amava-o. Amava-o e só isso importava.

Reparei nas mãos dele, mãos de pianista. Mãos preparadas para o amor. Ainda hoje gosto de lhe ver as mãos enquanto folheia um livro, enquanto lê um jornal.

As mãos dele envelheceram, envelheceram a apertar outras mãos, milhares de outras mãos, a jogar golfe, a assinar autógrafos e documentos importantes.

Envelheceram, sim, mas continuam belas. Continuam a excitar-me.O amor é uma renúncia. Amar alguém é desistir de amar outros, é desistir por esse amor do amor de outros.

Eu desisti de tudo. A partir desse dia dei-lhe todos os meus dias. Entreguei-lhe os meus sonhos, os meus segredos, as minhas convicções mais profundas. Não me queixo!Não sou ingénua nem estúpida.

 

Quando digo que o amor é uma renúncia, quero dizer que foi assim para mim. Para Bill foi sempre uma outra coisa. Eu sabia que ele reparava noutras mulheres, e que outras mulheres reparavam nele.

Um homem feio, com poder, é quase bonito. Um homem bonito, com poder, é quase um Deus.

Apesar da minha educação cristã, ou por causa dela, sempre me recusei a viver sujeita à ameaça do pecado. As grandes indústrias vêm tentando convencer-nos de que é possível tirar o veneno ao prazer e ficar apenas com o prazer: café sem cafeína, cerveja sem álcool, cigarro sem nicotina - amor platónico.

Quanta estupidez.

Quem bebe café procura a exaltação da cafeína.

Quem pede uma cerveja numa tarde de sol quer refrescar o corpo, sim, mas também quer soltar o espírito.

Se é para pecar quero o pecado inteiro.

Bill teve o seu castigo. Tivemos os dois.

Foram dias difíceis, foram noites ainda mais difíceis, mas passaram. Uma manhã acordei e já não tinha lágrimas. Noutra manhã acordei e já não o odiava.

Finalmente acordei e estava de novo abraçada a ele.

O amor é um hábito. Como acham que cheguei até este dia?

Foi o amor que me trouxe. Maldito seja.

 

José Eduardo Agualusa, in 'A Educação Sentimental dos Pássaros '

escrito no papiro por ACCB às 20:18
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Vale muito a pena

Lento com mar ao fundo

Poder Soberano Comunicaç...

Papel em branco.....

.........e os papéis velh...

sílaba súbita

É nos olhos....

Observar sem olhar

O som

A gente morre mesmo

Neruda

memória do homem só

Blogs Bloggers

Ler ou Ler-se

Oh Pá,.. a sério??!!

Democracia / Humanidades ...

Quando fico até tarde

As Mulheres com Genica

MY Sweet Lord

Tiraram o Quaresma....

Just!

Metade de um sopro

Com sol ao fundo

Cair da tarde junto ao ma...

..... e havia uma paisage...

Dois Epigramas

Partimos cada dia...........

Dia 11.11.2017

A rectidão das linhas

Para ser Perfeito

Miró

Caminhos

Paris , o pintor de rua e...

O temporal esta noite.......

Para ti

Engolir o Universo

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

Eu sou a tempestade

Desiderata

Choveu

Pássaros

Aquele traço de escrita

Pai

Amanhã Hoje é dia da Cria...

Outubro 2018

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30
31

subscrever feeds