Terça-feira, 31 de Janeiro de 2023

NOTA AO ACASO

Pessoa.jpg

O poeta superior diz o que efectivamente sente.
O poeta médio diz o que decide sentir.
O poeta inferior diz o que julga que deve sentir.
Nada disto tem que ver com a sinceridade.
Em primeiro lugar, ninguém sabe o que verdadeiramente sente: é possível sentirmos alívio com a morte de alguém querido, e julgar que estamos sentindo pena, porque é isso que se deve sentir nessas ocasiões.
A maioria da gente sente convencionalmente, embora com a maior sinceridade humana; o que não sente é com qualquer espécie ou grau de sinceridade intelectual, e essa é que importa no poeta.
Tanto assim é que não creio que haja, em toda a já longa história da Poesia, mais que uns quatro ou cinco poetas, que disessem o que verdadeiramente, e não só efectivamente, sentiam.
Há alguns, muito grandes, que nunca o disseram, que foram sempre incapazes de o dizer.
Quando muito há, em certos poetas, momentos em que dizem o que sentem.
Aqui e ali o disse Wordsworth. Uma ou duas vezes o disse Coleridge: pois a Rima do Velho Nauta e Kubla Khan são mais sinceros que todo o Milton, direi mesmo que todo o Shakespeare.
Há apenas uma reserva com respeito a Shakespeare: é que Shakespeare era essencial e estruturalmente factício; e por isso a sua constante insinceridade chega a ser uma constante sinceridade, de onde a sua grandeza.
Quando um poeta inferior sente, sente sempre por caderno de encargos.
Pode ser sincero na emoção: que importa, se o não é na poesia?
Há poetas que atiram com o que sentem para o verso; nunca verificaram que o não sentiram.
Chora Camões a perda da alma sua gentil; e afinal quem chora é Petrarca.
Se Camões tivesse tido a emoção sinceramente sua, teria encontrado uma forma nova, palavras novas — tudo menos o soneto e o verso de dez sílabas.
Mas não: usou o soneto em decassílabos como usaria luto na vida.
O meu mestre Caeiro foi o único poeta inteiramente sincero do mundo.


Álvaro de Campos
________________________
escrito no papiro por ACCB às 18:28
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Aproveita o dia

O livro

O impulso para a escrita

A sustentação do poeta

As Palavras

CAMINHO

Remoinho

POEMA

As Mãos

As Portas Que Abril Abriu

Abril Letras Mil

O Mar dos Meus olhos - A...

A BOA HORA - em boa hora

Obstáculo à Paz

Imagem à espera de um Con...

Uma Delícia

Março

................

Onde

Que fazem elas, as gaivot...

A Alma e o Corpo

Quem és tu

"Senta te aí.

Sabes

Escala do Frio

Gostava

A Trança de Inês

O texto.........

Sucata

Pequenas palavras

GUARDEI NA GAVETA DE BAIX...

Se eu morrer de manhã

E de novo

CHAMAR A MÚSICA

09-01-2017/24

Se eu morrer antes do meu...

Restos de Natal

A Tristeza

Ser indiferente

As Fotografias

LER...é o quê?

a imagem e a ideia

A vocação da natureza:

Os textos

As datas

Paraíso..............

Rimas por aí

Tempo de Bifurcação

As pessoas ...

Passei a Fronteira

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

A vocação da natureza:

No dia 11.11.2016 - 58 an...

Será que não aprendemos n...

...escrever...

BOM DIA!

Uma história com 50 anos

Como se chorar fizesse Ju...

Design no escuro

imperdível de Ferrante

Here I go again

Junho 2024

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds