Segunda-feira, 17 de Junho de 2019

Moçambique

Por_do_sol_em_Alcacer_14.width-500.jpg

TRADUTOR DE CHUVAS

Um lenço branco 

apaga o céu.

 

A fala da asa

vai traduzindo chuvas:

não há adeus 

no idioma das aves.

 

O mundo voa

E apenas o poeta

Faz companhia ao chão.

 

                              Mia Couto

 

Em Moçambique  podia acontecer muita coisa, bombardeamentos, queda de aviões e sobreviventes portugueses, ou mortos, ou mutilados, ou traumatizados.....

 Em Moçambique a natureza tem as mesmas regras que tem no resto planeta, nenhumas.

As chuvas vieram como na Índia e alagaram todas as esperanças

 Pergunto-me se a costa do murmúrios  não era aquilo tudo mas mais contido, algo que destruía  quase tudo mas que não perturbava a regata do clube náutico que estava marcada.

 

 Só faltava a linha do horizonte cheia de flamingos que de tão inocentes não percebiam que ao lado alguns já tinham sido abatidos.

 

Faltava o som do Jazz para amenizar a desgraça. Os temporais não eram todos pelo fim da tarde quando a terra pedia paz ao calor implacável do dia.



Tudo andava alterado dizia a avó que ficara e viera de Portugal. É assim porque os homens não percebem das regras da natureza  e não sabem viver com pouco.

E não sabem.

Vivem em guerras e competições como se as almas lhes pedissem confronto constante e nada mais houvesse para fazer em dias de sol ou de chuva, de fome ou doença, de triunfos e descobertas, nada mais que não fosse lutar com os outros e com a sua própria espécie.

 

 Perguntava-se muitas vezes onde ía ela buscar a sabedoria para saber dos homens  esses seres soturnos e fechados sem nada para contar, ela que  tudo dirigia e que lia as almas com os olhos.

 

Lembrava-se que todas as mulheres lhe perguntavam como fazer e vinham passar tardes a sua casa para falarem delas e das lágrimas que lhes corriam pelos olhos às vezes horas a fio e em silêncios de sala com uma chávena de chá em frente. Levavam os bolinhos que ela tinha feito de manhã, era para aconchegar a alma dizia a avó.

 

Os homens queimam os barcos para aumentarem o preço do petróleo, matam os outros homens para venderem as armas, escondem fórmulas em laboratórios e não entregam a cura para os males do corpo, para venderem medicamentos ... ...


Lembra-se de à noite a ouvir rezar, todos os dias ainda que sobre a casa se abatesse a maior canícula ou o mais aterrador silêncio. Termina tudo com um Ámen como se depois de formular a prece se conformasse com tudo forte e silenciosa, sempre com a solução nos olhos.

 

 Um dia perguntei-lhe porque rezava tanto, se era só ali que o fazia, se sempre o fizera.

 Respondeu-me que sempre o fizera, nada havia de diferente ali que em  Moçambique  como no Sudão, a natureza tem as mesmas regras que tem no resto planeta, nenhumas.

E os homens eram iguais em todo o planeta, nada percebiam das regras da natureza e só queriam possuir tudo e ser possuidores, lutar....morrer,...matar.

 

Pensei muitas vezes que ...talvez não pertencessem à natureza....ou a natureza os estivesse a perder para as regras dos homens.

 

Escrito num Junho de 2019  a seguir às chuvas em Moçambique, e ao ataque de Abril no Sudão

 

 Adelina Barradas de Oliveira

escrito no papiro por ACCB às 16:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Amigas

Bullying Digital

Não chuviscou

Pode ser.......

O Mar dos olhos das Portu...

Então queres ser escritor...

Hamadríade

Receita de Mulher

De Passagem

Engolir o Universo ( Frac...

Tons

Moçambique

Lido por aí

Agora é no Porto Venha d...

Xiuu

3-6-2019

Sai um livro para a mesa ...

Naquele tempo

MÃE, EU QUERO IR-ME EMBOR...

Há sempre alguém que resi...

As pessoas antigas

Mulheres com o mar nos ol...

17Maio2019-78anos

Good night

traço_________________

Estrela da tarde

Ler Devagar.....

segunda feira

Às vezes é preciso

Always Remember Us This W...

Japan

Às seis da tarde

Devia ...........

EU SEI, MAS NÃO DEVIA

Viu este filme? Veja

A las 5 de la tarde

Iremos Juntos Sozinhos pe...

SÊ PACIENTE; ESPERA

Se minto....

É p'rá manhã

........tudo em branco

E se fôr em Março?

Sabem aquela cor........

9.1.2019

RECOMEÇAR

A MINHA TARDE

Inquietação

Vale muito a pena

Lento com mar ao fundo

Poder Soberano Comunicaç...

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

A minha coisa preferida d...

Design no escuro

Eu sou a tempestade

Desiderata

Choveu

Pássaros

Aquele traço de escrita

Pai

Amanhã Hoje é dia da Cria...

Setembro 2019

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds