Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022

Mundialmente falando

Pensando de repente, eu acho que os poetas têm daqueles súbitos momentos de necessidade de entrar dentro da poesia e ficar lá dentro, trancados, em silêncio, à espera de reflexão ou solução para o afastamento do que acontece à volta mas em choque com o que acontece à volta.
 
Assim como quem se fecha num quarto escuro ou num jardim de inverno e, ao fim de uns minutos, começa a ver todos os recortes, os mais pormenorizados, e a ouvir todos os sons que são inaudíveis com luz e, adormece inebriado, como que desfalecido, de tantos aromas do jardim de inverno transparente porque o poeta vê lá para fora mas, ninguém vê lá para dentro.
 
E os sons podem ser de tudo e de nada, de uma voz doce em leituras calmas, com sotaque ou em castelhano, um apelo a pegar na escrita e criar um Mundo à volta, ainda dentro do jardim de inverno transparente.
 
Lá fora os dias passam súbitos, de dia, nas corridas das horas de trabalho ou de tédio e, à noite, nas luzes rápidas das cidades repetitivas e festivas se for Natal.
 
Dizem que jogam um Mundial num país que se fechou dentro de si mas cujo o poder económico quebrou as janelas dos jardins de Inverno,... dizem que não se vê nada lá para fora mesmo depois dos vidros quebrados e os sons não têm musicalidade...
Mas há gritos de um Mundial, não contra as violações dos Direitos Humanos mas pelos gladiadores que se debatem a troco de milhões.
 
Não, não é um circo, nem um quarto escuro (que esse é o esconderijo dos pensamentos), nem um jardim de inverno inebriado de aromas,... é um Mundial de ilusões e não há chave para solução.
 
ACCB
 

image.jpeg

 




escrito no papiro por ACCB às 12:22
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Textos estranhíssimos

Aves e Palavras

Farias 98 no dia da morte...

30 Novembro

Mundialmente falando

NÓS

CRÓNICA

DESOBEDIÊNCIA 11.11.22

Equilíbrio

A Invenção do Amor

O Mar dos meus Olhos

Escritora Serei?

Palavras para quê?

Agustina Bessa-Luís

Regressemos.................

12.10.22

A vida em prémio Nobel

Outono e Setembro

God Save the Queen

Amiga

Muezim

Sísifo

Poesia

Laco di Como...

Ser Juiz

10.08...............

TOP GUN

3 de la tarde

Tarde de trovoada Feriado...

Engolir o Universo

A Justiça

ÀS VEZES É PRECISO

Palavras Interditas

Eugénio de Andrade

Lar

Tudo vem.......

demora-te... vai....

A minha Tática

Se..........

Anel

......trago todos os chei...

Ah, abram-me outra realid...

Bom e Expressivo

A fronteira.......

Receita para escrever um ...

À cause de 1 post da Filo...

Que quereis?

Acima da Lei

Sem mim

Abril de 2022- 49ª Edição...

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

No dia 11.11.2016 - 58 an...

Será que não aprendemos n...

...escrever...

BOM DIA!

Uma história com 50 anos

Como se chorar fizesse Ju...

Design no escuro

imperdível de Ferrante

Here I go again

A minha coisa preferida d...

Dezembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds