Sábado, 19 de Novembro de 2022

NÓS

silencio.jpeg

Não precisávamos de falar. Como ele dizia
-Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
- Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
- Para onde queres ir quando morreres?
respondi
-Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
- Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
-Tu também.
Novo silêncio.
-Eu quero ser cremado,
e que me ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
- Vou morrer primeiro
que tu. Vou morrer
agora.
Mais silêncio. Eu
- Ganhei-te outra vez.
Ele
-É.
Ele
Ganhamos sempre os
dois
Eu
Porque é que a gente
gosta tanto um do
outro?
Ele silêncio antes de
-Se me voltas a falar
de amor vou-me
embora.
Eu
- Sabes onde é a
porta.
Mas não voltámos a
falar de amor. Para
quê? Estava ali todo.
Depois quis ver os
Iivros
- Para aí vinte mil não?
eu
- Mais ou menos,
incluindo os muitos
que encontrei numa
livraria de segunda
de segunda mão,
assinados por ti.
Silêncio. Eu
- Não podia suportar a
a ideia de que outras pessoas tivessem em casa os livros do meu irmão.
Gesto vago. Depois
ele
- António
E silêncio, depois eu
- João
e silêncio. Ou seja um
diálogo de amor compridíssimo. Depois
Se os pais cá estivessem
e esta frase fez-me compreender melhor a sua imensa dor.
(Cont.)
ANTÓNIO LOBO ANTUNES
No livro : AS CRÓNICAS
[D.QUIXOTE]
 
escrito no papiro por ACCB às 16:04
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Textos estranhíssimos

Aves e Palavras

Farias 98 no dia da morte...

30 Novembro

Mundialmente falando

NÓS

CRÓNICA

DESOBEDIÊNCIA 11.11.22

Equilíbrio

A Invenção do Amor

O Mar dos meus Olhos

Escritora Serei?

Palavras para quê?

Agustina Bessa-Luís

Regressemos.................

12.10.22

A vida em prémio Nobel

Outono e Setembro

God Save the Queen

Amiga

Muezim

Sísifo

Poesia

Laco di Como...

Ser Juiz

10.08...............

TOP GUN

3 de la tarde

Tarde de trovoada Feriado...

Engolir o Universo

A Justiça

ÀS VEZES É PRECISO

Palavras Interditas

Eugénio de Andrade

Lar

Tudo vem.......

demora-te... vai....

A minha Tática

Se..........

Anel

......trago todos os chei...

Ah, abram-me outra realid...

Bom e Expressivo

A fronteira.......

Receita para escrever um ...

À cause de 1 post da Filo...

Que quereis?

Acima da Lei

Sem mim

Abril de 2022- 49ª Edição...

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

No dia 11.11.2016 - 58 an...

Será que não aprendemos n...

...escrever...

BOM DIA!

Uma história com 50 anos

Como se chorar fizesse Ju...

Design no escuro

imperdível de Ferrante

Here I go again

A minha coisa preferida d...

Dezembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds