Quinta-feira, 24 de Novembro de 2022

Mundialmente falando

Pensando de repente, eu acho que os poetas têm daqueles súbitos momentos de necessidade de entrar dentro da poesia e ficar lá dentro, trancados, em silêncio, à espera de reflexão ou solução para o afastamento do que acontece à volta mas em choque com o que acontece à volta.
 
Assim como quem se fecha num quarto escuro ou num jardim de inverno e, ao fim de uns minutos, começa a ver todos os recortes, os mais pormenorizados, e a ouvir todos os sons que são inaudíveis com luz e, adormece inebriado, como que desfalecido, de tantos aromas do jardim de inverno transparente porque o poeta vê lá para fora mas, ninguém vê lá para dentro.
 
E os sons podem ser de tudo e de nada, de uma voz doce em leituras calmas, com sotaque ou em castelhano, um apelo a pegar na escrita e criar um Mundo à volta, ainda dentro do jardim de inverno transparente.
 
Lá fora os dias passam súbitos, de dia, nas corridas das horas de trabalho ou de tédio e, à noite, nas luzes rápidas das cidades repetitivas e festivas se for Natal.
 
Dizem que jogam um Mundial num país que se fechou dentro de si mas cujo o poder económico quebrou as janelas dos jardins de Inverno,... dizem que não se vê nada lá para fora mesmo depois dos vidros quebrados e os sons não têm musicalidade...
Mas há gritos de um Mundial, não contra as violações dos Direitos Humanos mas pelos gladiadores que se debatem a troco de milhões.
 
Não, não é um circo, nem um quarto escuro (que esse é o esconderijo dos pensamentos), nem um jardim de inverno inebriado de aromas,... é um Mundial de ilusões e não há chave para solução.
 
ACCB
 

image.jpeg

 




escrito no papiro por ACCB às 12:22
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 19 de Novembro de 2022

NÓS

silencio.jpeg

Não precisávamos de falar. Como ele dizia
-Tu sabes sempre o que eu estou a pensar e eu sei sempre o que tu estás a pensar
mas muito pouco tempo antes de morrer veio ter comigo e passámos a tarde juntos, sentados lado a lado no sofá. Foi ele quem falou quase sempre, eu pouco abri a boca.
Mostrou-me os braços, o corpo
- Estou miserável
sabia que ia morrer dali a nada e comportou-se com a extraordinária coragem do costume. Coragem, dignidade e pudor. A certa altura
- Para onde queres ir quando morreres?
respondi
-Para os Jerónimos, naturalmente.
Ficou uns minutos calado e depois
- Tu acreditas na eternidade.
Disse-lhe
-Tu também.
Novo silêncio.
-Eu quero ser cremado,
e que me ponham as cinzas na serra, voltado para a Praia das Maçãs.
Novo silêncio. A seguir
- Vou morrer primeiro
que tu. Vou morrer
agora.
Mais silêncio. Eu
- Ganhei-te outra vez.
Ele
-É.
Ele
Ganhamos sempre os
dois
Eu
Porque é que a gente
gosta tanto um do
outro?
Ele silêncio antes de
-Se me voltas a falar
de amor vou-me
embora.
Eu
- Sabes onde é a
porta.
Mas não voltámos a
falar de amor. Para
quê? Estava ali todo.
Depois quis ver os
Iivros
- Para aí vinte mil não?
eu
- Mais ou menos,
incluindo os muitos
que encontrei numa
livraria de segunda
de segunda mão,
assinados por ti.
Silêncio. Eu
- Não podia suportar a
a ideia de que outras pessoas tivessem em casa os livros do meu irmão.
Gesto vago. Depois
ele
- António
E silêncio, depois eu
- João
e silêncio. Ou seja um
diálogo de amor compridíssimo. Depois
Se os pais cá estivessem
e esta frase fez-me compreender melhor a sua imensa dor.
(Cont.)
ANTÓNIO LOBO ANTUNES
No livro : AS CRÓNICAS
[D.QUIXOTE]
 
escrito no papiro por ACCB às 16:04
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 18 de Novembro de 2022

CRÓNICA

 
 
´OS POBREZINHOS`
 
"Na minha família os animais domésticos não eram cães nem gatos nem pássaros; na minha família os animais domésticos eram pobres. Cada uma das minhas tias tinha o seu pobre, pessoal e intransmissível, que vinha a casa dos meus avós uma vez por semana buscar, com um sorriso agradecido, a ração de roupa e comida.
Os pobres, para além de serem obviamente pobres (de preferência descalços, para poderem ser calçados pelos donos; de preferência rotos, para poderem vestir camisas velhas que se salvavam, desse modo, de um destino natural de esfregões; de preferência doentes a fim de receberem uma embalagem de aspirina), deviam possuir outras características imprescindíveis: irem à missa, baptizarem os filhos, não andarem bêbedos, e sobretudo, manterem-se orgulhosamente fiéis a quem pertenciam. Parece que ainda estou a ver um homem de sumptuosos farrapos, parecido com o Tolstoi até na barba, responder, ofendido e soberbo, a uma prima distraída que insistia em oferecer-lhe uma camisola que nenhum de nós queria:
- Eu não sou o seu pobre; eu sou o pobre da minha Teresinha.
O plural de pobre não era «pobres». O plural de pobre era «esta gente». No Natal e na Páscoa as tias reuniam-se em bando, armadas de fatias de bolo-rei, saquinhos de amêndoas e outras delícias equivalentes, e deslocavam-se piedosamente ao sítio onde os seus animais domésticos habitavam, isto é, uma bairro de casas de madeira da periferia de Benfica, nas Pedralvas e junto à Estrada Militar, a fim de distribuírem, numa pompa de reis magos, peúgas de lã, cuecas, sandálias que não serviam a ninguém, pagelas de Nossa Senhora de Fátima e outras maravilhas de igual calibre. Os pobres surgiam das suas barracas, alvoraçados e gratos, e as minhas tias preveniam-me logo, enxotando-os com as costas da mão:
- Não se chegue muito que esta gente tem piolhos.
Nessas alturas, e só nessas alturas, era permitido oferecer aos pobres, presente sempre perigoso por correr o risco de ser gasto
(- Esta gente, coitada, não tem noção do dinheiro)
de forma de deletéria e irresponsável. O pobre da minha Carlota, por exemplo, foi proibido de entrar na casa dos meus avós porque, quando ela lhe meteu dez tostões na palma recomendando, maternal, preocupada com a saúde do seu animal doméstico
- Agora veja lá, não gaste tudo em vinho
o atrevido lhe respondeu, malcriadíssimo:
- Não, minha senhora, vou comprar um Alfa-Romeu
Os filhos dos pobres definiam-se por não irem à escola, serem magrinhos e morrerem muito. Ao perguntar as razões destas características insólitas foi-me dito com um encolher de ombros
- O que é que o menino quer, esta gente é assim
e eu entendi que ser pobre, mais do que um destino, era uma espécie de vocação, como ter jeito para jogar bridge ou para tocar piano.
Ao amor dos pobres presidiam duas criaturas do oratório da minha avó, uma em barro e outra em fotografia, que eram o padre Cruz e a Sãozinha, as quais dirigiam a caridade sob um crucifixo de mogno. O padre Cruz era um sujeito chupado, de batina, e a Sãozinha uma jovem cheia de medalhas, com um sorriso alcoviteiro de actriz de cinema das pastilhas elásticas, que me informaram ter oferecido exemplarmente a vida a Deus em troca da saúde dos pais. A actriz bateu a bota, o pai ficou óptimo e, a partir da altura em que revelaram este milagre, tremia de pânico que a minha mãe, espirrando, me ordenasse
- Ora ofereça lá a vida que estou farta de me assoar
e eu fosse direitinho para o cemitério a fim de ela não ter de beber chás de limão.
Na minha ideia o padre Cruz e a Saõzinha eram casados, tanto mais que num boletim que a minha família assinava, chamado «Almanaque da Sãozinha», se narravam, em comunhão de bens, os milagres de ambos que consistiam geralmente em curas de paralíticos e vigésimos premiados, milagres inacreditavelmente acompanhados de odores dulcíssimos a incenso.
Tanto pobre, tanta Sãozinha e tanto cheiro irritavam-me. E creio que foi por essa época que principiei a olhar, com afecto crescente, uma gravura poeirenta atirada para o sótão que mostrava uma jubilosa multidão de pobres em torno da guilhotina onde cortavam a cabeça aos reis"

António Lobo Antunes
 

2049691.jpg

escrito no papiro por ACCB às 14:50
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 11 de Novembro de 2022

DESOBEDIÊNCIA 11.11.22

187631670_10220397424386486_1724024071753393085_n.

 
Sou feita de muitos
nós
desobediência e meio- dia
Sou aquela que negou
aquilo
que os outros queriam
Disse não à minha sina
de destino preparado
recusei as ordens escusas
preferi a liberdade
e vivo deste meu lado
 
Maria Teresa Horta
 
 ( Aniversário a 20 de Maio) 
 
escrito no papiro por ACCB às 16:45
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 8 de Novembro de 2022

Equilíbrio

120552266_10157741244843575_5930798544513424137_n-

 
Não tem nada, nada a não ser o equilíbrio entre o cigarro e os calcanhares
Dizem que escreve poemas quando o vento não se mexe na beira da maré
 
Vai até à beira mar e desafia-o, diz-lhe que nunca o poderá derrubar, nem quando, como em criança, lhe mete medo.
Não tem nada. Deixou crescer o cabelo e a barba. Já não bebe Bourbon mas não perde um conhaque aquecido.
Nos dias em que o vento fica preso no nevoeiro vai até à beira mar e fica ali suspenso, equilibrado entre o cigarro e os calcanhares e desafia o tempo.
 
Diz que procura o equilíbrio eterno,... como quando os outros nos aceitam por nos imaginarem e não por nos conhecerem.
Um dia disse-me que ser equilibrado não é ser equilibrado, é parecer, é corresponder à inclinação da maioria e não cair na tentação de os tentar desequilibrar.
 
Treina aquilo há muitos anos,....é como uma posição de karaté.... não a preparar o ataque mas a observá-lo.
Um dia perguntei-lhe se, algum dia, conseguiria equilibra-me assim como uma ave em contemplação, nos calcanhares com o braço em descanso no joelho e tirar uma longa fumaça roubada ao tempo que me encurta a vida.....
Disse que não sabia......... cada caso era um caso e ele era um caso perdido.
 
Ninguém sabia do seu próprio ponto de equilíbrio que não era de certeza aquele que os outros idealizavam..... Mas talvez com treino...
O segredo, disse ele,... é alhearmo-nos tanto quanto nos concentramos no que se passa em redor, só como observadores, sem nunca intervir, sem nunca chamar atenção...
 
Sem nunca deixar pegadas.... saltar o estado de equilibrio apenas quando a maré pode apagar as marcas........
 
Afastei-me sem o entender. Nunca conseguiria aquela pose de flamingo sem a cabeça debaixo da asa....
 
E então percebi, o eixo do ponto certo era a estrutura interna do abandono das raivas e dos medos, o eixo do ponto de equilíbrio ficava ali mesmo em linha recta dos calcanhares aos ombros completamente abandonados ao nada .... O olhar e o cigarro é que observavam tudo... ele apenas ouvia, escutava ..... num silêncio em equilíbrio com o mar...E todos o achavam ausente mas ele apenas não se envolvia.
Regressei e pedi-lhe um cigarro. Saí dali deixando marcas pela beira mar.... Eu nunca saberia o meu ponto de equilíbrio, cada caso é um caso e, no meu caso, .... era preciso muito treino.
 
ACCB
 
escrito no papiro por ACCB às 07:31
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas (1)
Segunda-feira, 7 de Novembro de 2022

A Invenção do Amor

3455868545_70b7419363_z.jpg

 

Em todas as esquinas da cidade
nas paredes dos bares à porta dos edifícios públicos nas janelas dos autocarros
mesmo naquele muro arruinado por entre anúncios de aparelhos de rádio e
detergentes
na vitrine da pequena loja onde não entra ninguém
no átrio da estação de caminhos de ferro que foi o lar da nossa
esperança de fuga
um cartaz denuncia o nosso amor

Em letras enormes do tamanho
do medo da solidão da angústia
um cartaz denuncia que um homem e uma mulher
se encontraram num bar de hotel
numa tarde de chuva
entre zunidos de conversa
e inventaram o amor com carácter de urgência
deixando cair dos ombros o fardo incómodo da monotonia quotidiana

Um homem e uma mulher que tinham olhos e coração
e fome de ternura
e souberam entender-se sem palavras inúteis
Apenas o silêncio A descoberta A estranheza
de um sorriso natural e inesperado

Não saíram de mãos dadas para a humidade diurna
Despediram-se e cada um tomou um rumo diferente
Embora subterraneamente unidos pela invenção conjunta
de um amor subitamente imperativo

Um homem uma mulher um cartaz de denúncia
colado em todas as esquinas da cidade
A rádio já falou A TV anuncia
iminente a captura A policia de costumes avisada
procura os dois amantes nos becos e avenidas
Onde houver uma flor rubra e essencial
é possível que se escondam tremendo a cada batida na porta
fechada para o mundo
É preciso encontrá-los antes que seja tarde
Antes que o exemplo frutifique
Antes que a invenção do amor se processe em cadeia

Há pesadas sanções paras os que auxiliarem os fugitivos

Chamem as tropas aquarteladas na província
convoquem os reservistas os bombeiros os elementos da defesa passiva
Todos
Decrete-se a lei marcial com todas as suas consequências
O perigo justifica-o
Um homem e uma mulher
conheceram-se amaram-se perderam-se no labirinto da cidade
É indispensável encontrá-los dominá-los convencê-los
antes que seja demasiado tarde
e a memória da infância nos jardins escondidos
acorde a tolerância no coração das pessoas

Fechem as escolas
Sobretudo protejam as crianças da contaminação
Uma agência comunica que algures ao sul do rio
um menino pediu uma rosa vermelha
e chorou nervosamente porque lha recusaram
Segundo o director da sua escola é um pequeno triste
Inexplicavelmente dado aos longos silêncios e aos choros sem razão
Aplicado no entanto Respeitador da disciplina
Um caso típico de inadaptação congénita disseram os psicólogos
Ainda bem que se revelou a tempo
Vai ser internado
e submetido a um tratamento especial de recuperação
Mas é possível que haja outros. É absoIutamente vital
que o diagnóstico se faça no período primário da doença
E também que se evite o contágio com o homem e a mulher
de que se fala no cartaz colado em todas as esquinas da cidade

Está em jogo o destino da civilização que construímos
o destino das máquinas das bombas de hidrogénio
das normas de discriminação racial
o futuro da estrutura industrial de que nos orgulhamos
a verdade incontroversa das declarações políticas

Procurem os guardas dos antigos universos concentracionários
precisamos da sua experiência onde quer que se escondam
ao temor do castigo

Que todos estejam a postos
Vigilância é a palavra de ordem
Atenção ao homem e à mulher de que se fala nos cartazes
À mais ligeira dúvida não hesitem denunciem
Telefonem à polícia ao comissariado ao Governo Civil
não precisam de dar o nome e a morada
e garante-se que nenhuma perseguição será movida
nos casos em que a denúncia venha a verificar-se falsa

Organizem em cada bairro em cada rua em cada prédio
comissões de vigilância. Está em jogo a cidade
o país a civilização do ocidente
esse homem e essa mulher têm de ser presos
mesmo que para isso tenhamos de recorrer às medidas mais drásticas

Por decisão governamental estão suspensas as liberdades individuais
a inviolabilidade do domicílio o habeas corpus o sigilo da correspondência
Em qualquer parte da cidade um homem e uma mulher amam-se ilegalmente
espreitam a rua pelo intervalo das persianas
beijam-se soluçam baixo e enfrentam a hostilidade nocturna
É preciso encontrá-los
É indispensável descobri-los
Escutem cuidadosamente a todas as portas antes de bater
É possível que cantem
Mas defendam-se de entender a sua voz
Alguém que os escutou
deixou cair as armas e mergulhou nas mãos o rosto banhado de lágrimas
E quando foi interrogado em Tribunal de Guerra
respondeu que a voz e as palavras o faziam feliz
Lhe lembravam a infância
Campos verdes floridos Água simples correndo A brisa nas montanhas

Foi condenado à morte é evidente
É preciso evitar um mal maior
Mas caminhou cantando para o muro da execução
foi necessário amordaçá-lo e mesmo assim desprendia-se dele
um misterioso halo de uma felicidade incorrupta

Impõe-se sistematizar as buscas Não vale a pena procurá-los
nos campos de futebol no silêncio das igrejas nas boîtes com orquestra privativa
Não estarão nunca aí
Procurem-nos nas ruas suburbanas onde nada acontece
A identificação é fácil
Onde estiverem estará também pousado sobre a porta
um pássaro desconhecido e admirável
ou florirá na soleira a mancha vegetal de uma flor luminosa
Será então aí
Engatilhem as armas invadam a casa disparem à queima roupa
Um tiro no coração de cada um
Vê-los-ão possivelmente dissolver-se no ar Mas estará completo o esconjuro
e podereis voltar alegremente para junto dos filhos da mulher

Mais ai de vós se sentirdes de súbito o desejo de deixar correr o pranto
Quer dizer que fostes contagiados Que estais também perdidos para nós
É preciso nesse caso ter coragem para desfechar na fronte
o tiro indispensável
Não há outra saída A cidade o exige
Se um homem de repente interromper as pesquisas
e perguntar quem é e o que faz ali de armas na mão
já sabeis o que tendes a fazer Matai-o Amigo irmão que seja
matai-o Mesmo que tenha comido à vossa mesa e crescido a vosso lado
matai-o Talvez que ao enquadrá-lo na mira da espingarda
os seus olhos vos fitem com sobre-humana náusea
e deslizem depois numa tristeza líquida
até ao fim da noite Evitai o apelo a prece derradeira
um só golpe mortal misericordioso basta
para impor o silêncio secreto e inviolável

Procurem a mulher e o homem que num bar
de hotel se encontraram numa tarde de chuva
Se tanto for preciso estabeleçam barricadas
senhas salvo-condutos horas de recolher
censura prévia à Imprensa tribunais de excepção
Para bem da cidade do país da cultura
é preciso encontrar o casal fugitivo
que inventou o amor com carácter de urgência

Os jornais da manhã publicam a notícia
de que os viram passar de mãos dadas sorrindo
numa rua serena debruada de acácias
Um velho sem família a testemunha diz
ter sentido de súbito uma estranha paz interior
uma voz desprendendo um cheiro a primavera
o doce bafo quente da adolescência longínqua
No inquérito oficial atónito afirmou
que o homem e a mulher tinham estrelas na fronte
e caminhavam envoltos numa cortina de música
com gestos naturais alheios Crê-se
que a situação vai atingir o climax
e a polícia poderá cumprir o seu dever

Um homem uma mulher um cartaz de denúncia
A voz do locutor definitiva nítida
Manchetes cor de sangue no rosto dos jornais

É PRECISO ENCONTRÁ-LOS ANTES QUE SEJA TARDE

Já não basta o silêncio a espera conivente o medo inexplicado
a vida igual a sempre conversas de negócios
esperanças de emprego contrabando de drogas aluguer de automóveis
Já não basta ficar frente ao copo vazio no café povoado
ou marinheiro em terra a afogar a distância
no corpo sem mistério da prostituta anónima
Algures no labirinto da cidade um homem e uma mulher
amam-se espreitam a rua pelo intervalo das persianas
constroem com urgência um universo do amor
E é preciso encontrá-los E é preciso encontrá-los

Importa perguntar em que rua se escondem
em que lugar oculto permanecem resistem
sonham meses futuros continentes à espera
Em que sombra se apagam em que suave e cúmplice
abrigo fraternal deixam correr o tempo
de sentidos cerrados ao estrépito das armas
Que mãos desconhecidas apertam as suas
no silêncio pressago da cidade inimiga

Onde quer que desfraldem o cântico sereno
rasgam densos limites entre o dia e a noite
E é preciso ir mais longe
destruir para sempre o pecado da infância
erguer muros de prisão em circulos fechados
impor a violência a tirania o ódio

Entretanto das esquinas escorre em letras enormes
a denúncia total do homem e da mulher
que no bar em penumbra numa tarde de chuva
inventaram o amor com carácter de urgência

COMUNICADO GOVERNAMENTAL À IMPRENSA

Por diversas razões sabe-se que não deixaram a cidade
o nosso sistema policial é óptimo estão vigiadas todas as saídas
encerramos o aeroporto patrulhamos os cais
há inspectores disfarçados em todas as gares de caminhos de ferro

É na cidade que é preciso procurá-los
incansavelmente sem desfalecimentos
Uma tarefa para um milhão de habitantes
todos são necessários
todos são necessários
Não sem preocupem com os gastos a Assembleia votou um crédito especial
e o ministro das Finanças
tem já prontas as bases de um novo imposto de Salvação Pública

Depois das seis da tarde é proibido circular
Avisa-se a população de que as forças da ordem
atirarão sem prevenir sobre quem quer que seja
depois daquela hora Esta madrugada por exemplo
uma patrulha da Guarda matou no Cais da Areia
um marinheiro grego que regressava ao seu navio

Quando chegaram junto dele acenou aos soldados
disse qualquer coisa em voz baixa e fechou os olhos e morreu
Tinha trinta anos e uma família à espera numa aldeia do Peloponeso
O cônsul tomou conhecimento da ocorrência e aceitou as desculpas
do Governo pelo engano cometido
Afinal tratava-se apenas de um marinheiro qualquer
Todos compreenderam que não era caso para um protesto diplomático
e depois o homem e a mulher que a policia procura
representam um perigo para nós e para a Grécia
para todos os países do hemisfério ocidental
Valem bem o sacrifício de um marinheiro anónimo
que regressava ao seu navio depois da hora estabelecida
sujo insignificante e porventura bêbado

SEGUE-SE UM PROGRAMA DE MÚSICA DE DANÇA

Divirtam-se atordoem-se mas não esqueçam o homem e a mulher
Escondidos em qualquer parte da cidade
Repete-se é indispensável encontrá-los
Um grupo de cidadãos de relevo ofereceu uma importante recompensa
destinada a quem prestar informações que levem à captura do casal fugitivo
Apela-se para o civismo de todos os habitantes
A questão está posta É preciso resoIvê-la
para que a vida reentre na normalidade habitual
Investigamos nos arquivos Nada consta
Era um homem como qualquer outro
com um emprego de trinta e oito horas semanais
cinema aos sábados à noite
domingos sem programa
e gosto pelos livros de ficção cientifica
Os vizinhos nunca notaram nada de especial
vinha cedo para casa
não tinha televisão,
deitava-se sobre a cama logo após o jantar
e adormecia sem esforço

Não voltou ao emprego o quarto está fechado
deixou em meio as «Crónicas marcianas»
perdeu-se precipitadamente no labirinto da cidade
à saída do hotel numa tarde de chuva
O pouco que se sabe da mulher autoriza-nos a crer
que se trata de uma rapariga até aqui vulgar
Nenhum sinal característico nenhum hábito digno de nota
Gostava de gatos dizem Mas mesmo isso não é certo
Trabalhava numa fábrica de têxteis como secretária da gerência
era bem paga e tinha semana inglesa
passava as férias na Costa da Caparica.

Ninguém lhe conhecia uma aventura
Em quatro anos de emprego só faltou uma vez
quando o pai sofreu um colapso cardíaco
Não pedia empréstimos na Caixa Usava saia e blusa
e um impermeável vermelho no dia em que desapareceu

Esperam por ela em casa: duas cartas de amigas
o último número de uma revista de modas
a boneca espanhola que lhe deram aos sete anos
Ficou provado que não se conheciam
Encontraram-se ocasionalmente num bar de hotel numa tarde de chuva
sorriram inventaram o amor com carácter de urgência
mergulharam cantando no coração da cidade

Importa descobri-los onde quer que se escondam
antes que seja demasiado tarde
e o amor como um rio inunde as alamedas
praças becos calçadas quebrando nas esquinas

Já não podem escapar Foi tudo calculado
com rigores matemáticos Estabeleceu-se o cerco
A policia e o exército estão a postos Prevê-se
para breve a captura do casal fugitivo
(Mas um grito de esperança inconsequente vem
do fundo da noite envolver a cidade
au bout du chagrin une fenêtre ouverte
une fenêtre eclairée)

Daniel Filipe, poeta caboverdiano. Em “A invenção do amor e outros poemas”, de 1961

Daniel Filipe, poeta e jornalista natural de Cabo Verde, nascido em 1925 e falecido em 1964, em Portugal. O poema seguinte foi escrito e publicado durante o governo ditatorial de Salazar. Daniel Filipe foi um preso político, perseguido e torturado.

 

escrito no papiro por ACCB às 20:08
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 6 de Novembro de 2022

O Mar dos meus Olhos

 

314435085_5063467173752820_2490999168040660619_n.j

( Foto de ACCB)
 
 
Porto, 6 de Novembro 1919
Lisboa, 11 Novembro 1958
 
Cruzaram-se os nossos nomes nos astros e nas letras Muitos anos depois de tudo ter acontecido confundiram-nos o traço.
Almas de mulheres são sempre confundidas e todas trazem o mar nos olhos, como também traz, a minha filha que nasceu no dia do aniversário da tua morte.
 
 
39 anos nos podiam separar, mas não, 39 anos unem as mulheres, porque todo o tempo é tempo de mulheres, e são os poetas que fazem a história, acreditam nas mudanças, forçam as interrogações e arranjam numa nesga de tempo o tempo para ver o Mar.
É sempre o Mar Sophia, o teu o meu, o delas,...o nosso Mar.
 
O Mar une a fixidez das terras, o verde das paisagens, o deserto dos caminhos, o Mar vive nos olhos dos que sonham, dos que resistem, dos que têm fome e sede de infinito, dos que percebem apenas da simplicidade das coisas.
As almas nascem em tempos diferentes mas todas vão desaguar ao Mar ... .
 
 
É o Mar dos Meus olhos, dos teus, dos delas... dos nossos olhos, O mar das mulheres que não desistem ainda que o infinito esteja límpido e vazio, ainda que ninguém o saiba ler, ainda que o soldadinho não volte, ainda que se levante temporal, .... há sempre alguém que resiste e não desiste de ser Mar, e há mulheres que trazem o Mar nos Olhos....
 
Não pela cor
Mas pela vastidão da alma
E trazem a poesia nos dedos e nos sorrisos
Ficam para além do tempo
Como se a maré nunca as levasse
Da praia onde foram felizes
Há mulheres que trazem o mar nos olhos
pela grandeza da imensidão da alma
pelo infinito modo como abarcam as coisas e os homens...
Há mulheres que são maré em noites de tardes...
e calma.
 
ACCBO 
escrito no papiro por ACCB às 23:24
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 27 de Outubro de 2022

Escritora Serei?

 

91B82513-738E-4377-B7DE-8674C90B4C4C.jpeg

Maria Alzira Seixo escreveu in Discursos do Texto o seguinte:

 

“Escritor é aquele que escreve. Mas que será escrever? Cobrir papel com tinta? Isso será outra coisa; desenhar, por exemplo; ou fazer contas; ou escurecer a folha branca, de tal modo que fique negra. Então, para definir o que é escrever, e procurando a fórmula mais apropriada, eu direi: é aquilo que o escritor faz. Mas tudo o que o escritor faz é escrita? O escritor come, o escritor bebe, o escritor dorme; ama e odeia; trabalha e repousa, olha e cheira; toca; faz. Mas nem sempre cumpre tudo isso: por vezes, só come, dorme, repousa, cheira, toca; noutros casos, fundamentalmente trabalha, olha e faz.

            Isto talvez queira dizer alguma coisa. Mas não quer ainda dizer aquilo que procuro, que é uma definição de escrita ou de escritor. E descubro que só entendo uma coisa pela outra e que a palava é o coração da acção.

            Esta descoberta me satisfaz, por agora, e dela sei o nome: autonímia.

Descobri então uma palavra, uma acção- e descobri a(s) escrevendo.

 (Então serei escritora?) (…)”

            (…) Escrever é descobrir, então. Revelar, também…

            (…) Escritor é aquele que escreve?

Não: escritor é aquele que faz com palavras.

E a palavra é de ordem, é uma ordem, é um dos caminhos da construção.”

 

Maria Alzira Seixo, Diário de Notícias, 8 de maio de 1975, in Discursos do Texto

escrito no papiro por ACCB às 16:37
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Palavras para quê?


ALA
*
Só ficas adulto depois do teu pai morrer, porque deixou de existir a última coisa que existia entre ti e a morte.
fonte: Jornal de Letras, 25.10.2006
*
Cada vez gosto mais de ser português e cada vez tenho mais orgulho no meu país. É-me insuportável ouvir dizer «somos um país pequeno e periférico». Para mim Portugal é central e muito grande.
fonte: Jornal de Letras, 25.10.2006
*
Eu pergunto-me se é possível entrevistar um escritor. Acho que não é porque ele é muita gente. E é muito difícil apanhar essa multidão toda.
fonte: entrevista na RTP 2, programa Por outro lado, 04.04.2006
*
Todos nós somos muitos.
fonte: entrevista na RTP 2, programa Por outro lado, 04.04.2006
-
António Lobo Antunes
-

... são precisas muitas mulheres para esquecer uma mulher inteligente.
fonte: Diário de Notícias, 17.02.2006
-
Desculpem, faltava esta!
escrito no papiro por ACCB às 02:12
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 16 de Outubro de 2022

Agustina Bessa-Luís

 

311580644_779764969723778_4104888639899542014_n.jp

«A Geração Que Me Seguir
 
A geração que se seguirá a mim, amada até representar a única alegria que a ideia da morte nos pode dar — a de ela nos sobreviver —, é vista por mim com desprendimento.
Mas o amor mais perfeito é desprendimento, e não persuasão.
Não há palavras minhas que eu prefira e aconselhe a guardar.
Tenho dito coisas muito belas, outras insignificantes.
 
É o que acontece quando se escreve muito, às vezes por motivo dum estado de alma tenso e resolvido a despertar por medo ou piedade. Se não fossem estas duas intenções inefáveis, a obra do maior dos génios reduzia-se a meia dúzia de páginas.
 
Enfim, é preciso não considerar o mundo como uma vasta biblioteca, um lugar onde a educação da alma se faz apenas por meio da experiência congelada. Não que uma obra grande não seja preciosa. Dá-nos confiança, ajuda-nos a suportar o tédio e a desilusão; embora a maior parte dos discursos sobre a beleza e o bem careçam de coerência e de razoabilidade.
Mas não é de maneira nenhuma irrisório que o homem deixe testemunho da sua passagem na terra e que cada um ilumine com paixão uma realidade.
Nisto da eternidade tem que se dar um empurrãozinho, senão caímos na autocomplacência que é o rastilho do carreirismo.
 
De uma entrevista, Novembro de 1978»
 
 
[Agustina Bessa-Luís, Caderno de Significados, Guimarães, 2015]
[fotografia: Agustina Bessa-Luís_Agosto, 1969. Último ano de Esposende. Arquivo de família. Todos os direitos reservados.j
escrito no papiro por ACCB às 11:54
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Regressemos...................

 
Lá fora tocam as avé marias. É a Missa das 6. Não vou. Fico cá dentro e abro os papéis, como quem abre caixas com assuntos que não foram resolvidos e pessoas que me sussurram os seus descréditos e as suas dores.
 
Ao fundo corre a entrevista de António Lobo Antunes que quero ouvir de novo. Aprendi a gostar e a ler, a escutar e a ver com o livro "Cartas de Guerra - D'este viver aqui neste papel descrito "...
 
Antes não estava preparada para o ler ou para o entender....gosto das crónicas dele...das reticências que faz antes de responder às perguntas...
 
"Meu querido amor da minha vida... "-é assim que ele começa todas as cartas que escreve aquela que tanto amou....Como alguém tão distante se torna tão próximo só porque escreve e sente como nós.
 
E depois é tão verdade..."só um amigo verdadeiro pode ser cruel"....
 
O medo da perda da capacidade de criar ...aprender.
 
"A gente não sabe de onde vem um livro...
Espero não ter atingido o ponto mais alto da criatividade... Sei muito pouco..."
 
ACCB
 
escrito no papiro por ACCB às 08:59
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 13 de Outubro de 2022

12.10.22

Não há nada

 

que valha

 

a dignidade do silêncio.

 

 

Júlio DANTAS

 

310279787_519423626855532_768288123901800057_n.jpg

escrito no papiro por ACCB às 02:02
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 7 de Outubro de 2022

A vida em prémio Nobel

Annie Ernaux.jpeg

Prémio Nobel,... assim uma espécie de ascenção aos céus, como se de repente alguém, todos ao mesmo tempo, muitos alguéns, se lembrassem de que outro alguém existe.

 

Existe em função dos outros, para os outros, pelos outros e com os outros.... uma espécie de oração num ritual sagrado ou só religioso.

 

É assim com o Nobel da Literatura este ano. Ela não conta histórias inventadas, todas as que conta ou descreve têm sangue, e choro, sorrisos e vidas dentro. São absolutamente existentes.

 

Não há qualquer ficção estranha  nas suas vidas   aparentemente estranhas, do que se fala é das coisas que lhes acontecem... porque são reais e, normalmente, só se fala delas para condenar, criticar, sussurrar pelos corredores e chorar na mesa de um bar ou de um café,  ao chá com as amigas....muitas vezes mil vezes repetidas até à exaustão.....

 

 Quando a olho encho-me de coragem, não para o prémio Nobel obviamente, mas, para escrever  e deixar um legado nem que seja aos filhos. Mas eu não sou Professora de Literartura, escrevo mal e ando sempre em guerra com as vírgulas...Ainda que um poema meu tenha feito parte de aulas de Literatura Internacional... quem sou eu de tão pequena e limitada? Nada.

 

Um trabalho autobiográfico e por isso corajoso mas sem medos, altivo e certeiro.

É da vida que se fala na obra de Annie Ernaux

 

Estou muito tentada a ler " A mulher Gelada" .... acho que não há tradução em língua portuguesa.

ACCB

 

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 12:10
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 27 de Setembro de 2022

Outono e Setembro

 

71086302_2051377711628463_8668813779514949632_n-2.

( Foto ACCB) 

_____
 
Dizem que é Outono desde dia 23 mas, o que é certo, é que a esta hora o Verão esta lá fora e passeia-se pela calçada de mãos nos bolsos.
Devem ter feito mal as contas com esta mania, que têm os seres humanos, de que as estações calham sempre na mesma plataforma e têm de se encaixar no mesmo mês.
 
 
Já não é como queremos é como fazemos. E esqueçam que não chove em Agosto, é engano. Ou que não há perna sem meia em fins de Setembro,... é panaceia.
 
Havia de haver mar ali ao fundo e eu descia e molhava os pés na maré. Aposto que a esta hora a maré recuou pela Lua e não há som que a denuncie na praia,....a não ser mesmo na orla da espuma.
 
Há-de nascer o Sol e dizem que vai andar por aí, o dia todo, como faz no Verão pelos dias longos que agora já começaram a recolher-se mais cedo.
..................
 
É o único sinal de Outono, o pôr do sol à hora que eu deveria descer à praia em vez de regressar a casa.
Diz-me o sono que me começam a pesar as pestanas penduradas nas pálpebras,... mas, esta coisa do Verão teimar em caminhar lá fora de mãos nos bolsos faz-me pensar em café.
 
Ao menos podia sentar-se e fumar um cigarro.......
 
23 Setembro 2019
 
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 16:01
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 8 de Setembro de 2022

God Save the Queen

A Magia, A Força, A Ponderação, A Aprendizagem, A Família,
 
O Governar, A União,
 
O Existir pelo Outro e para O Outro....
 
 

image.jpeg

 

escrito no papiro por ACCB às 18:00
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 5 de Setembro de 2022

Amiga

199650_372604179478573_1780767939_n.jpg

 
 
Uma amiga é assim uma espécie de espelho.
Ainda não olhaste para ele e já devolve a tua imagem.
Sabe-te as noites de insónia e as manhãs de pressa.
Sabe quantas horas vais ganhar ou perder antes de saberes e sabe sempre o resumo daquela história de que fizeste parte e a que nem assististe exactamente por isso.
Sabe-te os pormenores, os risos, a faceta mais marcante, as caretas e talvez alguma lágrima que sem querer lhe ofereceste em partilha.
Uma amiga vai ficando, devagarinho e pensas sempre que quando forem velhinhas podes contar com ela.
E desatas a imaginar festas de cotas a rir às gargalhadas e a imaginar patetices e a empolgar o que nunca fizeram...
Uma amiga serve para tudo, até para parvoar e inventar disparates.
A amizade é isso que vai ficando em partilhas de tudo,... coisas de mulheres... coisas de amigas.
 
5 Setembro 2012
 
 ACCB
escrito no papiro por ACCB às 23:17
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Muezim

 

118850509_2803224839777076_3019836014976749153_n.j

Muezim
Ecoa melhor quando a luz estremece na tarde e não há sons porque tudo se aquietou com o calor que sufoca.
Se for à beira do rio Nilo chama-te os olhos para a água, como se bebessem cada entoação.É tão estranho o arrepio ainda que o dia não tenha sequer espaço para arrepios.
Tem horas para se fazer ouvir mas surpreende sempre, com o tom poderoso de cada uma das 5 vezes que acontece...pelo alvorecer, ao meio-dia com o Sol no seu ponto máximo, entre o meio-dia e o pôr do sol e logo após o pôr do sol mas antes da meia noite.
A que mais me toca é sempre a que é feita antes do pôr do sol... afinal nós também olhamos essa hora como uma glorificação a mais um dia de Vida embalados na Esperança de que outro dia nascerá ... deve haver uma conjugação de energias para que essa hora seja mais sagrada...
Não sei antes dos megafones como era mas, devia passar-se de boca em boca como um pássaro que chama para seguir rumo ao sul.
Antes da chamada o ritual da purificação que a água percorre transparente pelas mãos e braços, pelos pés, pela cabeça e rosto....pela boca.
E ajoelhar na direção que só eles sabem e nós tentamos entender.
Não importa se não professo a mesma religião...
Nao importa se não falo a mesma língua...(que imensa torre de babel somos...), nem me importa as palavras que proferem que podem até não me dizer nada.
É o tom que é apelativo, como uma contemplação, uma união de vontades, um parar na vertigem do dia para nos reencontrarmos.
A voz tem o apelo poderoso da oração ... e qualquer oração/contemplação, em qualquer ponto do planeta ( no Tibete,...em Israel... num templo,...à beira de um rio, em frente ao mar,... descalços, sentados de pernas cruzadas,... em silêncio, de olhos fechados,), tem o poder de unir.
Que bom, que um dia, uma Voz nos sintonizasse a todos, pela mesma hora ainda que o Sol nasça e se ponha em horas diferentes nos pontos diferentes de onde o olhamos.
Que bom, que um dia, uma Voz nos dissesse que unidos no mesmo sentido independentemente das nossas crenças e vontades. somos mais fortes, mais unos, menos belicosos e com Dignidade coexistimos.
Porque nós não nos subjugamos, nós coexistimos. É o que a Dignidade nos impõe...
 
5 Setembro 2020
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 23:05
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Sísifo

sintra-caminho-pontes-9-683x1024.jpg

Recomeça...
Se puderes
Sem angústia
E sem pressa.
E os passos que deres,
Nesse caminho duro
Do futuro
Dá-os em liberdade.
Enquanto não alcances
Não descanses.
De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,
Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.
Sempre a sonhar e vendo
O logro da aventura.
És homem, não te esqueças!
Só é tua a loucura
Onde, com lucidez, te reconheças...

escrito no papiro por ACCB às 11:44
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas (1)
Domingo, 21 de Agosto de 2022

Poesia

298291453_4819714204794786_3422766920796529666_n.j

A poesia prova assim não ser apenas um género literário, mas um olhar revelador de mistérios e uma sabedoria resgatadora da nossa profunda humanidade.

A poesia é um modo de ler o mundo e escrever nele um outro mundo.

Mia Couto

escrito no papiro por ACCB às 00:37
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Laco di Como...

295455689_4782225995210274_3371215722233805606_n.j

 

Laco di Como...

Olha-nos de sorriso nos olhos, na boca também, calmo e observador, ... Vai recebendo o nosso espanto como se já o soubesse, não por antecipação mas por conhecimento natural de cada um de nós

É a Mãe Terra, o todo a que pertencemos, a dar-nos oportunidade de a sentirmos, de nos sentirmos, num silêncio de alma, de comunhão, de vivência mútua.

Cada olhar é uma auto descoberta, um despojamento de tensões e ambições, um convite à existência para que nascemos, a razão de pertencermos ao Todo.

E bebemos pelo olhar o silêncio, a vontade de ficar ali, revêmos a correria dos dias num segundo porque não há tempo para isso,...para correrias.

Valeu a pena....O Mundo não é guerra nem fugas, nem poluição, morte e doenças.O "Mundo" é isto.O resto são sobressaltos de percurso que podemos, ou não evitar, mas não são o Mundo, e nem sempre temos de nos sentir culpados por eles.
______
À saída pergunta-nos se voltamos, se gostámos, se o levamos connosco....e sentimos que fazemos realmente parte do Todo, que vale a pena ser o Todo, preservar esse todo e existir serenamente.

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 00:34
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Ser Juiz

Diz uma personagem de "banda desenhada" ficção, o que quiserem:
Eu acredito na Verdade mas, também sou um grande fã da Justiça.
 
__________
E de súbito eu penso:
Ser juiz é isto...um passo de cada vez, todos os dias.
ACCB
 
 

B7822142-44CE-4C6F-B97C-3D21F4D7D5B7.jpeg

escrito no papiro por ACCB às 00:32
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 10 de Agosto de 2022

10.08...............

297890598_4815421831890690_6828302013249248998_n.j

 
 
SOBRE O LADO ESQUERDO, de Carlos de Oliveira (10 de Agosto de 1921 – 1 de Julho de 1981).
 
- A 10 Agosto - há 31 anos.
.
De vez em quando a insónia vibra com a
nitidez dos sinos, dos cristais. E então, das duas
uma: partem-se ou não se partem as cordas tensas
da sua harpa insuportável.
No segundo caso, o homem que não dorme
pensa: «o melhor é voltar-me para o lado esquerdo
e assim, deslocando todo o peso do sangue sobre a metade mais gasta do meu corpo, esmagar o coração».
.
.
In “Sobre o lado esquerdo“, 1968

10.8-------

escrito no papiro por ACCB às 00:38
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 19 de Junho de 2022

TOP GUN

 

TOP GUN

image.jpeg

 

 

escrito no papiro por ACCB às 18:07
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 18 de Junho de 2022

3 de la tarde



13407208_783944185038495_4856060877463580406_n.jpg


13423897_783944138371833_7094748902134323464_n.jpg

 
É mesmo penoso! Penoso e pesado. Devia ser Sevilha às 3 da tarde e eu dormia pela certa. Ou Córdoba pelas 15 e um calor daqueles que transforma o ar em gelatina. É igual o peso que tenho nas pálpebras e já tomei dois cafés.
Devia ser Granada às 3 da tarde e iria até Alhambra como uma princesa moura e descalça. Percorreria os jardins, os regatos saltitantes de água fresca e adormeceria num qualquer canto com sons de cigarras.
Teria muitas pedras preciosas entre os dedos e um diadema vindo de África sobre os cabelos... e sonharia com férias, chá quente para refrescar e muito, muito tempo e espaço para ler.
É mesmo penoso....
 
 
(Alguém conhece uma magia para tornar as pálpebras leves?)
 
 
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 15:04
link | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 16 de Junho de 2022

Tarde de trovoada Feriado lá fora

É assim que se cosem os textos pela tarde quente de trovoada
É a quebra dos sentidos e a mistura das ideias
O passar pelo sono numa fração de segundos e pensar que se está noutra dimensão, quem sabe de uma outra vida, tudo misturado, mais leve e mais criativo
Quando abres de repente os olhos num súbito sobressalto, ainda estás sentada na secretária mas nada tem que ver com o que te passava pelos olhos enquanto, numa fração de segundos, mergulhavas noutro espaço....
É isto que nos fazem as tardes quentes à espera de trovoada, com feriado lá fora e trabalho aqui dentro.
 
ACCB

13450778_783944341705146_353431624725857896_n-2.jp

Cansaço
O que há em mim é sobretudo cansaço —
Não disto nem daquilo,
Nem sequer de tudo ou de nada:
Cansaço assim mesmo, ele mesmo,
Cansaço.

A subtileza das sensações inúteis,
As paixões violentas por coisa nenhuma,
Os amores intensos por o suposto em alguém,
Essas coisas todas —
Essas e o que falta nelas eternamente —;
Tudo isso faz um cansaço,
Este cansaço,
Cansaço.

Há sem dúvida quem ame o infinito,
Há sem dúvida quem deseje o impossível,
Há sem dúvida quem não queira nada —
Três tipos de idealistas, e eu nenhum deles:
Porque eu amo infinitamente o finito,
Porque eu desejo impossivelmente o possível,
Porque quero tudo, ou um pouco mais, se puder ser,
Ou até se não puder ser...

E o resultado?
Para eles a vida vivida ou sonhada,
Para eles o sonho sonhado ou vivido,
Para eles a média entre tudo e nada, isto é, isto...
Para mim só um grande, um profundo,
E, ah com que felicidade infecundo, cansaço,
Um supremíssimo cansaço,
Íssimno, íssimo, íssimo,
Cansaço...

Álvaro de Campos, in "Poemas"
Heterónimo de Fernando Pessoa

escrito no papiro por ACCB às 15:13
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Engolir o Universo

buracos-negros-2.jpg

O que é isso do Universo? Já acho o Mundo tão grande que não consigo abarcar o que seja o Universo....é como ganhar o euro milhões,... um enorme euro milhões... nunca saberia contar tanto dinheiro.

 

E no entanto, por vezes, sinto-me cheia de cansaços, os todos que há no Mundo, cansaços passados, presentes e o peso dos futuros, como se o Universo se tivesse encostado todo à minha nuca e eu estivesse prestes a desitir da posição de o perceber, olhando atentamente para baixo quando afinal ele está todo por cima e à volta.

 

E se eu fosse mesmo feita de pedações de estrelas?... Juro-vos que acredito que sou. Que fraqueza.... apenas pedacinhos de estrelas, pedacinhos incompletos. E que fazer? Seguir sempre a estrada que o caminho faz-se caminhando, repetindo gestos, ideias, ideias felizes, súbitas mas por isso mesmo felizes... e depois voltar ao razoável, à rotina, ao que tem de ser para além do Universo e num espaço ínfimo nele.

 

E seu eu engolisse o Universo como Cronos , engolia os filhos? Cronos e o Tempo engolem o que geram...

 

 

Mas eu nem gerei o Universo,... só virando-me do avesso e abarcando-o todo como um espaço que aumenta ao virar o direito para dentro e o interior para fora....mas entretanto o tempo já me devorou.

 

 

Ao virar o Direito para dentro... e reparo quantos séculos de humanidade, quantas lutas e quantas perdas, quantas guerras e quantas mortes nesta palavra.

 

Quantos pedacinhos de estrela se estilhaçaram para que a palavra Direito que me levou a esta evasão de contemplar o Universo pudesse existir?

 

Direito não envolve autoridade ou será que envolve? Envolve luta, sangue suor e lágrimas e é por isso que todos querem lutar, ser livre ou morrer por ele. E é por isso que existem as convenções, as cartas de direitos, os diplomas legais....para que tudo não se repita....e repete.

 

Há anos que faço “isto”, há anos que visto a beca, há anos que empunho a espada... e que teria acontecido se eu não tivesse aceite a espada?

 

O Universo continuaria a existir, os movimentos de rotação e traslação da Terra continuariam a existir,... as estrelas planetas e cometas continuariam sobre a minha nuca todas as noites que tento proteger direitos e o Direito.... como é assim e agora e será sempre. Ámen.

 

Será que algum dia aceitei a Espada ou apenas a resgatei e empunhei?

 

Então, engulo o Universo e sigo em frente, como quem engole um sapo, como quem percebe que tudo continuará encostado à nuca, como quem sabe que entre a espada e a parede, escolherá sempre a Espada.

ACCB

 

escrito no papiro por ACCB às 13:21
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A Justiça

 

102993983_2586916018074627_4343152499018937065_n.j

 
"E é inegável a existência do supremo bem que é a independência judicial, formada a Magistratura como um corpo separado, oriundo por escolha de orgão próprio, fora do quadro de qualquer designação política, parlamentar que seja,pois estaria aberta a porta para a contaminação daquela pelos interesses de partido que são, não infrequentemente, expressão de interesses de grupo quando não individuais.
Para ser democrática, a Justiça não tem de ser eleita mas de eleição."
 
 
José Antonio Barreiros - Para além do Bem e do Mal - "Levante-se o Véu!"
escrito no papiro por ACCB às 13:06
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

ÀS VEZES É PRECISO

 

102984935_2587094364723459_4088632355632260014_n-2

Desce da escrita e vem sentar-te por aqui... Não importa onde... senta-te apenas
Abandona o corpo
É o fim de mais um dia no relógio da noite
Ainda que os teus olhos tenham o mar dentro
deixa que o pôr do sol fique lá atrás na beira da maré
 
 
Sabes?
Às vezes é preciso dormir
descansar o dia cansado que te pesa nos ombros
Às vezes é preciso dormir para não desistir
 
 
Ouve música e senta-te
lê e senta-te
fecha os olhos, senta-te
mas abandona as horas que já passaram...
Amanhã rejuvenesce o dia
é Primavera não tarda
Às vezes é preciso dormir para não desistir...
 
 
Deixa-te estar... e dorme.
A Primavera vem já a seguir
Fecha-se o Inverno na Curva da manhã e a Vida vai acontecer
Acontece sempre
 
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 13:04
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 13 de Junho de 2022

Palavras Interditas

merzouga-nascer-do-sol-rodrigo-nao-e-caro-viajar-s

 
Procuro a ternura súbita,
os olhos ou o sol por nascer
do tamanho do mundo,
o sangue que nenhuma espada viu,
o ar onde a respiração é doce,
um pássaro no bosque
com a forma de um grito de alegria.
(...)
Porém eu procuro-te.
Antes que a morte se aproxime, procuro-te.
Nas ruas, nos barcos, na cama,
com amor, com ódio, ao sol, à chuva,
de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te.
 
 Eugénio de Andrade
escrito no papiro por ACCB às 00:21
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 12 de Junho de 2022

Eugénio de Andrade

282624853_3086342811630081_2930821321001488968_n.j

escrito no papiro por ACCB às 00:34
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 11 de Junho de 2022

Lar

 
 

IMG20210827200216.jpg

( foto ACCB)

Lar é onde se acende o lume e se partilha mesa e onde se dorme à noite o sono da infância.
Lar é onde se encontra a luz acesa quando se chega tarde.
Lar é onde os pequenos ruídos nos confortam: um estalar de madeiras, um ranger de degraus, um sussurrar de cortinas.
Lar é onde não se discute a posição dos quadros, como se eles ali estivessem desde o princípio dos tempos.
Lar é onde a ponta desfiada do tapete, a mancha de humidade no tecto, o pequeno defeito no caixilho, são imutáveis como uma assinatura conhecida.
Lar é onde os objectos têm vida própria e as paredes nos contam histórias.
Lar é onde cheira a bolos, a canela, a caramelo.
Lar é onde nos amam.
 
 
ROSA LOBATO FARIA, in O SÉTIMO VÉU (2003; Ed. ASA, 2017)
 
escrito no papiro por ACCB às 00:14
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 10 de Junho de 2022

Tudo vem.......

285566588_576897577141049_6425162137085755107_n.jp

Tudo vem ao chamamento.
Penso mar, e o mar enche-me a alma e as mãos.
Balbucio cal, e na pele do tempo cresce uma casa onde não viverei, ergue-se uma cidade de melancolia na incerteza dos punhos, e nela nos ferimos.
 
Digo sol, e quase cego consigo tocar-lhe.
Só por ti clamo, e não te acendes, nem regressas, e me queimas.
 
 
AL BERTO, in LUNÁRIO (Contexto, 1988; Assírio & Alvim, 2017)
 
escrito no papiro por ACCB às 00:09
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 7 de Junho de 2022

demora-te... vai....

IMG20211010191928.jpg

Demora-te no aconchego de um nome mudo, de um segredo que te tivesse chegado às mãos e não queimasse, de uma luz capaz de te trespassar os olhos sem cegar:
 
detém-te no que de beleza te atordoa mesmo que o ar te falte e a vertigem te retire o chão dos pés, enrolando como pano cru, o céu acima de ti
vai até onde toda a urgência se faz vã, observa a semente que germina, medita no segredo da planta que perfura a pele da terra, no lento desembrulhar das folhas, das flores, no sumarento insuflar dos frutos, detém-te diante de um casulo de insecto, sua seda enlaçada e brilhante, sente a textura e absorve a cor aveludada do musgo, repara no fluxo do pequeno ribeiro que rasga seu caminho por entre a ruiva cabeleira dos vimieiros, ergue o olhar até à linha da montanha que o nevoeiro devasta e diz-me: se um dia cada palavra aprender os sentidos que os teus sentidos lhe oferecem, que poderá haver ainda que elas não saibam dizer por ti?
 
ANTÓNIO GIL, in RIO DE DOZE ÁGUAS, 12 poetas (Coisas de Ler, 2012)
 
escrito no papiro por ACCB às 00:00
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas (2)
Segunda-feira, 6 de Junho de 2022

A minha Tática

m000352403.jpg

 
"Minha tática é olhar-te aprender como tu és querer-te como tu és... Minha tática é falar-te e escutar-te construir com palavras uma ponte indestrutível... .
 
Minha tática é ficar em tua lembrança não sei como nem sei com que pretexto porém ficar em ti..
Minha tática é
ser franco e saber que tu és franca e que não nos vendemos simulados
para que entre os dois não haja cortinas nem abismos... ...
 
minha estratégia é em outras palavras mais profunda e mais
simples.. minha estratégia é
que um dia qualquer não sei como nem sei com que pretexto por fim me necessites.”
 
 
Mario Benedetti
escrito no papiro por ACCB às 23:52
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Se..........

 

4E50700B-38D8-4A6B-BE7D-AC86DFA61A56.jpeg

 
“Se eu não morresse nunca!
 
E eternamente buscasse e conseguisse a perfeição das coisas!”
 
Cesário Verde
escrito no papiro por ACCB às 23:32
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 4 de Junho de 2022

Anel

 

anel-de-noivado-condessa-de-borgonha-e164485236998

 
 
Olho o teu anel no meu dedo
No médio, que no anelar fica lasso
Olho o teu anel no meu dedo
E é como se a tua história estivesse incrustada na minha mão
A fazer lembrar a tua
Deformada
Olho o teu anel no meu dedo de pedra amarela
Semipreciosa
O único que recebeste
Esse que guardaste no fundo da gaveta da tua cómoda
E que envelheceu contigo
Entre comprimidos, papéis inúteis e cartas alheias
Sem envelope
E que te esqueceste de deitar fora
No teu quarto de reposteiros gastos, fora de moda e solitários
Enlouquecidos
Cheios das tuas insónias e das tuas mágoas
Com a roupa do teu amor mal dobrada a um canto
Abandonada
Olho o teu anel de ouro antiquíssimo
Elegante
Fundido num nome que odiavas
Com as tuas memórias gravadas que o tempo não oxidou
Olho o teu anel no teu dedo
Esse que usavas em todos os teus dias
Aborrecidos
Banais
Nas tuas mãos que nunca foram bonitas
Nas minhas que são iguais.
 
ANA PAULA JARDIM, in ROUPÃO AZUL (Editora Guerra & Paz, 2021)
 
 

 

escrito no papiro por ACCB às 00:04
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 1 de Junho de 2022

......trago todos os cheiros comigo

10350447_587441278022121_1492063527799138882_n-2.j

Ainda Hoje trago Todos os Cheiros Comigo

MOTE:
Ruy Belo /ALGUMAS PROPOSIÇÕES COM CRIANÇAS
(....)
Se foste criança diz-me a cor do teu país 
Eu te digo que o meu era da cor do bibe 
e tinha o tamanho de um pau de giz 
Naquele tempo tudo acontecia pela primeira vez 
Ainda hoje trago os cheiros no nariz 
(...)

Ruy Belo, in 'Homem de Palavra[s]'

____________________

 

O meu País era verde e vermelho e tinha um sol amarelo no meio. Quando era Verão o Sol era tão grande que me fazia franzir os olhos e olhar tudo por um fio de olhar com a mão em pala sobre as sobrancelhas.
Lembro-me bem do cheiro da areia de manhã cedo, porque era de manhã cedo que a areia embrulhada em mar tinha aquele cheiro que entrava pelo nariz dentro e criava espaço para combater as gripes depois, no Inverno.

 E o cheiro do mar chão... com a areia em ondinhas até lá dentro.. dentro, dentro, de tornozelos até ao fundo...

-Não te afastes que a maré está a encher não tarda! - dizia a mãe - vem cá que tens de pôr creme.
- E sinto o cheiro do creme,... ainda hoje não consigo usá-lo no Inverno porque me parece que todos olham e acham que cheguei da praia, que não faço mais nada que chegar da praia, que durmo lá e acordo lá, e os meus pés ganharam algas,... não tarda sonho que sou um peixe.
 

Ficava por ali naquele cheiro misturado à tarde com os pinheiros e as cigarras e esquecia os meses com a cor do meu bibe. O bibe que tinha de andar sempre limpo, sempre impecável, sempre como se ele fosse mais que eu, e eu dentre dele não me pudesse mexer não fosse estragar o vinco ou o laço.
 Esquecia o som do pau de giz que me entrava nos dentes até à alma e me arrepiava tanto que ficava capaz de gritar. E a Maria? A Maria quando ficava a  tomar conta da sala arranhava as unhas no quadro e transformava-se toda num pau de giz... Mas aí gritávamos muito e tapávamos os ouvidos. Às vezes batíamos  a rir com os pés no chão e a sala de aula parecia um enorme teatro em pateada.


Naquele tempo tudo acontecia pela primeira vez... as sapatilhas de ginástica tinham aquele cheiro característico e o palco da escola era escuro para o lado de fora nos dias das representações. Só tinha palmas no fim ou durante se alguém pensava que a hesitação  era o fim.
E o cheiro dos livros novos? Já não cheiram assim os livros da escola, nem os cadernos... Nem as tintas das caixas de guaches, nem os lápis de cor... mas ainda tenho o cheiro na memória e, às vezes passa um perfume com a minha professora da primária lá dentro.

E depois vinha de novo a escola... partia o sabor das sanduíches ao almoço na praia para não subir a ladeira até casa, até porque os amigos ficavam quase todos por lá. E se a mãe levava salada russa ( naquele tempo fazia-se )... não há mais nenhuma igual aquela com sabor a praia e a a maré cheia.
E a fruta comida ao calor a pouco e pouco aos pedaços, fresca da geleira que ía sempre leve para cima. As bananas que vinham da Madeira e nunca mais trouxeram aquele sabor único, as uvas brancas com sabor a risadas e a projectos para a seguir ao almoço...
os pés a escaldar de corrida  com gargalhadas porque descalços era mais rápido até lá acima


 E até lá acima era tudo, era o ver o Mar daqui de onde se avistava um Mundo enorme  que continuava para além do infinito...

Naquele tempo o meu País era verde e vermelho e tinha um grande Sol amarelo no meio... e ainda hoje trago todos os cheiros comigo... mesmo o daquele perfume que às vezes passa com a minha professora da primária lá dentro.

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 23:12
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 26 de Maio de 2022

Ah, abram-me outra realidade!

99059101_2538808669552029_4549472807259471872_n.jp

 
Ah, abram-me outra realidade!
 
Quero ter, como Blake, a contiguidade dos anjos
E ter visões por almoço.
Quero encontrar as fadas na rua!
 
 
Quero desimaginar-me deste mundo feito com garras,
Desta civilização feita com pregos.
 
 
Quero viver como uma bandeira à brisa,
Símbolo de qualquer coisa no alto de uma coisa qualquer!
 
 
Depois encerrem-me onde queiram.
Meu coração verdadeiro continuará velando
Pano brasonado a esfinges,
No alto do mastro das visões
Aos quatro ventos do Mistério.
 
O Norte — o que todos querem
O Sul — o que todos desejam
O Este — de onde tudo vem
O Oeste — aonde tudo finda
 
— Os quatro ventos do místico ar da civilização
— Os quatro modos de não ter razão, e de entender o mundo
 
 
4-4-1929
Álvaro de Campos - Livro de Versos . Fernando Pessoa.
escrito no papiro por ACCB às 02:49
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 25 de Maio de 2022

Bom e Expressivo

281140053_2183670888459307_1238761761493164631_n.j

Acaba mal o teu verso,
mas fá-lo com um desígnio:
é um mal que não é mal,
é lutar contra o bonito.
 
Vai-me a essas rimas que
tão bem desfecham e que
são o pão de ló dos tolos
e torce-lhes o pescoço,
tal como o outro pedia
se fizesse à eloquência,
e se houver um vossa excelência
que grite: — Não é poesia!,
 
 
diz-lhe que não, que não é,
que é topada, lixa três,
serração, vidro moído,
papel que se rasga ou pe-
dra que rola na pedra...
 
 
Mas também da rima «em cheio»
poderás tirar partido,
que a regra é não haver regra,
a não ser a de cada um,
com sua rima, seu ritmo,
não fazer bom e bonito,
mas fazer bom e expressivo...
 
 
Alexandre O'Neill, in 'De Ombro na Ombreira'
escrito no papiro por ACCB às 00:20
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas (1)
Terça-feira, 24 de Maio de 2022

A fronteira.......

Há um espaço de tempo misturado com um espaço de cadeira em que olhamos o teclado e pensamos que já não há forma de continuar.
Então chegamo-nos para trás e lemos 3 vezes as mesmas frases... e há uma dor que se enfia no ombro esquerdo e um peso de cristal de chumbo no olhar que teima em puxar as palpebras para dentro dos olhos...
É aquela hora em que ou passamos a fronteira...ou...vamos dormir.
______
Mergulho os olhos ao fundo, no mar.
Tem arestas de prata e é tão profundo quanto a noite.
Tiro do papel os ultimos acordes de decisões necessárias, trabalhadas a ferro e fogo pela noite dentro.
Não há aragem porque fechei a janela... nem passos.
Há um fio ténue entre o acordar e o escrever.... Passei a fronteira. Escrevo.
 
ACCB
 

shutterstock_534587599-1400x765_c.jpg

escrito no papiro por ACCB às 00:50
link | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Mundialmente falando

NÓS

CRÓNICA

DESOBEDIÊNCIA 11.11.22

Equilíbrio

A Invenção do Amor

O Mar dos meus Olhos

Escritora Serei?

Palavras para quê?

Agustina Bessa-Luís

Regressemos.................

12.10.22

A vida em prémio Nobel

Outono e Setembro

God Save the Queen

Amiga

Muezim

Sísifo

Poesia

Laco di Como...

Ser Juiz

10.08...............

TOP GUN

3 de la tarde

Tarde de trovoada Feriado...

Engolir o Universo

A Justiça

ÀS VEZES É PRECISO

Palavras Interditas

Eugénio de Andrade

Lar

Tudo vem.......

demora-te... vai....

A minha Tática

Se..........

Anel

......trago todos os chei...

Ah, abram-me outra realid...

Bom e Expressivo

A fronteira.......

Receita para escrever um ...

À cause de 1 post da Filo...

Que quereis?

Acima da Lei

Sem mim

Abril de 2022- 49ª Edição...

Tango

Eu nem sabia........

A Escrita

Quando nos morre ...........

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

Será que não aprendemos n...

...escrever...

BOM DIA!

Uma história com 50 anos

Como se chorar fizesse Ju...

Design no escuro

imperdível de Ferrante

Here I go again

A minha coisa preferida d...

Eu sou a tempestade

Novembro 2022

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds