Sábado, 28 de Julho de 2012

;-)

escrito no papiro por ACCB às 00:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 22 de Julho de 2012

O homem só



Man Alone in Autumn Field, de Sandra Cunningham
 

 

Era um homem, daqueles homens muito sós.
Tinha o texto de um amigo por baixo quando o olhei de costas.
Não, não era o texto, era um poema. Um poema do homem ou sobre o homem. Escrevia e a caligrafia perdia-se na imagem...
Mas, aquele homem era tão jovem e tinha um turbilhão de medos  tão grande por dentro.
Não precisava olhar-me nos olhos para que lhe visse a alma.

Do alto da sua aparente segurança morriam-lhe as mãos  a medo,... e com medo,... e por medo.
Era um homem daqueles homens muito jovens e muito sós.. Com uma vida inteira de solidão pela frente.

ACCB

 

escrito no papiro por ACCB às 11:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 19 de Julho de 2012

O livro que chegara de Coimbra

 

 

O livro.... a questão era o livro.

O tempo que matava esquina a esquina e não sobrava. Era o livro o tormento, a hora no relógio o café a esfriar...

O livro, o raio do livro que chegara de Coimbra de propósito... no banco do pendura , ao sol.. às portas fechadas quando ele ía tomar café a meio da viagem.

 O Livro, ai o livro que tinha de ler e não lhe chegava às mãos.

E a culpa como uma espada que descia da cabeça à nuca... e um nó no estômago já sem palavras para explicar como podia ainda não ter ido buscar o livro....

 


  Decisivo?

ACCB

tags:
escrito no papiro por ACCB às 01:51
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 17 de Julho de 2012

Como os loucos de Lisboa....

 


 
Calor desenhado na calçada
pelos degraus as colunas e a maré
descanso na cadeira da esplanada
Porque  na Vida nada parece  o que é

Uma gaivota traça o céu em correria
... Há um risco de viagem lá em cima
O que eu queria era espaço todo o dia
Pra escrever, ler e fazer rima

Tenho nos olhos a sombra fresca da manhã
espero na tarde que à frente se há-de pôr
e vejo o sol caminhar em esperança vã
De que encontrará logo à noite o seu amor

Será a Lua que depois despertará
Será o dia que cansado fecha os olhos
Deitar-me-ei a sonhar com amanhã
Em que a maré descerá de novos os sonhos


ACCB
escrito no papiro por ACCB às 01:01
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 7 de Julho de 2012

Mimos que me mandam........

escrito no papiro por ACCB às 12:36
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

5 da manhã ...é Verão

 

 

Às vezes quando fico a trabalhar até muito tarde ( não foi o caso hoje) , vêm os pássaros lembrar-me que o Sol começa a despontar na linha do horizonte, ali,...naquele lado em que nascem todos os sonhos e realidades.
Fico então indecisa em acompanhá-lo na sua caminhada diária ou fechar os olhos e dormir enquanto ele se arruma no céu.

Quando acordo já me pendurou as pestanas  por cima da realidade e diz-me que fiz bem dormir mas que podia muito bem ter resistido e vê-lo vender o jornal de sonhos do dia  pelas ruas da cidade.

 

 

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 12:08
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 6 de Julho de 2012

Plagiando, Bertolt Brecht

 
Primeiro foram ao bolso dos funcionários públicos,
Mas eu não me importei
Porque não era funcionário público.
Em seguida foram ao bolso dos operários,
Mas a mim não me afectou
Porque eu não sou operário.
... Depois descartaram-se dos sindicalistas,
Mas eu não me incomodei
Porque nunca fui sindicalista.
Logo a seguir chegou a vez
De alguns médicos, magistrados e forças de segurança,
mas como  nunca fui magistrado, nem médico, nem polícia
também não liguei.
Agora foram ao meu bolso
E quando percebi,
Já era tarde.

Plagiando, Bertolt Brecht´
 
João Baptista Vasconcelos Magalhães
 
 
escrito no papiro por ACCB às 10:56
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

6.7.2012

http://expresso.sapo.pt/matilde-rosa-araujo=f592381

 

O SOL E O MENINO DOS PÉS FRIOS

O MENINO DOS PÉS FRIOS

Era uma vez uma casa. Muito grande. Com um tecto altíssimo, nem
sempre azul. Uma casa enorme onde habitava uma grande família: uma família tão
grande que, por vezes, não julgavam os seus membros que se conheciam. E se
deviam amar.

Houve um menino que entrou nesta casa estava ela toda branca.
No chão tapetes de neve, cristais de água de uma brancura que estremecia. E as
próprias árvores escorriam essa brancura. E frio. Iluminava-a uma estrela tão
brilhante que, sobre o tecto, parecia que poisava sobre as nossas mãos.

Ora um dia, em que fazia anos em que esse menino entrara nessa
casa, outro menino por ela andava com frio. Pelo chão, pelos milhões de
cristais, caminhavam os seus pezitos enregelados. Tanto frio que nem podia olhar
a estrela brilhante. Nem os milhões de cristais que pisava.

Uma mulher chorava a um canto dessa casa. E era triste essa
mulher. Estava triste e cansada. Na casa nem tudo era belo. Ali estava aquele
menino cheio de frio. E, como ele, tantos meninos.

E, já há quase dois mil anos, um menino entrara na asa, que
ficou mais clara com a luz brilhante do tecto. O menino entrou só para dizer uma
palavra pequenina: AMOR.

Então essa mulher perguntou ao menino dos pés frios:

– Tu não tens a tua casa?

O menino olhou a mulher triste e ficou triste. Ambos estavam
tristes. E disse quase envergonhado que não.

– Tu não tens roupa? Sapatos? Um lume? Pão?

A cabeça (tão linda!) do menino ia abanando sempre a dizer não.
A mulher triste começou a ter vergonha. Então ela consentia que na sua casa, na
casa de todos, de tecto nem sempre azul, houvesse um menino sem roupa, sem lume,
sem pão? Ela consentia uma coisa assim? E os outros também?

Escorregaram-lhe pela face já enrugada duas lágrimas
transparentes. De água. Água como a que tombava do tecto, como a que se estendia
nos mares.

E perguntou mais ao menino:

– E para onde vais? Eu dou-te qualquer coisa para o
caminho...

O menino olhou para ela admirado. Não lhe disse para onde ia.
Observou-lhe apenas:

– Tens duas gotas de água nos teus olhos que reflectem o céu
azul e a lâmpada do tecto. Não sentes?

A mulher deixou cair pelo rosto enrugado as duas lágrimas. A
pele, então, ficou-lhe mais lisa. E ela tornou-se menos curva. Ergueu-se.
Estendeu, sorrindo, os dois braços ao menino. E disse:

– Fica. Perdoa.

E o menino ficou. Nos seus braços. Encostado ao seu peito. Com
os pés aquecidos sobre o campo de neve.

E a mulher entendeu que não adiantava chorar ao canto da casa.
E o seu vestido era uma bandeira. E o seu coração uma flor. Com o menino a seu
lado.

A FITA VERMELHA

Eu tinha começado a ensinar. Era muito nova então. Quase tão
nova como as meninas que eu ensinava. E tive um grande desgosto. Se recordar
tudo quanto tenho vivido (já há mais de vinte anos que ensino), sei que foi o
maior desgosto da minha vida de professora. Vida que muitas alegrias me tem
dado. Mais alegrias que tristezas.

Se vos conto este desgosto tão grande, não é para vos
entristecer. Mas para vos ajudar a compreender, como só então eu pude
compreender, o valor da vida. O amor da vida. O valor de um gesto de amor. O seu
«preço», que dinheiro algum consegue comprar.

Eu ensinava numa escola velha, escura. Cheia do barulho da rua,
dos «eléctricos» que passavam pelas calhas metálicas. Dos carros que
continuamente subiam e desciam a calçada. Até das carroças com os seus pacientes
cavalos.

A escola era muito triste. Feia. Mas eu entrava nela, ou digo
antas, em cada aula, e todo o sol estava lá dentro. Porque via aqueles rostos,
trinta meninas, olhando para mim, esperando que as ensinasse.

O Quê? Português, francês. Hoje sei, acima de Tudo, o amor da
vida.

Com toda a minha inexperiência. Com todos os meus erros. Porque
um professor tem de aprender todos os dias. Tanto, quase tanto ou até muito mais
que os alunos.

Mas, desde o primeiro dia, compreendi que teria nas alunas a
maior ajuda. O sol, a claridade que faltava àquela escola de paredes tristes. A
música estranha e bela que ia contrastar com os ruídos dos «eléctricos», dos
automóveis da calçada onde ficava a escola. Até com o bater das patas dos
cavalos que passavam de vez cm quando.

Porque, mais que português e francês, havia uma bela matéria a
ensinar e a aprender. Foi nessa altura que comecei mesmo a aprender essa tal
matéria ou disciplina – ou antes, a ter a consciência de que a aprendia.

Eu convivia com jovens (seis turmas de trinta alunas são perto
de duzentas) que no princípio de Outubro me eram desconhecidas. Cada uma delas
representava a folha de um longo livro que no princípio de Outubro me era
desconhecido. Todas eram folhas de um longo livro por mim começado a conhecer.
Não há ser humano que seja desconhecido de outro ser humano. Só é precisa a
leitura.

Eu tinha agora ali perto de duzentas amigas. Todas aquelas
meninas confiando em mim, esperando que as ensinasse; sorrindo, quando eu
entrava, assim me ensinavam quanto lhes devia.

Mas um dia. Eu conto como aconteceu o pior. E conto-o hoje, a
vós, jovens, que me podem julgar. Julgar-me sabendo este meu erro. E evitarem,
assim, um erro semelhante para vós mesmos.

Já era quase Primavera. Na rua não havia árvores nem flores. Só
os mesmos carros com o seu peso e a violência da sua velocidade. Gritos de vez
em quando. Uma Primavera só no ar adivinhada.

Numa turma uma aluna faltava há dias. Era a Aurora.

Morena, de grandes olhos cheios de doçura. Talvez triste.

A Aurora estava doente. Num hospital da cidade, numa
enfermaria. Num imenso hospital.

Olhei o retratinho dela na caderneta.

Retratinho de «passe», num sorriso de nevoeiro de uma modesta
fotografia. Tão cheia de doçura a Aurora! Doente, do hospital tinha-me mandado
saudades.

– Vou vê-la no próximo domingo – anunciei às companheiras.

E tencionava ir vê-la mesmo no próximo domingo.

Mas o próximo domingo foi cheio de sol. Sol do próprio
astro, quente, luminoso. Igual e diferente, ao mesmo tempo, do sol-sorriso das
meninas.

E eu, a professora, ainda jovem, que gostava do sol, fui
passear. Ver mar? Campos verdes? Flores?

Já nem me lembro. E da Aurora me lembraria se a tivesse
ido visitar.

Começava a Primavera.

Adiei a visita naquele próximo domingo, para outro dia,
para outro próximo domingo.

Hoje sei que o amor dos outros se não adia.

Aurora esperou-me toda a tarde de domingo, na sua cama branca,
de ferro.

Tinha posto uma fita vermelha a segurar os cabelos escuros.
Esperava-me, esperava a minha visita, cuja promessa as companheiras lhe haviam
transmitido.

Veio a família: mãe, pai, irmãos, amigos, as colegas.

– Estou à espera da professora...

No dia seguinte a doença foi mais poderosa que a sua juventude,
a sua doçura, a sua esperança.

A cabeça escura, sem a fita vermelha, adormeceu-lhe
profundamente na almofada, talvez incómoda, do hospital.

Sabemos todos já, amigos, que há vida e morte. Também isso
temos de aprender.

Não fiquem tristes por isso. Vejam como as flores nascem quase
transparentes da terra, como as podemos olhar à luz do Sol, e morrem, para de
novo nascerem.

Lembrem-se como de um ovo de um pássaro podem sair asas que
voem tão alto em dias de Primavera. T morrem, também, e todas as primaveras
nascem de novo. E, sobretudo, lembrem-se do coração de cada um de nós, desta
força imensa.

E não adiem os vossos gestos. Procurar alguém que sofra, que
precise de nós, nem sequer é um gesto generoso, deve ser um gesto natural que se
não adia.

Às vezes até precisamos uns dos outros para dizermos que
estamos felizes, contentes. Só para isso. Mesmo felizes precisamos dos
outros.

Aurora ensinou-me para sempre esta verdade.

escrito no papiro por ACCB às 00:12
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 4 de Julho de 2012

From the Moon to the Moon :-)

escrito no papiro por ACCB às 23:44
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 2 de Julho de 2012

A gente traça a Vida - 2.7.2012

 
 
 
A gente traça o desenho da Vida e depois mete-se ao caminho.
Não sabemos se a régua e o esquadro não se enganarão em ângulos mais
obtusos ou mais rectos, mas sabemos que há uma linha infinita para
percorrer.
No dia em nascemos dizem que vem tudo escrito, só  não traz manual de
instruções. E é por isso que por vezes não sabemos o que fazer. Mas é fácil,
devemos deixar acontecer. Tudo tem um momento certo, o dia certo, a hora certa o
minuto único. Há sempre um aristo à mão. Medimos menos ou mais não devemos nunca
utilizar um X- acto  a não ser num ultimo acto.
A geometria descritiva da Vida é intrincada e as elipses dos sentimentos
são espirais,...fingem que são elipses para nos fecharem em circunferências, ou
nos baralharem e rirem em círculos. São eclipses de surpresas.
O dia em que nascemos é uma repetição assimétrica ao longo da Vida. sempre
cheia de invenção, magia, imaginação,... criatividade...Uma folha em branco para
colorir e tracejar como muito bem entendermos.
Podemos usar diversos materias e materias diferenciados... não podemos é
estragar a folha.
Foi nos dada com tudo escrito e marca de água...cabe-nos a nós descobrir o
que lá está e multiplicar as hipóteses do que poderá ser.
Um beijo, um sorriso, um abraço,... um desejo... um querer.
O teu Design é fazer a vida acontecer. Parabéns.
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 20:50
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 1 de Julho de 2012

Tempo

O Tempo Vale Muito Mais do que o Dinheiro


Perder tempo não é como gastar dinheiro.
Se o tempo fosse dinheiro, o dinheiro seria tempo.
Não é. O tempo vale muito mais do que o dinheiro.
Quando morremos, acaba-se o tempo que tivemos.
Quando morremos, o que mais subsiste e insiste é a quantidade de coisas que continuam a existir, apesar de nós.
O nosso tempo de vida é a nossa única fortuna.
Temos o tempo que temos.
Depois de ter acabado o nosso tempo, não conseguimos comprar mais.
Quando morreu o meu pai, foi-se com ele todo o tempo que ele tinha para passar connosco. As coisas dele ficaram para trás. Sobreviveram. Eram objectos. Alguns tinham valor por fazer lembrar o tempo que passaram com ele - a régua de arquitecto naval, os relógios - quando ele tinha tempo.

As pessoas dizem «time is money» para apressar quem trabalha.
A única maneira de comprar tempo é de precisar de menos dinheiro para viver, para poder passar menos tempo a ganhá-lo.
E ficar com mais tempo para trabalhar no que dá mais gosto e para ter o luxo indispensável de poder perder tempo, a fazer ninharias e a ser-se indolente.

A ideologia dominante de aproveitar bem o tempo impede-nos de perder esses tempos.
Quando penso no meu pai, todas as minhas saudades são de momentos que perdi com ele. Uma noite, numa cabana no Canadá, confessou-me que o único filme de que gostava era «Um Peixe Chamado Wanda«.
Todos os outros eram uma perda de tempo. Perdemos a noite inteira a falarmos e a rirmo-nos disso. Ainda hoje tem graça.

Miguel Esteves Cardoso, in 'Jornal Público (26 Dez 2011)'

 

 

escrito no papiro por ACCB às 23:40
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Lisboa hoje pelas 8

 

Lisboa ainda hoje pela calçada  logo pela manhã num rodopio das 8h00 de Domingo.
Do Principe Real  passando pelo Largo de Camões e mergulhando depois no sol do Cais do Sodré. A florista à saida do comboio que vende flores a quem quer dar gestos de amor a alguém que chega de viagem.

O rio passa a tinta azul pelo cais e os barcos deslizam na seda fina que se estende entre as duas margens.

Tudo é  branco e  se despenha pelas escadas que sobem ao Castelo. Lisboa tem tudo o que a infância tem,... e os passos matinais guardam segredos no som de uma calçada branca de lojas fechadas.


Cantam as fontes no Rossio e o Nicola vê a manhã passar.

Não há gente mas Lisboa tem presenças, tem saudades, tem histórias....tem.

Há  muito que de tão sentado em observação  Pessoa sorri dos gestos e das conversas e pensa escrever mais à noite, quando o Chiado estiver distraído, os diálogos dos ingleses espantados com a cidade e a indiferença dos que nela vivem e já não a vêem.

Não entro na Bertrand porque é Domingo,...mas até ao Domingo a calçada portuguesa deveria entrar pela Bertrand... e eu também.

Volto a mergulhar na seda do rio... A florista  ainda não vendeu os gestos feitos de flores... e há um homem que espera um comboio que nunca mais chega.

Num sorriso...sento-me e peço um café.

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 12:20
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

Dois homens à beira rio

Paris En Colère

Paris Je T'aime

El embrujo de la guitarra...

A Hora de ser livre

O outro lado da rua

papiros em biblioteca

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds