Sábado, 30 de Junho de 2012

O olhar da amurada

 

 

 

Foi de relance que te apanhei o olhar. Perdia-se da amurada para o convés.
Por detrás a paisagem encantadora de uma noite de Verão que não sabia o que te faltava naquela viagem.
Mas sabia a objectiva que te captou o olhar... e que o fixou e o leu...
Podia ser lindo o mar, ou o rio, a margem ou a luz sobre a mesa do jantar... Até a ponte enquadrada na gravura e a mulher que ficava em frente apontando o anel num dedo falso...

Mas o teu olhar era triste...

Era tão triste e tão ausente...
Era tão triste e tão distante...

Do lado de cá da objectiva havia o sonho por realizar.

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 03:03
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 21 de Junho de 2012

Subsídios 21-7-2012

escrito no papiro por ACCB às 12:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 18 de Junho de 2012

Lisboa

escrito no papiro por ACCB às 18:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 15 de Junho de 2012

Os filhos, os botões de punho

E O FAROL NA BEIRA DA BARRA

 

 

 

 

 

 Escultura de Bruno Catalano

 

 

Sai pela manhã com um risco de horizonte nos olhos.

.

Deixa em casa os filhos de mochila às costas e escola nas mãos.

A mulher atira-lhe o ultimo beijo que, se não voltar, será o ultimo.

.Não pode deixar de ir porque tem a mesa dos filhos para pôr e qualquer coisa para  comprar à Rosa . Qualquer coisa que ela achará valiosa só porque vinda dele, ela a tudo dá valor.

.

Na estação aguarda o comboio. Espera que ninguém se suicide hoje porque está cansado das bocas do chefe  quando chega tarde para a inauguração do dia que será duro.

Arregaça as mangas, não porque não esteja frio mas porque assim, o olhar se espraia no mar e pensa que o Verão virá breve.

.

À beira da Barra um farol apaga-se  pela madrugada todos os dias e volta a acender-se à noite, quando os miúdos já dormem, a Rosa fechou as pétalas e os pensamentos mergulham no Futuro.

Um Futuro que já não é seu mas que não sabe como deixará aos filhos.

.

O comboio chega, ninguém se suicidou. Dá um toque nas mangas da camisa que um arrepio puxa para baixo.

Ao longe o horizonte banha-se de manhã.

.A Rosa já saiu para trabalho há muito...Lembra-se dos botões que ela lhe comprou, com a letra do Nome dele. Manuel usa-os quando os amigos se lembram de festejar sentimentos na Igreja.

.

Depois do vidro da janela da carruagem há o mar,... há a liberdade do sonho. No fim da linha não há nada  a não ser mais um dia de trabalho para poder pôr a mesa aos miúdos e oferecer o Mundo à Rosa, ainda que esse Mundo seja apenas o seu peito aberto ao Futuro.

.

O mar corre ao lado, o dia fica para trás... O farol acende-se na noite e Manuel mergulha nos sonhos que dá aos filhos.

.

Os filhos que um dia o olharão já adultos e lhe perguntarão se ainda usa os botões de punho quando os amigos festejam os sentimentos na Igreja e se ainda sonha quando o farol se acende lá em baixo, no fio do Horizonte, mesmo à beira da Barra.

.

ACCB

__

escrito no papiro por ACCB às 00:46
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 13 de Junho de 2012

Stº António de Lisboa

 

 

Saíra Santo António do convento
a dar o seu passeio costumado
e a decorar num tom rezado e lento
um cândido sermão sobre o pecado.

E andando andando sempre repetia o seu
o seu divino sermão piedoso e brando
e nem notou que a tarde escurecia
que vinha a noite plácida baixando

E andando andando achou-se num outeiro
com árvores e casas espalhadas
que ficava distante do mosteiro
uma légua das fartas, das puxadas.

Surpreendido por se ver tão longe
e fraco por haver andado tanto
sentou-se a descansar, o bom do monge
com a resignação de quem é santo.

O luar! um luar claríssimo nasceu
e num raio dessa linda claridade
o menino Jesus baixou do céu
e pôs-se a brincar com o capuz do frade

Perto, uma bica d'água sussurrante
juntava o seu murmúrio ao dos pinhais.
Um rouxinol ouvia-se distante,
o luar mais alto iluminava mais.

De braço dado para a fonte
vinha um par de noivos todo satisfeito.
Ela trazia ao ombro a cantarinha
Ele trazia o coração no peito.

Sem suspeitarem que alguém os visse
trocaram beijos ao luar tranquílo.
O menino porém ouviu e disse:
«Ó Frei António, o que foi aquilo?»

O Santo, erguendo a manga do burel
para tapar o noivo e a namorada
mentiu numa voz doce como o mel:
«Não sei que fosse, eu cá não ouvi nada.»

Uma risada límpida, sonora
vibrou em notas de oiro pelo caminho
«Ouviste, Frei António, ouviste agora?»
«Ouvi Senhor, ouvi... ah, eh ... é um passarinho!»

«Tu não estás com a cabeça boa.
Um passarinho! a cantar assim!»
E o pobre Santo António de Lisboa
calou-se embaraçado, mas por fim

corado como as vestes dos cardeais
achou esta saída redentora:
«Se o menino Jesus pergunta mais
faço queixa a sua Mãe, nossa Senhora.»

E voltando-lhe a carinha contra a luz
e contra aquele amor... sem casamento
pegou-lhe ao colo e acrescentou:
«Jesus, são horas... » e abalaram para o convento

 

tags:
 
Quando tinha 6 anos declamei este poema numa festa da minha escola primária - Nunca mais me esqueci dele.

________________________________
escrito no papiro por ACCB às 00:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 11 de Junho de 2012

Música da semana

escrito no papiro por ACCB às 00:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 10 de Junho de 2012

Mimos que me dão........

escrito no papiro por ACCB às 19:21
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 9 de Junho de 2012

EURO 2012

 

"Acima de tudo precisamos de uma união política,
o que quer dizer que  gradualmente temos que ceder competências à Europa e dar à Europa um maior  controlo".

Totalmente de acordo se a senhora Merkel não estiver a intitular-se a  Europa.




Ler mais: http://expresso.sapo.pt/euro-2012=f731913#ixzz1xJvLh5vb

 

escrito no papiro por ACCB às 18:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Nostalgias......

escrito no papiro por ACCB às 18:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 8 de Junho de 2012

As fadas ditam as letras

 

 

- Que achas? - perguntou-me.
- O que eu acho? Acho lindo.... tão bonito que não sei dizê-lo. Acho que há seres que nos arrancam de nós e isso é raro.
  Acho que poucas têm a hipótese de viver esses flashes, esses momentos em que os duendes descem... e as fadas ditam as letras...
  Acho que tenho lágrimas nos olhos.

 

 

                      ACCB

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 6 de Junho de 2012

6.Junho

escrito no papiro por ACCB às 00:07
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 5 de Junho de 2012

;-)

tags:
escrito no papiro por ACCB às 08:29
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 4 de Junho de 2012

Vestida de Não.

 
ficas melhor assim vestida de não,
ficas mais quieta na minha memória.
a solidão é deste modo: a coragem
de escrever sozinho o final da nossa história.
adiciono pontos finais ao final da nossa história:
estás quieta na minha memória, os ges...tos
sem cor, um enorme não cerceando a tua boca.
estás também nua. aproximo-me de ti com o que de mais
humano consigo invocar: ensina-me o final
da nossa história! ficas mais quieta vestida de não,
completamente nua na minha memória.
onde se desenha a tua sombra recolho
estes versos: quando traí a nossa história?

 Rui Tinoco
escrito no papiro por ACCB às 12:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Perder o TM em Lisboa ;-)

escrito no papiro por ACCB às 08:41
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

YES!

escrito no papiro por ACCB às 07:56
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 3 de Junho de 2012

;-) Música da semana

escrito no papiro por ACCB às 03:40
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 2 de Junho de 2012

MOTE -

«De que país regressas?
De que mar ou regaço

onde o desejo respira devagar?
Fala, diz ainda a palavra

que faça do silêncio a casa
  ou erga a coroa do lume
  à altura do olhar.»
 
   Eugénio de Andrade
 
Mote dado pela Ni


 

 

 

Que palavra faria do Silêncio a casa?
Ainda sabes inventar palavras que desenrolam sonhos 
Que trazem ventos e desenlaçam asas?
Ainda sabes o roteiro da volta das marés
E usas o astrolábio para encontrar as estrelas nos meus olhos?
...
Sabes de cor o Norte do meu riso
E tens a bússula do meu segredo?
 
De que país regressas que trazes nos cabelos o cheiro da canela
Na pele o aroma da seda
E nos dedos o toque liso do marfim?

Vens das noites de tormentas
desfeitas em cabos e velas pandas de descobertas
trazes nos olhos os sonhos de marinheiros
que ficaram pelas vagas das insónias
perdidos na Ilha dos amores

Que palavra faria do silêncio da tua ausência 
a coroa do lume à altura do olhar
Que  estrelas se descobrem acima do horizonte
num astrolábio que se perdeu no mar....
Fala, diz ainda a palavra que faça do silêncio a casa
onde o desejo respira devagar.....

ACCB
escrito no papiro por ACCB às 00:10
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

O temporal esta noite.......

Para ti

Engolir o Universo

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

Dois homens à beira rio

Paris En Colère

Paris Je T'aime

papiros em biblioteca

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Junho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds