Domingo, 27 de Novembro de 2011

Porque o teu Fado Portugal

é Património da Humanidade         

            "E a orla branca foi de ilha em  continente,
             Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
             E viu-se a terra  inteira, de repente,
             Surgir, redonda, do azul profundo."


                                                                                   Fernando Pessoa

 

         

                
 

Ler mais: http://aeiou.expresso.pt/porque-o-teu-fado-portugal-e-patrimonio-da-humanidade=f690720#ixzz1evb0KcjW

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 17:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 20 de Novembro de 2011

Música pela noite dentro

escrito no papiro por ACCB às 02:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 12 de Novembro de 2011

Cleopatra's moon 6 anos

escrito no papiro por ACCB às 00:06
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas
Sexta-feira, 11 de Novembro de 2011

11.11.11

 

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 00:01
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A minha lua apareceu no horizonte assim

escrito no papiro por ACCB às 00:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 10 de Novembro de 2011

:-)) Bonito

escrito no papiro por ACCB às 00:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 8 de Novembro de 2011

:-))

escrito no papiro por ACCB às 23:09
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Ninguém meu Amor

                                                                               ( Foto - ACCB )

                                                                             

Ninguém meu amor

 

ninguém como nós conhece o sol

 

Podem utilizá-lo nos espelhos

 

apagar com ele

 

os barcos de papel dos nossos lagos

 

podem obrigá-lo a parar

 

à entrada das casas mais baixas

 

podem ainda fazer

 

com que a noite gravite

 

hoje do mesmo lado

 

Mas ninguém meu amor

 

ninguém como nós conhece o sol

 

Até que o sol degole

 

o horizonte em que um a um

 

nos deitam

 

vendando-nos os olhos.

 

 

 

Sebastião Alba

 

 

escrito no papiro por ACCB às 15:06
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

That's Amore

escrito no papiro por ACCB às 13:47
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Espanha...em parceria com Portugal

escrito no papiro por ACCB às 10:02
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Danzar es el juego de la vida

escrito no papiro por ACCB às 10:01
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 2 de Novembro de 2011

Síntese da felicidade...

 

 

 

Desejo a você...
Fruto do mato
Cheiro de jardim
... Namoro no portão 
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico 
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não Ter que ouvir a palavra não
Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança 
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada 
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona 
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu.
 
Carlos Drummond de Andrade 
escrito no papiro por ACCB às 00:28
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 1 de Novembro de 2011

Procuro-te

 

Procuro a ternura súbita,

os olhos ou o sol por nascer

do tamanho do mundo,

o sangue que nenhuma espada viu,

o ar onde a respiração é doce,

um pássaro no bosque

com a forma de um grito de alegria.

 

Oh, a carícia da terra,

a juventude suspensa,

a fugidia voz da água entre o azul

do prado e de um corpo estendido.

 

Procuro-te: fruto ou nuvem ou música.

Chamo por ti, e o teu nome ilumina

as coisas mais simples:

o pão e a água,

a cama e a mesa,

os pequenos e dóceis animais,

onde também quero que chegue

o meu canto e a manhã de maio.

 

Um pássaro e um navio são a mesma coisa

quando te procuro de rosto cravado na luz.

Eu sei que há diferenças,

mas não quando se ama,

não quando apertamos contra o peito

uma flor ávida de orvalho.

 

Ter só dedos e dentes é muito triste:

dedos para amortalhar crianças,

dentes para roer a solidão,

enquanto o verão pinta de azul o céu

e o mar é devassado pelas estrelas.

 

Porém eu procuro-te.

Antes que a morte se aproxime, procuro-te.

Nas ruas, nos barcos, na cama,

com amor, com ódio, ao sol, à chuva,

de noite, de dia, triste, alegre — procuro-te.

 

Eugénio de Andrade

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Se Eu Pudesse Trincar a Terra Toda

 
Se eu pudesse trincar a terra toda

E sentir-lhe um paladar,
Seria mais feliz um momento ...
Mas eu nem
sempre quero ser feliz.
É preciso ser de vez em quando infeliz
Para se
poder ser natural...
Nem tudo é dias de sol,
E a chuva, quando falta
muito, pede-se.
Por isso tomo a infelicidade com a felicidade

Naturalmente, como quem não estranha
Que haja montanhas e planícies

E que haja rochedos e erva ...
O que é preciso é ser-se natural e calmo

Na felicidade ou na infelicidade,
Sentir como quem olha,
Pensar como
quem anda,
E quando se vai morrer, lembrar-se de que o dia morre,
E que
o poente é belo e é bela a noite que fica...
Assim é e assim seja ...


Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXI"

Heterónimo de Fernando Pessoa
escrito no papiro por ACCB às 15:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

últimos papiros

Dois Epigramas

Partimos cada dia...........

Dia 11.11.2017

A rectidão das linhas

Para ser Perfeito

Miró

Caminhos

Paris , o pintor de rua e...

O temporal esta noite.......

Para ti

Engolir o Universo

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro 2014 9 Jane...

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016 - 58 an...

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

favoritos

Eu sou a tempestade

Desiderata

Choveu

Pássaros

Aquele traço de escrita

Pai

Amanhã Hoje é dia da Cria...

Novembro 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30

subscrever feeds