Terça-feira, 31 de Maio de 2011

Jovens e Violência combinam?

AQUI

 

 

escrito no papiro por ACCB às 00:18
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 30 de Maio de 2011

Moonlight Rumba / Beethoven

escrito no papiro por ACCB às 08:08
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 29 de Maio de 2011

Arrebatador

escrito no papiro por ACCB às 16:55
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Por que voltas de que Lei

escrito no papiro por ACCB às 01:47
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 22 de Maio de 2011

Onde anda o peito ilustre Lusitano

 

 

 

 

As  palavras ditas há dias por Carlos Coelho nos prós e contras :

-Portugal tem de despedir os partidos políticos.

 

Mas não é só este homem que o diz.

Muitos portugueses o pensam e dizem ainda que não tenham tempo de antena para o fazer.

 

Também há dias Garcia Pereira dizia que estas eleições são uma fraude.

 

AQUI

 

....

escrito no papiro por ACCB às 21:49
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Sexta-feira, 20 de Maio de 2011

14 ª Vitória

 

 

 

Mais importante que qualquer prenda que te possam oferecer neste dia, mais importante que qualquer festa que te possam fazer  neste dia, são os momentos que partilhaste com os que te amam que tornam tudo importante.

Os livros, os filmes vistos a dois  ou em grupo, as gargalhadas sentidas e arrancadas à alma  em desatino,... as palavras que te diremos porque te amamos.

 

Mais importante que qualquer  presente será o presente que te deixamos para o futuro.

Há aprendizagens de vida que guardamos para sempre e acredita que dizer-te "Parabéns",quer dizer que te amamos e gostamos de ver feliz.

Bjs- pelas tuas 14 Vitórias que anunciam muitas mais .

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 00:01
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 19 de Maio de 2011

MOTE- Tu puxaste-me para os teus olhos

 

 

 

 

 

Passeava-me pelos teus cabelos
Em dedos lentos de carícia
como num toque suave de dormir
sempre gostei deles mais soltos e despenteados

 

Olhei o rio mais à frente
os barcos faziam os riscos de viagem de cá para lá
Como um lápis traça música no papel...
distraída desenhava ondas nas notas do teu cabelo

 

Seguraste-me a mão e sorriste
os teus lábios não tinham letras
E, de súbito
Tu puxaste-me para os teus olhos
Acho que perdi os traços de sol na maré
E mergulhei neles até à tua alma

Depois,....pediste-me para ficar.

 

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 01:42
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 17 de Maio de 2011

Lua

Quero uma Lua só para mim.

Grande e espaçosa em noites de maré cheia e onde possa puxar a cortina minguando o espaço.

Quero uma Lua só para mim que seja nova quantas vezes em quiser e negra se eu me quiser esconder.

Quero uma lua às claras em castelo crescente.

 

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 15:32
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Simplesmente delicioso este texto

 
 
 
 
 
 
Já estou outra vez sentado no banco frente à nossa casa, Amélia. Por aqui vou ficar, mesmo que adormeça tenho todo o tempo do mundo para esperar que me acenes à janela. Tal qual fazíamos quando tinhas 20 anos.

Nem imaginas o que te deixei hoje à porta. Continuas zangada comigo, mas um dia destes ainda te esqueces e voltamos a passear e...ntre as árvores do jardim da Estrela, para acabarmos a tarde a rezar um Pai Nosso na Basílica, antes da missa das seis, onde eu ia com a minha avó Lili quando tinha cinco anos. Isso fica para depois, ou para hoje, nem sei bem, mas tenho esperança que gostes do que te deixei à porta.

Trouxe-te iogurtes naturais da Ucal, uma lata de chocolate em pó Milo e um saco de açúcar amarelo. Sim senhora, é bem verdade. Olha que me custou muito a arranjar isso, mas como adoras pôr chocolate em pó nos iogurtes naturais e transbordá-los de seguida com açúcar amarelo, lá fui encontrar as três coisas naquela que acho que é a última mercearia da Baixa, ali mesmo antes de chegar ao Martim Moniz. Nem sei como ainda se mantém.

Mal entrei, o dono e eu começámos logo na conversa e dez segundos depois estava a dizer-me o nome – sabes como sou, sempre foi natural fazer as pessoas simpatizarem comigo. Bom, mas o senhor António diz-me que nem percebe como ainda ali consegue estar. É o último dos antigos. Tem de um lado uma repartição de um banco que aparece muito nas notícias e do outro uma loja de sapatos tão fina que nem nunca lhe conseguiu pronunciar bem o nome. Quer-me cá parecer que não tem muita clientela, mas já decidiu que não paga mais ao fisco e que há-de morrer ali, atrás do balcão. A cara dele ri-se toda ao contar que hão-de ser os funcionários das finanças a levar o corpo quando o coração resolver entupir de vez. “Olhe, que me penhorem o cadáver que talvez lhes valha uns cêntimos! Mas antes têm de o tirar de cima das caixas dos queijos frescos, da marmelada caseira e dos bacalhaus secos pendurados que conto agarrar quando me estiver a dar a última! Se Deus quiser isso não há-de falhar!”

O senhor António já está com 82 anos, Amélia. Não vá ele ir-se de repente, comprei três latas de Milo e três sacos de açúcar amarelo, assim guardo tudo e só tenho de te ir comprando os iogurtes. De qualquer forma, a pensão não chega para mais, se chegasse, corria as mercearias todas até à Praça do Areeiro e enchia-te a despensa de coisas boas, daquelas que tanto gostas, e pelo meio ainda te trazia uma flor que apanhasse na Alameda do Técnico, como fiz tantas vezes quando vínhamos dos comícios.

Sabes que não percebo nada do que se passa no nosso prédio, que agora é só teu, desde que te zangaste comigo. Acho que as campainhas não funcionam. Toco para toda a gente e ninguém responde. A luz da escada está fundida e cada vez os azulejos da entrada e a madeira dos degraus estão em pior estado. É uma maçada, até porque já vejo muito mal com pouca luz, embora, felizmente, tenha conseguido dar com a nossa porta e deixar-te o saco no tapete da entrada.

Quando é que me voltas a abrir a porta, Amélia? Se soubesses o quanto sinto a tua falta. Eu percebo, estás zangada. Sim, sim, já sei. Leva lá o teu tempo, minha querida. Nunca foste boa de assoar quando estás zangada. Ainda me lembro que nunca mais perdoaste a minha prima Teresa por não te ter visitado em São José quando tiveste a pneumonia. E eu nem nunca te consegui contar até ao fim que a pobre coitada sofreu um roubo de esticão, uns dias antes de seres internada, ficou traumatizada e não saiu à rua semanas. Cada vez que te tentava contar, lá vinhas com a história que nunca estava do teu lado nas injustiças. Logo eu, que sempre estive perto de ti, como agora, aqui estou outra vez, frente ao prédio, no banco de madeira verde, pintadinho de novo por ordem do senhor presidente da Câmara, que agora parece que se mudou para o Intendente, vá-se lá saber porquê.

Mas eu também sou teimoso e, como estou reformado, já nem preciso de picar o ponto na tipografia do Bairro Alto. Aliás, ninguém precisa, disseram-me que aquilo agora é um bar. Por isso, por aqui vou ficar. Frente ao nosso prédio, que é só teu, desde que te zangaste comigo. A propósito, já viste que estás um bocadinho como o senhor António da mercearia? Tens um hotel novinho de um lado e uma loja de óculos toda moderna do outro. Aquela, que é tão grande que até dizem que o Fernando da leitaria passou a casa por pouca massa aos fulanos oculistas, que também dizem que são espanhóis, mas custa-me a crer. É que se fossem tinham que ter escrito gafas nalgum lado, que eu lembro-me bem das excursões que fazíamos a Badajoz e eles escreviam assim óculos.

O certo é que não percebo mesmo nada do que se passa no nosso prédio, que agora é só teu, desde que te zangaste comigo.

Vê lá tu que um polícia, que me encontrou quando vinha de ter deixado os sacos à tua porta, voltou a dizer-me que não devia entrar ali, que um dia acontecia uma desgraça, que está tudo a cair, que já não mora lá ninguém e que te mudaste para o Alto de São João. Vê lá bem tanta macacada junta. Então tu ias agora mudar-te do 3ª esquerdo do 97 da Avenida da Liberdade, onde fomos tão felizes, para o Alto de São João?! Sozinha?! O homem não está bem, coitado, ainda por cima é moço para trinta e poucos anos. Mete dó. Até me disse que estava uma implosão marcada para o prédio, já no final do mês.

“Uma implosão?”, perguntei-lhe eu, que nunca tinha ouvido tal palavra. E ele, Amélia, disse-me que uma implosão é uma coisa que rebenta de fora para dentro sem fazer estragos à volta. Mais: Faz cair tudo direitinho. Eu cá fiquei a moer naquilo e estou aqui sentado no banco a moer, mas acho que cheguei a uma conclusão. Eu senti uma implosão quando te vi a primeira vez. Para te dizer a verdade, eu sinto uma implosão cada vez que te vejo, minha querida, Parece que rebento por dentro e vou caindo direitinho no teu perfume, no teu sorriso tímido, nos teus braços, nas tuas pernas tão bonitas e na memória dos teus abraços. Eu sei lá por onde vou caindo todo.

Uma coisa é certa, já estou outra vez sentado no banco frente à nossa casa, Amélia. Por aqui vou ficar, mesmo que adormeça tenho todo o tempo do mundo para esperar que me acenes à janela. Tal qual fazíamos quando tinhas 20 anos. Continuas zangada comigo, mas um dia destes ainda te esqueces e voltamos a passear entre as árvores do jardim da Estrela, para acabarmos a tarde a rezar um Pai Nosso na Basílica, antes da missa das seis, onde eu ia com a minha avó Lili quando tinha 5 anos.
MIguel Martins
escrito no papiro por ACCB às 00:25
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Lua Cheia

escrito no papiro por ACCB às 00:02
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 11 de Maio de 2011

O meu poeta em tinta

escrito no papiro por ACCB às 23:57
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Nilo

escrito no papiro por ACCB às 01:14
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 9 de Maio de 2011

BA 1

escrito no papiro por ACCB às 12:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 8 de Maio de 2011

Poema (do meu filho para mim)

 

pessoas correm na areia,
areia azul como na casa da poesia.
subito cai um tom avermelhado,
cor de sangue,

 dá gosto inventar, apenas porque, sabe bem ter areia vermelha como na praia do arco-íris,
uma cor que não se vê de madrugada
mas sim dentro de um riacho com peixes de aquários e lagos !

 

 

GO - ( 13 anos)

escrito no papiro por ACCB às 16:05
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

Se a tanto me ajudar o engenho e a arte

escrito no papiro por ACCB às 08:42
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 3 de Maio de 2011

A Grande Esfinge do Egipto

 Nadir Afonso

 

 

A Grande Esfinge do Egipto sonha por este papel dentro...
Escrevo — e ela aparece-me através da minha mão transparente
E ao canto do papel erguem-se as pirâmides...
Escrevo — perturbo-me de ver o bico da minha pena
Ser o perfil do rei Quéops...
De repente paro...
Escureceu tudo...

 

Caio por um abismo feito de tempo...

 

Estou soterrado sob as pirâmides a escrever versos à luz clara deste candeeiro
E todo o Egipto me esmaga de alto através dos traços que faço com a pena...

 

Ouço a Esfinge rir por dentro
O som da minha pena a correr no papel...
Atravessa o eu não poder vê-la uma mão enorme,
Varre tudo para o canto do tecto que fica por detrás de mim,
E sobre o papel onde escrevo, entre ele e a pena que escreve
Jaz o cadáver do rei Quéops, olhando-me com olhos muito abertos,
E entre os nossos olhares que se cruzam corre o Nilo
E uma alegria de barcos embandeirados erra
Numa diagonal difusa
Entre mim e o que eu penso...

 

Funerais do rei Quéops em ouro velho e mim!...

 

 

Fernando Pessoa

escrito no papiro por ACCB às 23:25
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 1 de Maio de 2011

Mãe

 

Quando  era pequena a minha mão cabia na tua e lá ía com passo saltitante ao lado do teu salto alto.

Agora que o tempo passou por nós, as nossas mãos cabem uma na outra e lá vais com passo lento ao lado do meu salto alto.

 

Um Xi mãe, com beijo e lágrima.

 

ACCB

-

---

--------------

 

 

escrito no papiro por ACCB às 02:05
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

Miró

Caminhos

Paris , o pintor de rua e...

O temporal esta noite.......

Para ti

Engolir o Universo

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

papiros em biblioteca

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds