Quarta-feira, 30 de Junho de 2010

Musica pela noite dentro :-)

EXCELENTE VOZ - GOSTO DA MÚSICA- GOSTO DA LETRA

 

escrito no papiro por ACCB às 01:36
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A Eterna Ausência

 

Eu aguardei com lágrimas e o vento
suavizando o meu instinto aberto
no fumo do cigarro ou na alegria das aves
o surgimento anónimo
no grande cais da vida
                                           desse navio nocturno
que me trazia aquela com lábios evidentes
e possuindo um perfil indubitável,
mulher com dedos religiosos
e braços espirituais...

Aquela mulher-pirâmide
                                           com chamas pelo corpo
e gritos silenciosos nas pupilas.

Amante que não veio como a noite prometera
numa suspensa nuvem acordar
meu coração de carne e alguma cinza...

Amante que ficou não sei aonde
a castigar meus dias involúveis
ou a afogar meu sexo na caveira
deste carnal desespero!...

António Salvado, in "A Flor e a Noite"

escrito no papiro por ACCB às 01:20
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

In America...........................

escrito no papiro por ACCB às 00:32
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

I've got You

escrito no papiro por ACCB às 00:16
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 29 de Junho de 2010

29 de Junho de 1900

_______________________________________________

 

 

escrito no papiro por ACCB às 12:01
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Homem atinge o auge aos 50?

 

Um amigo perguntou-me:- E o homem atinge o auge aos 50?
Respondi:
Eu gosto de homens com cabelos salpicados de branco e com aquela serenidade de quem não corre atrás de nada;
de homem que não precisa que lhe digam que é maravilhoso, mas gosta que lho digam .
Gosto de homens que já viveram e me tratam de igual para igual mas, me abrem a porta do carro para eu entrar,
e a fecham para eu não ter de me incomodar a fazê-lo.
 Gosto de quem me oferece flores por que sim,...rosas de preferência  e, de quem tem ruguinha ao canto do olho quando ri...
Gosto de homem que chora quando o filme fica romantico... e se esforça por não chorar quando no filme alguém é herói...
Gosto de homem forte quando sou fraca e que goste que eu seja forte quando ele não quer sê-lo...
Homem atinge o auge, quando nem sequer liga nenhuma a isso. ( Em qualquer circunstância :-))
ACCB
escrito no papiro por ACCB às 01:16
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas
Segunda-feira, 28 de Junho de 2010

Forma original de enviar rosas

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

O Egipto

 O Céu

O céu colabora na nossa vida íntima, vive connosco, acompanha-nos na mudança do nosso ser; é um confidente, é um consolador; invoca-se, fala-se-lhe. Olhar o céu é, nos nossos climas, uma ocasião de viver: instintivamente, voltamos para ele os nossos olhos. O poeta meridional, cheio de imagens e de cores, contempla-o; o burguês trivial, admira-o; pela manhã, abre-se a janela e vai-se ver o céu! É um íntimo sempre presente na nossa vida; o nosso estado depende dele: enevoado, entristece-nos; claro e lúcido, alegra-nos; cheio de nuvens eléctricas, enerva-nos. É no Céu que vemos Deus... E mesmo despovoado de deuses, é ainda para o homem o lugar donde ele tira força, consolação e esperança. A paisagem é feita por ele, a arte imita-o, os poetas cantam-no.

--------------------------

Eça de Queirós, in 'O Egipto'

 

 

 

tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:31
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Atendimento personalizado

 

TRRIIIMM… TRRIIIMM... TRRIIIMM...

Responde o atendedor de chamadas:

"Obrigado por ter ligado para o Júlio de Matos, a companhia mais adequada aos seus momentos de maior loucura."

 

 * Se é obsessivo-compulsivo, marque repetidamente o 1; 

 

*Se é co-dependente, peça a alguém que marque o 2 por si;

 

* Se tem múltipla personalidade, marque o 3, 4, 5 e 6;

 

* Se é paranóico, nós sabemos quem é você, o que você faz e o que quer. Aguarde em linha enquanto localizamos a sua chamada;

 

* Se sofre de alucinações, marque o 7 nesse telefone colorido gigante que você, e só você, vê à sua direita;

 

* Se é esquizofrénico, oiça com atenção, e uma voz interior indicará o número a marcar;

 

* Se é depressivo, não interessa que número marque. Nada o vai tirar dessa sua lamentável situação;

 

* Porém, se VOCÊ votou Sócrates, não há solução, desligue e espere até 2013

 Aqui atendemos LOUCOS e não INGÉNUOS! Obrigado!

 

 

____________________________________

tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:23
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Tô nem ai!

 

Boa semana! Está Sol.E eu "tô nem aí" para dias,

pensamentos e gente cinzenta :)

 

tags:
escrito no papiro por ACCB às 09:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Há praí cada palhaço !

 

 

Ele há para aí cada palhaço! Cada caderno de loucura ! Cada estória aldrabada e enviesada que me tolda o espirito e a mente.

Por outro lado demonstram muita imaginação e arte.

Do tipo da mãe que sabe a filha que tem e lhe aconselha:- Chama-lhe a ela antes que te chamem a ti...

Ele há para aí cada palhaço!

Nunca pensei vir a pensar de alguém, o que dizem que chamam a um polícia quando confrontados com um.

Palhaço!

E não é que alivia?!

--------------

escrito no papiro por ACCB às 08:10
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 27 de Junho de 2010

Sem comentários

escrito no papiro por ACCB às 23:53
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Cantemos então... vá lá...

tags:
escrito no papiro por ACCB às 03:48
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 26 de Junho de 2010

Strangers in the night....

escrito no papiro por ACCB às 00:16
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Sexta-feira, 25 de Junho de 2010

Fly me....

 

 

Quantos reparam que está lua cheia no céu,

uma lua reconciliadora, portentosa,

quente como o tempo quente,

não a lua inquietante, soturna,

mas a lua reconfortante,

lua de dias grandes e de esperança em anos maiores

uma lua de laranjas que é o fogo a arder-nos na alma em azul?

 

JAB

 

 

-------------------------

 

escrito no papiro por ACCB às 08:57
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 24 de Junho de 2010

O Gato e a Lua ( Lua cheia)

escrito no papiro por ACCB às 21:58
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 23 de Junho de 2010

Poetas

escrito no papiro por ACCB às 10:50
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Cafeína

tags:
escrito no papiro por ACCB às 08:07
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Terça-feira, 22 de Junho de 2010

O Amanhã como será?

tags:
escrito no papiro por ACCB às 02:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 21 de Junho de 2010

É Como o Verão ( hoje Solstício de Verão - 11h28m)

escrito no papiro por ACCB às 22:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Portugal/ Coreia do Norte _ 7 a 0

tags:
escrito no papiro por ACCB às 21:25
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Partilhas.........

 

"Há esperanças que é loucura ter.

 Pois eu digo-te que se não fossem essas, já eu teria desistido da vida."

 

 

 José Saramago em 'Ensaio Sobre a Cegueira'

escrito no papiro por ACCB às 09:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 20 de Junho de 2010

Ele há dias assim.

escrito no papiro por ACCB às 23:04
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Who Painted the Moon Black?

escrito no papiro por ACCB às 22:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Lindo............

escrito no papiro por ACCB às 00:25
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Passaporte

 

Mas só porque vieste fez-se tarde,

Ou é a vida que nasce já tardia

Como uma estrela que se acende e arde

Porque não cabe na rapidez do dia?

 

Natália Correia

escrito no papiro por ACCB às 00:20
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 18 de Junho de 2010

18 Junho de 2010 José Saramago

Uma Virgula na Vida de Saramago

 

Ré em causa própria - Uma  vírgula na vida de Saramago

 

 

 

Há homens cujas vidas não têm ponto final.

 

Homens que trazem nas mãos uma fonte que transborda em letras, palavras, ideias, que nascem na alma.

 

Homens livres e libertos, sós e sempre acompanhados pela inquietante certeza de que, nada é certo, e tudo tem de  mudar.

 

São homens que transportam mundos e os vão desenhando no papel,  e com eles fazem livros.

 

Há homens que existem há uma eternidade e viverão até à  eternidade.  Que sabem o sabor do vento ou o som do arco iris.

 

Há homens que não se dão, não se dobram, não se ajustam, simplesmente são.

 

Não têm lutas porque a sua vida é  toda uma luta de espantos e barreiras.

 

Fazem da caneta a arma ao ponto certo e, vão rasgando a vontade  em rumos individuais e incertos.

 

Há homens que escrevem sem vírgulas e sem pontos finais, não fazem parágrafos nem colocam travessões...escrevem...

 

 

Vivem e morrem como escrevem,...sem finais,...sem parágrafos,...sem travessões. 

 

 

ACCB

 

 ( Dia da morte de José Saramago - escritor Português- Prémio Nobel da Literatura)

 

  

  

 

_________________________________________________
No coração da mina mais secreta,
No interior do fruto mais distante,
Na vibração da nota mais discreta,
No búzio mais convolto e ressoante,

Na camada mais densa da pintura,
Na veia que no corpo mais nos sonde,
Na palavra que diga mais brandura,
Na raiz que mais desce, mais esconde,

No silêncio mais fundo desta pausa,
Em que a vida se fez perenidade,
Procuro a tua mão, decifro a causa
De querer e não crer, final, intimidade.

José Saramago, in "Os Poemas Possíveis

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Bom Fim de Semana

tags:
escrito no papiro por ACCB às 10:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 17 de Junho de 2010

noutro lugar, não aqui

 

Noutro lugar, não aqui, uma mulher poderia trocar
algo entre o belo e lugar nenhum, de regresso ali
e aqui, poderia fazer progressos na sua
agitada vida, mas eu tentei imaginar um mar que não
sangrasse, um olhar de rapariga cheio como um verso, uma mulher
a envelhecer e sem chorar nunca ao som de um rádio a sibilar
o homicídio de um rapaz negro. Tentei que a minha garganta
gorjeasse como a de uma ave. Escutei o duro
bisbilhotar de raça que habita esta estrada. Mesmo nisto
tentei murmurar lama e plumas e sentar-me tranquilamente
nesta folhagem de ossos e chuva. Mastiguei algumas
folhas votivas aqui, o seu sabor já a desencantar
as minhas mães. Tentei escrever isto calmamente
mesmo quando as linhas ardem até ao fim. Acabei por aprender
algo simples. Cada frase imaginada ou
sonhada salta como uma pulsação com história e toma
partido. O que eu digo em qualquer língua é dito com perfeito
conhecimento da pele, em embriaguez e pranto,
dito como uma mulher sem fósforos e mecha, não em
palavras e em palavras e em palavras decoradas,
contadas em segredo e sem ser em segredo, e escuta, não
se extingue nem desaparece e é abundante e impiedoso e ama.


dionne brand

escrito no papiro por ACCB às 13:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Quarta-feira, 16 de Junho de 2010

Delicioso - ( bom almoço)

escrito no papiro por ACCB às 11:57
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 15 de Junho de 2010

Um tango em lume brando?

escrito no papiro por ACCB às 15:27
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 13 de Junho de 2010

Mulher

escrito no papiro por ACCB às 12:16
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 11 de Junho de 2010

MOTE:- Tenho os olhos gastos

 

Olhos gastos, das notas de rodapé, das insónias, das noites perdidas, das viagens sem descanso, das esperas caladas, do fio do horizonte, dos prados que secam, das lonjuras, das perplexidades, das flores que morrem, dos amores que se perdem, das vidas adiadas...

Coutinho Ribeiro
_____________

 

Tenho os olhos gastos meu amor
Gastos das noites acordadas pelas memórias
que me ficaram de ti e de nós...

A luz cansada do meu quarto...
gasta-me os olhos
na procura do teu rosto
Talvez dos contornos do teu corpo

Tenho os olhos gastos meu amor....
De tentar descobrir a razão da tua ausência
A causa do meu afastamento.

Tão gastos meu amor
que nem a chuva que bate lá fora nos vidros cansados de esperar
Lava a dor que a tua falta lhes deixou


Tão gastos meu amor
Que me perco na solidão dos adiamentos
na perplexidade de não te poder olhar.

Lininhacbo
_____________

 

Gastei os olhos pelo nada, que afinal era o que havia, tudo o mais foi inventado. Por mim. Até o rosto e os contornos do corpo, até o cinzel com que te desbravei as arestas. Sim, meu amor, aventura de guerreiro que vinha da solidão, perdido nessa sua solidão, em delírios azuis. Ausência? Não, nunca a tua ausência me gastou os olhos. Não é ausente o que não houve. gastei os olhos no nada.

Coutinho Ribeiro
________________

Tenho os olhos gastos, meu amor....
Cansaram-se de tanto caminhar nas linhas das cartas que escreveste. Sabes, guardo-as todas.
Até ao mais pequeno bilhete, daqueles que deixavas na mesa da cozinha ao lado da caneca do café para eu ler quando acordava e tu já não estavas.
Tenho saudades das tuas cartas, meu amor.
De sentir a poesia da tua escrita e de imaginar os teus dedos a
navegar as folhas de papel com a mesma ternura que afagavas os meus cabelos e a linha do meu pescoço.
Perdemos a poesia, amor.
Deixámos-nos envolver no turbilhão e perdemo-nos.
Perdi-me.
E perdi-te.
Gastei os olhos também aí e as palavras.
Essas guardo-as agora no fundo dos meus olhos cansados na espera permanente de te ter de volta.

Eva Garcia

_______________________


"Tenho os olhos gastos… de procurar por ti…
De procurar pelos meus sonhos
Aqueles meus sonhos de menina…
Encontrei-os por fim, naquele cruzamento de vida onde te conheci…
Jaziam lá… inertes, sem vida, e eu sem saber…
Ainda não tive coragem de os enterrar…
estão ali, varridos num canto de mim, à espera que faça o seu luto.
Faltam-me as forças…
Nos olhos, nas mãos, no peito…
Faltam-me as forças para te dizer…
Que tenho os olhos gastos, meu anjo;
Gastos de te esperar no meu futuro.

( Amiga identificada :-) )

__________________


Sonhei teus olhos d'empréstimo
que meus são gastos. Traziam
o tom dos prados
em cristal de mar
(saltitam como aves de voar)...
e sem o traço de medo:
só o segredo
de onde pára o arco-iris.
Pela manhã restam os meus
(cansados e ateus)
que já só respiram
cinzento
na ajuda da noite.


(AM)


_________________________


"...a distância do nosso amor fica na distância do nosso olhar, na distância do nosso toque, na distância das gotas de suor dos nosso corpos quando fazem amor... a distância do nosso amor fica na distância do teu respirar junto ao meu peito ou no beijo que deposito nos teus lábios... a distância do nosso amor fica na ânsia de nos voltarmos a encontrar e sentirmos que amar não é só ser e estar mas também o desespero do ter de ir e não poder ficar... a distância do nosso amor fica na distância dos dedos quando se entrelaçam e os corpos se abraçam e ao som de uma doce melodia, os corpos juntos num só, levemente sobre si mesmo rodopia... a distância do nosso amor fica na distância das pequenas distâncias dos pequenos nadas a que damos tanta importância... a distância do nosso amor fica apenas a um simples passo da nossa própria distância..."

Lobices

_____________

 

Tenho os olhos gastos pela tua ausência. Gastos de serem abertos no escuro. De esperarem despertos pela tua descida à terra. De percorrerem a memória do teu rosto sem uma imagem fixa que os console. Tenho os olhos gastos, como vastos os teus afluentes me irrigam. Tenho só os olhos teus, e me bastam.

Porfírio

__________


No Fio do horizonte, entre lapides, encontramos o silencio.
Para lá dos muros, vislumbramos a vida.
Para lá dos muros não havia paragem.
As viagens fizeram se sem descanso.
Procurava mos, na insónia, os corpos das noites perdidas....
Os corpos que secaram, como prados, na nossa memória.
As palavras procuravam realizar as vidas adiadas,
As Palavras desenhavam, em paginas brancas, os amores que se perdem.
No fio do horizonte,
para lá dos muros,
em viagens pelos corpos que secam,
adiavamos a vida
em palavras que se perdem.

E aqui sob a terra, o corpo descansa,
em espera calada, nos dias que se sucedem,
por uma mão.
A tua mão.
A mão que deixou saudosas flores.
Flores que morrem, há muito, sobre nós
Afinal somos apenas uma nota de rodapé,
de uma vida adiada, no amor que se perdeu,
na lonjura do horizonte, para lá dos muros.

E para sempre,
no fio do horizonte,
descanso
meus olhos gastos

Pedro Cabeça
___________________


As palavras...secam-se
E os mares inundam o meu sentir
Neste balbuciar diálogo maresia e alma.

Descanso apenas na poeira do olhar...
E bebo um pouco das minhas lágrimas
Nesta sede de não ouvir-te...

Hoje...talvez tenha vivido para lá do eu
Amanhã...quem sabe o sol, tardará em acordar
E a cabeça será um nó de dúvidas soltas...imensas!

Escrevo-te...em tinta invisível...
Como a transparência deste amar estúpido
Mas fiel de abraços ...

Logo...mais logo...direi apenas
Conhecer-te...no restante do amor
Que deixaste...naquela gota de chuva...

Ainda enleio...ou carícia da tempestade
Nuvem opaca e vento traição
Ah! e esboças sorrir deste apelar...

Entende...mesmo que não entendas
Que amar é o outro lado da montanha
Chamada "felicidade"...familiar do rio esperança!

by OUTONO - in MOMENTOS - 2008
__________________________________________

 

Com um grande obrigada e um grande abraço a todos os que aceitaram o desafio

 e gostam de escrever, por escrever

e de sentir, porque sim .

 

ACCB

 

-

 

escrito no papiro por ACCB às 23:51
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (8) | juntar aos escribas

O Poema

  

 

 

 

 

 

NÃO HÁ VAGAS

O preço do feijão
não cabe no poema. O preço
do arroz
não cabe no poema.
Não cabem no poema o gás
a luz o telefone
a sonegação
do leite
da carne
do açúcar
do pão

O funcionário público
não cabe no poema
com seu salário de fome
sua vida fechada
em arquivos.
Como não cabe no poema
o operário
que esmerila seu dia de aço
e carvão
nas oficinas escuras

- porque o poema, senhores,
está fechado:
"não há vagas"

Só cabe no poema
o homem sem estômago
a mulher de nuvens
a fruta sem preço

O poema, senhores,
não fede
nem cheira

Ferreira Gullar

 

Ferreira Gullar - Prémio Camões

 

 

escrito no papiro por ACCB às 22:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Cumplicidades femininas

 

 

Morremo-nos aos poucos no tempo que não passa e no entanto, já ficou lá para trás.

Paramos na amizade perdida ou, na recordação da conversa amiga, à mesa de café, que nos confortava a alma e fazia gargalhar o olhar.

Partilhas de mulheres, que só as verdadeiras sabem ter e guardar entre elas, como um tesouro que não se dá, não se mostra, nem se deixa adivinhar para mais ninguém.

Pode até toda a gente sabê-lo, mas é tão secreto que nem se lhe sussurram as sílabas ou os decibéis.

Saudades....faltas....

Coisas boas da vida que deixamos pelo caminho ou, estão apenas cristalizadas no tempo.

Pode ser que assim seja, porque a amizade não finda, pode permanecer intacta uma eternidade, ainda que não pareça.

 

ACCB

 

escrito no papiro por ACCB às 17:49
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Bom Dia!!!!!! OLÉEEEE!!!

escrito no papiro por ACCB às 09:35
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (15) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 10 de Junho de 2010

10 Junho

 

O Infante

Deus quer, o homem sonha, a obra nasce.
Deus quis que a terra fosse toda uma,
Que o mar unisse, já não separasse.
Sagrou-te, e foste desvendando a espuma,

E a orla branca foi de ilha em continente,
Clareou, correndo, até ao fim do mundo,
E viu-se a terra inteira, de repente,
Surgir, redonda, do azul profundo.

Quem te sagrou criou-te português,
Do mar e nós em ti nos deu sinal.
Cumpriu-se o Mar, e o Império se desfez.
Senhor, falta cumprir-se Portugal.

Fernando Pessoa

escrito no papiro por ACCB às 15:33
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 9 de Junho de 2010

Estou de volta :-))

escrito no papiro por ACCB às 22:57
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Terça-feira, 8 de Junho de 2010

Memória de Dóris?!

____________
tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:16
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

As rosas são diferentes

 

 

 

O que torna as rosas diferentes,

não é a delicadeza das pétalas, nem o perfume da corola,

 

são os espinhos.

 

ACCB

-

--------

escrito no papiro por ACCB às 16:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

Dois homens à beira rio

Paris En Colère

Paris Je T'aime

El embrujo de la guitarra...

A Hora de ser livre

O outro lado da rua

Tarkovsky

Bocage

Saramago - 18.6

Se partires, então, escre...

Lopetegui....Lotopegui......

Como o Sol A Pôr-se

Entrega-te ao medo e não ...

papiros em biblioteca

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Abril 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
28
29
30

subscrever feeds