Segunda-feira, 31 de Maio de 2010

A ultima Noite de Maio

 

PARA LER AO SOM DA MÚSICA EM PÉ DE PÁGINA :-)

 

 

 

Ele há noites assim,  como esta que corre lá fora, por entre os dedos do fresco que vem do mar.

Na esplanada, vê-se o brilho de um cigarro que se acende no prazer que tiram dele e, as vozes não são altas, mas serenas como o rio que corre ao lado.

A temperatura convida a ficar.

O dia foi longo e quente, feito no meio de teias que se entrelaçaram e desafiaram a imaginação...

Sabe bem a noite, a ultima noite de Maio.

 

Um homem escrevinha um papel, não sei que lhe vai na alma...É o homem do cigarro que brilha em contraste com o leito negro do rio.

Levanto-me e vou até à margem debruçada em pedra, sobre a água...

Deixo-me ficar. O cabelo solta-se na brisa da noite...

Volto e passo perto, tão perto que tenho tempo para ler o que escreve:

" O sol que já caiu. Não há brisa. O Douro ao fundo, quieto, e as gaivotas, ainda. As pontes caladas. As cidades que escoam, devagar. Namorados que olham e se tocam. E eu."

 

Sobressalto-me. Surpreende-me o olhar que fixo na sua escrita. Olha-me  e sorri sem deixar fugir o espanto que me cai dos olhos.

-Desculpe, - balbucio envergonhada

- Não faz mal... escrevinhava a melancolia, a falta das presenças ausentes...

 

- É, está uma noite quente... - respondo  enrolada na minha própria atrapalhação e nos passos que tento dar e não avançam, como quando para um tango são precisos dois e há um só.

 

- A ultima de Maio. - sorri de novo.

 

..............

ACCB

 

 _____________________________

 

 

De J.M. Coutinho Ribeiro a 1 de Junho de 2010 às 01:09
 
Surpreendeu-me, sim, a insistência com que a vi olhar o meu papel de toalha de mesa amarrotado, onde rabiscava, ora desenhos, ora palavras, quando levantei os olhos da gaivota que, num último voo, desapareceu a caminho do mar e eu fumava, sim, um cigarro e outro, depois dum jantar que nem me lembro. Era a última noite de Maio, sim, de um Maio que eu pensei de flores e de festa, de celebração e de graça, mas não era. Apanhou-me, assim, furtiva, no meu olhar furtivo e eu, a si, no seu olhar furtivo, olhares que mal se cruzaram, tal a atrapalhação, a minha pelo meu estar só, a sua pela ousadia de olhar tão fixamente o meu estar só, ali, naquela hora em que o rio descia quieto, as pontes se calavam, as gaivotas recuavam, as cidades se esvaziavam. E eu. Ficou o seu breve sorriso, eu dei-lhe o meu, que era também breve, mas um pouco mais triste, de ausências que os beijos dos amantes que estavam à volta sublinhavam de forma teimosa. Quando atravessou a porta de vidro, já não fiquei muito mais tempo. Levei na mão o papel de toalha amarrotado e fui andando num passo dormente como o das gaivotas. À espera do fim de Maio. À espera de não sei quê.
 
___________________
Conceição Castro
Li. Li-vos. Tentei não saborear a espuma, com odor a canela, da última noite de Maio. Tentei não seguir a voz da ave, em mim, que me contava a minha vontade de colorir, de novo, os meus olhos. Tentei não festejar esta minha persistência em acreditar nas madrugadas acordadas e renovadas. Tentei, mas não muito. Olho de frente esta primeira manhã de Junho e sorrio. Li. Li-vos.
_______________________
Lobices O Livro
...noutra mesa ao lado apreciei a cena... e comecei a pensar que esta última noite de maio não me tinha trazido nada ainda... de repente, olhei em volta e senti um silêncio... era isso: “... a calma tinha-se aproximado de mim como não me conhecesse... eu já a conhecia há muito pese embora os grandes momentos em que não a via ou não me encontrava com ela... porém, naquela vez, ela fez de conta que não sabia quem eu era... aproximou-se mansamente e como quem não quer a coisa, saudou-me ao de leve com um leve acenar pela passagem, pelo encontro... não lhe liguei demasiada importãncia mas educadamente correspondi ao seu aceno e sorri-lhe... foi nesse momento que ela olhou para mim e, de chofre, me perguntou: - Porque sorris?... Naquele instante não encontrei resposta mas uns segundos após, saiu-me uma frase lenta e suave: - Porque não haveria de sorrir?... Acho estranho, disse ela: Estás sempre preocupado, cheio de problemas, a tua cabeça é um vulcão, a tua alma desespera, o teu coração bate e os teus olhos não choram... Pois, respondi eu, eu sei mas por vezes caio em mim e entendo que de nada me vale o lamento; por certo que estou errado quando desfaleço e sentado ou deitado me concentro nas agruras da vida; depois penso que a vida é apenas aquilo que dela fazemos, aquilo que dela queremos, aquilo que dela podemos tirar... a vida nada nos dá excepto ela mesma, ou seja, ela se nos entrega numa única vez e após instalada em nós, somos nós mesmos que a gerimos... temos esse poder, o poder de moldar os dias, as horas, os minutos e até mesmo os segundos dos nossos momentos aqui e agora, ontem e, quem sabe senão ela, também amanhã... somos nós que decidimos enfrentar ou não o momento que se nos depara, seja ele bom ou mau... é apenas uma questão de escolha... mas tu não eras asssim, disse-me ela, a calma... sim, eu sei... na verdade, a vida foi tão diversa e tão cheia de coisas e coisas que houve vezes em que não te consegui enfrentar ou mesmo aceitar e desesperei... porém, houve também momentos em que soube que me podias ajudar... por isso te sorri agora... sei que me podes inundar e tornar-me pleno de mim mesmo e conceder-me ainda mais a capacidade de me dar ainda mais do que já tentei... sei que me ajudarás... porque me trazes a sabedoria, a sensatez, a alegria, a ternura de me saber feliz ao sentir que amo, que o caminho que percorro é o único que me pode serenar, o único que me pode pacificar, a caminhada plena para amar... e, com amor, se ama e com amor se perpectua a nossa vida, mesmo para além da morte... por isso, hoje, te sorrio por saber o quanto amo quem amo, quem me dá a plenitude da serenidade, num amar terno e seguro, forte e puro, real que de tão real, a ti o juro...”
 
______________________
 
Menina Marota
A última noite de Maio. Quantas últimas noites já por nós passaram?
Amanheceu. Do outro lado da cama, o lençol bem esticado revela a falta de um corpo que o ocupasse. O teu.
O frio da manhã, que se pressente quente, eleva-se do teu lado da cama, como fumo do cigarro que já acendeste, quando levo o café à cama onde dormes
desde o dia em que de mim o teu olhar fugiu, numa última noite em que os nossos braços se tocaram numa despedida e noutros te albergastes, indiferente à minha dor.
Voltaste, é certo.
Acompanhado da doença que dorme contigo. E do cheiro da outra que ainda pressinto no teu corpo.
Voltaste uma noite. Seria a última de Maio?
O teu olhar frio e triste pedia também o que os teus lábios murmuraram… "Toma conta de mim… Não me abandones, por favor. Só a ti tenho…"
Já lá vai uma década.
Para mim cada noite é a última de Maio.

Porque há noite que não se esquecem... e este texto trouxe-me memórias antigas mas presentes em cada novo amanhecer…
_______________________
 
Júlia Moura Lopes
Naquela última noite de Maio, a realidade foi maior que a verdade, meu amor. Somos mais do que o sol e do que o mar
e em nenhuma metáfora cabemos - mesmo quando dizemos - eu sou a música, tu és o luar.

Com cadeias de papel nos unimos, em nosso nome jurámos, pelas cascas dos frutos bebemos, de mel silvestre nos alimentámos.
De fora, sempre ficou algo que nos próprios sentimentos já não coube..e um gosto que nos indicou o que a boca já dizer não sabe.
Entre as coisas, as palavras e a sua mudez, paira a irrealidade de que nos fizemos.
E nem uma só vez foram verdade as palavras de adeus que nos dissemos.
______________________________
 

 José Luís Outono

 

....sabe ....????? Está uma bela noite!!!!!
....Sei...sei que a noite é sempre bela, quando o luar me faz o favor de discutir comigo...a ânsia de um acordar lento...
....Mas ainda não adormeceu....e, já fala em acordar...
....quem escreve....antecipa sempre um pouco o respirar que lhe vai na alma...ou caso contrário...a escrita não acontece...
....está a escrever um desabafo?... Ver mais
....não ...estou a escrever um .....desabafo....é isso...obrigado!
...não me agaradeça...estou habituada a ouvir...
...chama-se...???
....mulher cansada...numa noite ...entre o passar do calendário...e a gaiatice de molhar os pés no rio...
....E o amigo chama-se...???
....viajante sem destino...sem almejo...apenas olheiro de sombras....a que chamo vida....e obrigado por me chamar amigo....é a primeira vez...nesta guerra humana que me tratam bem!!!!!!
...esqueça...posso sentar-me ????
...pode...mas não tenho novelas para contar...
...diga-me apenas...como define o Amor?
...O Amor.....o seu olhar coragem capaz de cativar um defunto em fila de espera porque o cemitério está cheio...
...O Amor para si é apenas isso????
....sabe...estou há muito habituado a pequenas gotas...que fazem a diferença entre ser ou não....OBRIGADO...posso retribuir?????
...sim.....
....AMIGA!

__________  

 

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

Imagens que falam por si

escrito no papiro por ACCB às 21:56
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Frase da semana

 

"Algumas pessoas têm amor por você, outras têm raiva.

 

O que sentem nem sempre depende de seu comportamento.

 

As reações delas às vezes são justas, outras vezes são injustas.

 

Dê sem contabilizar.

 

E esteja atento às necessidades delas."

 

(Dalai Lama)

 

------

 

(dificil não?!)

 

 

tags:
escrito no papiro por ACCB às 03:33
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Eternity

escrito no papiro por ACCB às 02:17
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

música pela noite dentro...

escrito no papiro por ACCB às 01:57
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Intemporal

escrito no papiro por ACCB às 01:26
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 30 de Maio de 2010

Feiticeira....

escrito no papiro por ACCB às 23:15
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 28 de Maio de 2010

Quando o tempo não passa pelo tempo

***************
escrito no papiro por ACCB às 17:49
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Em Lisboa...

tags:
escrito no papiro por ACCB às 12:27
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 27 de Maio de 2010

Não vejam agora. Vejam depois do almoço

escrito no papiro por ACCB às 12:36
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 25 de Maio de 2010

Impostos,casamentos,Playboy,gravadores,fé,futebol...

Impostos,casamentos,Playboy,gravadores,fé,futebol...

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 15:20
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Segunda-feira, 24 de Maio de 2010

Ter de ter um , não é bom sinal....

escrito no papiro por ACCB às 21:44
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (8) | juntar aos escribas

Pois, pois, claro, evidentemente ...

escrito no papiro por ACCB às 21:32
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Um bom dia! E uma excelente semana!

 

“Triste cosa es no tener amigos,

pero más triste debe ser no tener enemigos,

porque quien enemigos no tenga, señal de que no tiene:

 

ni talento que haga sombra,

 

 ni valor que le teman,

 

ni honra que le murmuren,

 

ni bienes que le codicien,

 

ni cosa buena que le envidien”.

 

- (Baltasar Gracián).

escrito no papiro por ACCB às 08:31
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

PENSAMENTO DO DIA

 

 

 " Detesto quem me rouba a solidão, sem em troca me oferecer verdadeiramente companhia….”

 

( Friedrich Nietzsche )

 

 

 

 

 

( ele há almas assim.... e eu detesto mesmo!)

escrito no papiro por ACCB às 08:26
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas
Domingo, 23 de Maio de 2010

Peguei trinquei e meti-te na cesta!....

tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:26
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

C'es ci bon!

escrito no papiro por ACCB às 23:23
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Antes da Lenda



A ingenuidade, a transparência e a sinceridade pagas com a perseguição.

Que se revoltem os cordeiros tantas vezes quantas as necessárias para que se tornem leões.

 

 

tags:
escrito no papiro por ACCB às 19:28
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

E hoje eu venho lembrar com toda a minha alma....

escrito no papiro por ACCB às 18:16
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Antes do Adeus...a Saudade.

 

Poema de Rosa Lobato Faria

-

escrito no papiro por ACCB às 18:10
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 22 de Maio de 2010

"And it's supposed to be love"

escrito no papiro por ACCB às 14:29
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 21 de Maio de 2010

Folha de Diário...

Foi por causa do teu cheiro que me apaixonei por ti, naquela tarde, já no
fim da tarde, no paredão junto ao mar, em Marselha.
O sol tão perto lá no fundo do mar, a inacreditável cor roxa do próximo horizonte, a luz
que continua a descer por detrás da mancha da nuvem; um corredor de
gaivotas atarefadas...
atravessa o meu passeio e tu passas rente à minha sombra que já foge,
passas e olhas para mim, para o meu cabelo e ficas preso no meu olhar
esverdeado que se confunde com o mar.
 
É mar.
É precipício.
Fatalidade.
 
Então, ao passares por mim, sussurras «Je vous aime beaucoup»
Esta frase dita ao  pôr do sol quando as nossas silhuetas se confundem na
mesma língua de sombra, causa um efeito surpreendente.
 
A côr azul do
final do dia, a ardente estrela que se esconde e o teu cheiro que se
fixa em mim, mal eu sabia, para sempre...

Cristina Carvalho in Suzanne, querida Suzanne - Estranhos Casos de Amor
escrito no papiro por ACCB às 18:44
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

À Margem

 

 

15h30m Não é hora de noa, mas é hora de calor e brisa leve à beira Tejo.

 

 Envolvente, uma voz canta um choro castelhano. Não, não é o nosso primeiro ministro, é uma malaguenha feminina que e não  identifico a cantora, não conheço, mas enche a brisa morna que sopra por cima da mesa onde, um café e uma agua descansam, esperando a sede e o desejo.

 

 O brilho do rio fere o contraste da arquitectura e, destaca-a ao fundo, com o traçado do tempo e as agruras da história.

 

Porto de onde partiram homens que jovens se refizeram velhos a desbravar mares nunca antes navegados.

 

A malaguenha repete-se agora com uma voz masculina, envolvente de toque cigano …não sei se gosto. Não tem a ver com xenofobia, tem a ver com o calor que se faz sentir….ainda me sinto mais mole…

 

As tolhas brancas suspensas e as cadeiras em volta na margem, deixam uma sensação a beira rio, beira Tejo, margem do Tejo.

 

 Escrever aqui no portátil enquanto um pai finge fazer magia de mão em mão com caramelos para que o filho coma, deixa-me sorridente …deixa-me calma,…traz-me lembranças de infância….Onde está? Aqui! Oh Não na outra!!!. E agora onde está? Nesta!!!! OH não! Na outra!!!

 

A música mudou…. Um trompete desafia um saxofone para um embalo pela sala forrada de madeira antiga…..

Há no som homens e mulheres que não fazem nada e o piano retira-lhes reflexos dos olhares.

 

Agora sim,….Lânguida e serena….

 A brisa refrescou e saltita pelos sons do piano, o trompete traz o vento e, o sax, enovela o calor envolto em aragem… Aqui, ficaria aqui uma eternidade, sendo certo que este som me oferece me eternidade de sons e de momentos.

 

 As motas de água lá muito ao fundo fazem despiques num espelho aquático completamente flat.

Não me diz muito e, volto-me para o Jazz que se recorta no vidro ao fundo sem cor e no espaço aberto na Margem à margem.

 

Duas mulheres de juventudes vividas e bailes de pós guerra com pérolas e vestidos com corte a direito, conversam com o empregado, agora com outros vestidos, outros momentos, as mesmas presenças e as mesmas lembranças.

 

O calor voltou É Verão…uma delas fala alemão… a outra é genuinamente portuguesa, ambas se entendem e o empregado entende ambas….. Restos da Riviera portuguesa?…Só da muito jovem que ficou dos que vieram para cá quando Salazar jogou e ganhou o que pode na 2ª Grande Guerra.

 

Sinatra chega….."I adore you"………conversas cruzadas……….sopra a brisa agora mais fresca,…tiro os cabelos dos olhos… Ao lado escreves também, estudas…silêncio…..queria ficar assim uma bom espaço e tempo… e vou saborear .-.

 

Oh pedaço de mim,…oh metade afastada de mim,……outra música, outro som……..doçura em brasileiro…..ficar,.sentir,…soltar a sensibilidade e viver……………………..

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 15:54
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A alguns homens - um homem escreveu isto

O desrespeito à natureza tem afetado a sobrevivência de vários seres
e entre os mais ameaçados está a fêmea da espécie humana.

 

 

 


Habitat

Mulher não pode ser mantida em cativeiro.
Se for engaiolada, fugirá ou morrerá por dentro.
Não há corrente que as prenda e as que se submetem
à jaula perdem o seu DNA.
Você jamais terá a posse de uma mulher,
o que vai prendê-la a você é uma linha frágil que precisa ser reforçada diariamente.

Alimentação correta

Ninguém vive de vento.
Mulher vive de carinho.
Dê-lhe em abundância.
É coisa de homem, sim, e se ela não receber de você vai pegar de outro.
Beijos matinais e um 'eu te amo' no café da manhã as mantém viçosas e perfumadas durante todo o dia.
Um abraço diário é como a água para as samambaias.
Não a deixe desidratar. Pelo menos uma vez por mês é necessário, senão obrigatório, servir um prato especial.

Flores

também fazem parte de seu cardápio - mulher que não recebe flores murcha rapidamente
e adquire traços masculinos como rispidez e brutalidade.

Respeite a natureza

Você não suporta TPM? Case-se com um homem.
Mulheres menstruam, choram por nada, gostam de falar do próprio dia, discutir a relação?
Se quiser viver com uma mulher, prepare-se para isso.

Não tolha a sua vaidade

É da mulher hidratar as mechas, pintar as unhas, passar batom,
gastar o dia inteiro no salão de beleza, colecionar brincos (eu adoro Mila),
comprar muitos sapatos, ficar horas escolhendo roupas no shopping.
Entenda tudo isso e apoie.

Não faça sombra sobre ela

Se você quiser ser um grande homem tenha uma mulher ao seu
lado, nunca atrás.
Assim, quando ela brilhar, você vai pegar um bronzeado.
Porém, se ela estiver atrás, você vai levar um pontapé.

Aceite: mulheres também têm luz própria e não dependem de nós para brilhar.

O homem sábio alimenta os potenciais da parceira
e os utiliza para motivar os próprios.
Ele sabe que, preservando e cultivando a mulher,
ele estará salvando a si mesmo.

E meu amigo, se você acha que mulher é caro demais, fique sozinho.

Só tem mulher quem pode.

 

( NEM MAIS NEM MENOS)

 

-------------

escrito no papiro por ACCB às 09:23
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

Lindo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

escrito no papiro por ACCB às 08:18
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 20 de Maio de 2010

Amo-te Parabéns Sê Inteiro

É só que sei dizer-te hoje - 13 anos depois de teres NASCIDO

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 19:50
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (6) | juntar aos escribas

Águas de Março...Calor de Maio

tags:
escrito no papiro por ACCB às 09:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 18 de Maio de 2010

Refugos só nas lojas de velharias!!!

 

 

É com frequência, mais do que a desejável, que nos deparamos constantemente com uma espécie de jogo da cadeira de solteiros, divorciados, encalhados e mal casados, onde o objectivo é “sentarem-se” na primeira disponível para não ficarem de fora.

 

Não interessa se à mesma lhe falta uma perna, esteja bichada ou seja uma imitação. De todo! Até creio que já deverá constar no dicionário destes ímpares humanos uma nova definição para a palavra encosto: uma questão de mera disponibilidade para qualquer coisa.

Não ter qualquer relação amorosa é um fenómeno em todo semelhante à lepra na idade média sendo que, no primeiro caso, dispensando-se a obrigatoriedade do uso de sino não deixa, desde logo, de ser um factor a fazer-se anunciar. Com efeito, não ter ALGUÉM acaba por funcionar como uma espécie de estigma de solidão e abandono, qual carta fora de baralho.

 

Não importa que se tenha ao lado uma solução de recurso, uma substituição preguiçosa, um redundante mau carácter, uma presença passageira que distrai mas não “alimenta” ou uma segunda escolha. O que interessa, MESMO, é ter ALGUÉM!

Isto já para não falar no parasitarismo dos inúteis que vêm nos meandros amorosos uma boa oportunidade de singrarem e de, à custa do hospedeiro, emergirem da mediocridade.

As segunda escolhas podem, efectivamente, criar uma ilusão de segurança mas certo é que, mais cedo ou mais tarde, destas nada mais restará do que a projecção torpe da quimera sonhada.

 

E quem escolhe por defeito – por medo de solidão, por pensar que não merece melhor ou simplesmente por burrice MESMO – certo é que, mais tarde ou mais cedo, será obrigado a enfrentar os seus próprios fantasmas. Não acredito em segundas escolhas, nem tão pouco que estas nos tragam a verdadeira paz e conforto de espírito.

Uma paz conformada não resiste, muito tempo, ao desafio de uma nova guerra. E para quem não sabe estar só, o único sensato conselho é que vá aprendendo pois, como diz o ditado por mim adaptado – mais vale só do que acompanhado por alguém que tanto pode estar ao lado das meninas como de uma musa desmiolada.

Minhas queridas se interiorizarem que REFUGOS só nas lojas de velharias talvez seja meio caminho andado para a felicidade. Pelo menos para uma felicidade mundana, verdadeira e, acima de tudo, dotada de uma boa dose de realidade. É que ás vezes sonhos mais vale te-los acordados do que a dormir.

Digo eu!

 

Ana Vasconcellos de Queiroz

escrito no papiro por ACCB às 22:11
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Deixa...o tempo passar...

escrito no papiro por ACCB às 07:49
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 17 de Maio de 2010

Tô Voltando!

escrito no papiro por ACCB às 23:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Como eu esperava

Declaração do Presidente da República sobre o Diploma da Assembleia da República que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo
Lisboa, 17 de Maio de 2010
 
 

A Assembleia da República aprovou no passado mês de Fevereiro, uma lei que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

É de lamentar que não tenha havido vontade política para alcançar um consenso partidário alargado sobre uma matéria de tão grande melindre, de modo a evitar clivagens desnecessárias na sociedade portuguesa.

 

Face à grave crise que o País atravessa e aos complexos desafios que tem à sua frente, importa promover a união dos Portugueses e não dividi-los, adoptar uma estratégia de compromisso e não de ruptura.

 

As forças partidárias que aprovaram o diploma não quiseram ponderar um princípio elementar da acção política numa sociedade plural: o de escolherem, de entre as várias soluções jurídicas, aquela que fosse susceptível de criar menos conflitualidade social ou aquela que pudesse ser aceite pelo maior número de cidadãos, fosse qual fosse a sua visão do mundo.

 

Considero que não teria sido difícil alcançar um compromisso na Assembleia da República se tivesse sido feito um esforço sério nesse sentido.

Bastava ter olhado para as soluções jurídicas encontradas em países como a França, a Alemanha, a Dinamarca ou o Reino Unido que, como é óbvio, não são discriminatórias e respeitam a instituição do casamento enquanto união entre homem e mulher.

 

Nesses países, à união de pessoas do mesmo sexo foram reconhecidos direitos e deveres semelhantes aos do casamento entre pessoas de sexo diferente, mas não se lhe chamou casamento, com todas as consequências que daí decorrem.

 

Aliás, no mundo inteiro, só em sete países é designada por “casamento” a união entre pessoas do mesmo sexo. Dos 27 Estados da União Europeia são apenas quatro aqueles que o fazem.

 

Não é, portanto, verdadeira a afirmação de que a inexistência do casamento entre pessoas do mesmo sexo corresponde a um fenómeno residual no mundo contemporâneo, um resquício arcaico típico de sociedades culturalmente mais atrasadas.

 

Não me parece que alguém, honestamente, possa qualificar o Reino Unido, a Alemanha, a França, a Suíça ou a Dinamarca como países retrógrados.

 

O diploma da Assembleia da República, que permite o casamento entre pessoas do mesmo sexo, foi por mim submetido à fiscalização preventiva do Tribunal Constitucional, tendo por este sido considerado não inconstitucional.

 

Tal não impede, contudo, que o Presidente da República possa ainda utilizar o poder de veto que a Constituição lhe confere e devolver o diploma ao Parlamento.

 

Importa, no entanto, ponderar os efeitos práticos de uma tal decisão e ter em devida conta o superior interesse nacional, face à dramática situação em que o País se encontra.

 

Conhecidas que são as posições expressas aquando do debate do diploma na Assembleia da República, tudo indica que as forças políticas que o aprovaram voltariam a aprová-lo.

 

Nessas circunstâncias, o Presidente da República seria obrigado a promulgá-lo no prazo de oito dias.

 

Sendo assim, entendo que não devo contribuir para arrastar inutilmente este debate, o que acentuaria as divisões entre os Portugueses e desviaria a atenção dos agentes políticos da resolução dos problemas que afectam gravemente a vida das pessoas.

 

Como Presidente da República não posso deixar de ter presente os milhares de Portugueses que não têm emprego, o agravamento das situações de pobreza, a situação que o País enfrenta devido ao elevado endividamento externo e outras dificuldades que temos de ultrapassar.

 

Os Portugueses recordam-se, certamente, de que na minha mensagem de Ano Novo alertei para o momento muito difícil em que Portugal se encontra e disse mesmo que podíamos “caminhar para uma situação explosiva”. E disse também que não é tempo de inventarmos desculpas para adiar a resolução dos problemas concretos dos Portugueses.

 

Há momentos na vida de um País em que a ética da responsabilidade tem de ser colocada acima das convicções pessoais de cada um.

Assim, decidi promulgar hoje a lei que permite o casamento civil entre pessoas do mesmo sexo.

 

AQUI

escrito no papiro por ACCB às 20:43
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas
Segunda-feira, 10 de Maio de 2010

Pensando o Direito ao Vivo

 

 

- Combate à Pedofilia,

- Crime Organizado (lavagem de dinheiro), e -

 Terrorismo e Corrupção,

 

 

 

Em S. Paulo dias 13,14,15 Maio

-

----------------------

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

I love smile!! Your smile.

tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:13
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas

Sonho

 

"Sonho, mas não parece.
Nem eu quero que pareça.
É por dentro que eu gosto
que aconteça a minha vida.
Íntima, funda, como um sentimento,
de que se tem pudor."

 


(Miguel Torga,
1958, ( ano da graça em que eu nasci )

 

in "Orfeu Rebelde")

escrito no papiro por ACCB às 22:11
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

O Império do Sol

 ___________________________________________

"O filme relata a história de um garoto inglês de onze anos de idade, que vive na cidade chinesa de Xangai com a sua família na aparente segurança do bairro diplomático.

 

Com a invasão da China pelo Japão, em plena Segunda Guerra Mundial, no meio da confusão da multidão em fuga ele separa-se dos pais e acaba por ir parar a um campo de concentração japonês onde, para sobreviver, se vê obrigado a desenvolver uma série de artimanhas que vão das transações num improvisado mercado negro de alimentos e objectos pessoais à mediação de conflitos com os soldados japoneses.

 

Ao lado do campo de prisioneiros ocidentais existe uma pista de onde descolam "zeros" para as missões suicidas.

 

Quando os aliados bombardeiam o aérodromo militar os guardas do campo vingam-se nos prisioneiros partindo os vidros das camaratas. Quando os japoneses se preparam para atacar os doentes da enfermaria o médico interpõe-se arriscando a própria vida que é salva pela intervenção do miúdo.

 

A derrota do Japão aproxima-se, o campo é evacuado e os prisioneiros levados para Norte onde se pensa existirem alimentos. No caminho a mulher que protegeu o rapaz morre no momento em que se avista o clarão das explosões de Hiroshima e Nagasaki. No final o rapaz é encontrado pelo pais num orfanato para crianças ocidentais."

 

------------------

tags:
escrito no papiro por ACCB às 21:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Vontade não falta!! Boa semana :-)

escrito no papiro por ACCB às 08:42
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Bom Dia Cidade!

tags:
escrito no papiro por ACCB às 08:36
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 9 de Maio de 2010

Brasil!!!!

 

 

 

Vai uma visitinha aérea guiada??

 

 

___________________

_________________________________________

 

******

tags:
escrito no papiro por ACCB às 18:49
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Provocação do dia

 

 

 "I heard that Osama bin Laden is in the Washington, D.C. ...

 

Because he was a previous partner of Mr. Bush. ...

 

They were in the oil business together."

 

MAHMOUD AHMADINEJAD

escrito no papiro por ACCB às 13:11
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Conversa de ideias sobre palavras

 

 

 

Tens uma caixa? - perguntou para a ideia logo ali ao lado.

Uma caixa?

Sim uma caixa para fechar as palavras lá dentro.

Mas,... fechar as palavras lá dentro,... que ideia mais atrofiada.

Não te metas. Preciso fechar as palavras para que as ideias não se soltem.

Então , mas não és tu que queres voltar a escrever?

Já não quero.

O que tu não queres é pensar. Uma caixa para fechar as palavras. Como se tal coisa fosse possível.

É uma figura de estilo.  Não me enchas a cabeça!

Ora deixa lá a caixa e as palavras. Também, não cabiam todas lá dentro e acabavas por ter de escrever alguma coisa.

Bastaria fechar meia dúzia delas...

Sim, o que tu queres é fechar-te a sete chaves e, logo à frente ,escrever desalmadamente com a alma em sobressalto

Tens ou não tens uma  caixa?

Para fechar as palavras,  põe a tampa na caneta e vira- te para o outro lado.

Talvez,... é uma ideia. Viro-me para o outro lado. Dorme bem.

Se me deixares e não te puseres com ideias !...

 

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 10:57
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

Dois homens à beira rio

Paris En Colère

Paris Je T'aime

El embrujo de la guitarra...

A Hora de ser livre

O outro lado da rua

Tarkovsky

Bocage

Saramago - 18.6

Se partires, então, escre...

Lopetegui....Lotopegui......

Como o Sol A Pôr-se

Entrega-te ao medo e não ...

Quando a Vida Humana dá à...

papiros em biblioteca

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds