Domingo, 28 de Fevereiro de 2010

Paris toujours Paris

___________

 

Cristina Bertuzzi

 

Há pinturas que nos transportam a momentos únicos ou a desejos de momentos únicos.

Para sensações, aromas, vozes e cores... Locais únicos e pessoas únicas.

Saudades?

Ou sensação de bem estar?

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 12:25
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Courrier Internacional: Catástrofes naturais

Os desastres naturais e outras questões relacionadas com o ambiente dominam o Courrier Internacional de Março.

 

madeira.gif

 

++++

 

 

 

 

..................

escrito no papiro por ACCB às 10:44
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sábado, 27 de Fevereiro de 2010

Sinceramente teu....

escrito no papiro por ACCB às 22:38
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 26 de Fevereiro de 2010

Le grand père raconte a son petit fils

 

 

"Quand j'étais p'tit, m'man me donnait un dollar et je partais a l'épicerie du coin. Je revenais avec une livre de beurre, une pinte de lait, 2 livres de pommes de terre, une livre de fromage, une livre de sucre, du pain et des oeufs.

 

  Et son petit-fils de lui répondre
"Maintenant ce n'est plus possible avec les caméras de surveillance dans toutes les épiceries. "


__________________

escrito no papiro por ACCB às 15:50
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Confia em Sócrates?

O i lançou a pergunta: “Depois dos episódios recentes relacionados com as escutas e o caso Face Oculta, mantém a confiança no primeiro-ministro?”

José Sócrates terá tentado impedir a publicação de uma notícia no semanário

 

Duas Boas respostas:

 

João Pereira Coutinho, presidente do grupo SAG:  “Deve dirigir essa pergunta a Belém. O Presidente é que tem o poder para tratar deste assunto.”
 

Germano Marques da Silva, penalista: “Mantenho a confiança, até prova em contrário. Devido à minha formação jurídica, exijo provas.”
 

 

 

----

escrito no papiro por ACCB às 12:15
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

Ternura



Eu te peço perdão por te amar de repente
Embora o meu amor
seja uma velha canção nos teus ouvidos


Das horas que passei à sombra dos teus gestos
Bebendo em tua boca o perfume dos sorrisos
Das noites que vivi acalentando
Pela graça indizível
dos teus passos eternamente fugindo


Trago a doçura
dos que aceitam melancolicamente.
E posso te dizer
que o grande afeto que te deixo
Não traz o exaspero das lágrimas
nem a fascinação das promessas
Nem as misteriosas palavras
dos véus da alma...


É um sossego, uma unção,
um transbordamento de carícias
E só te pede que te repouses quieta,
muito quieta


E deixes que as mãos cálidas da noite
encontrem sem fatalidade
o olhar estático da aurora.

 

Vinicius de Morais

 

.

escrito no papiro por ACCB às 01:17
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Tomara

 

 


Que você volte depressa
Que você não se despeça
Nunca mais do meu carinho
E chore, se arrependa
E pense muito
Que é melhor se sofrer junto
Que viver feliz sozinho

Tomara
Que a tristeza te convença
Que a saudade não compensa
E que a ausência não dá paz
E o verdadeiro amor de quem se ama
Tece a mesma antiga trama
Que não se desfaz

E a coisa mais divina
Que há no mundo
É viver cada segundo
Como nunca mais...

 

 

Vinicius  de Morais

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 01:14
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Pois,...hoje deu-me para o Fado....

escrito no papiro por ACCB às 00:22
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 25 de Fevereiro de 2010

?!

tags:
escrito no papiro por ACCB às 21:06
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Cantaré , cantaras

escrito no papiro por ACCB às 16:30
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Presente do Indicativo do Verbo Escutar:


Eu escuto
Tu não escutas que eu não deixo
Ele escuta e leva com um processo crime
Nós, podemos escutar
Vós escutais se eu deixar
Eles escutam o raio que os parta.

 

 

 

tv1.rtp.pt
Qualquer investigação criminal está distribuída por várias entidades - Procuradores, policias, arguidos já notificados, funcionários que transportam as escutas e a documentação - tornando-se difícil, quase ...
 
 
 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 12:53
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Lá em baixo o Tejo

 

imagem:” Lisboa e o Tejo - Domingo” - Carlos Botelho - www.ci.uc.pt/artes

 

 

Subi as escadas...
De madeira velha carvalho...
O corrimão gasto...polido...
Reflectia...quantas mãos...
Que por ali passaram ???

No patamar da janela...
Afastei a cortina...
Vi o Tejo...
Beijei-te manhã ladina
Disse-te Obrigado Sol...
Compraste-me uma romã...
Sorri...ao teu sorrir
E a janela fechou-se ...suave...
Para o nosso amor acontecer.

 

Luis
by OUTONO

 

 

-----

escrito no papiro por ACCB às 09:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Quarta-feira, 24 de Fevereiro de 2010

Foi para ti que criei as rosas

Foi para ti que criei as rosas.


Foi para ti que lhes dei perfume.


Para ti rasguei ribeiros


E dei às romãs a cor do lume.

 

Foi para ti que pus no céu a lua


e o verde mais verde dos pinhais.


Foi para ti que deitei no chão


Um corpo aberto como os animais.

 

 

Eugénio de Andrade

escrito no papiro por ACCB às 23:06
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Terça-feira, 23 de Fevereiro de 2010

Apetece-me II

 

Sento-me, apetece-me.

Apetece-me escrever antes que a rotina do dia me arranque a mim. Quero dizer-me ou encontrar-me de manhã, enquanto  os papéis e os dramas alheios ainda não invadiram o meu pensamento e me cercearam a imaginação.

 

Não quero um mundo à volta. Quero criar o meu Mundo

É nele que recolho energia e vontade de viver.

É meu e depois? Alguém tem alguma coisa com isso?

 

Caminho constantemente pelos mundos dos outros e faço os meus caminhos pelas necessidades alheias.

 

Em cada estrada há veredas mas, não me posso demorar nelas.

Se o sol me chama em frente ao mar, raramente lá paro para molhar os pés na maré.

Estou desejosa do Verão. Apetece-me.

 

Encho os olhos de imagens, pinturas a óleo ou aguarelas esbatidas na memória e na vontade, quero música de fundo nos meus ouvidos, Chopin ou Paganini,...tanto faz. Também pode ser Mozart que brinca com as colcheias como quem faz bilros sem olhar.

 

Quero filmes que me falam e me provocam,...Apetece-me....Como o de Graham Green e o seu The End of the Affair ou o Clube dos Poetas mortos, ou o Sorriso de Mona Lisa, ou ...

 

Apetece-me um palco em que a peça de teatro me abane por dentro e me desperte para o que sou nas horas poucas que consigo ter vagas.

 

Há escritos que me desafiam a viver...

Apetece-me

Apetece-me antes que todo o ritual diário me abafe e todas as repetições se repitam e todas as lembranças apagadas renasçam.

Apetece-me como se me apetecesse ser, terrívelmente egoísta e por momentos, obtusamente só.

 

ACCB

 

escrito no papiro por ACCB às 09:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

Apetecia-me

 

(Autora Puly)

 

 

 

"Apetecia-me um homem com queda de água de mulher por dentro, como me recorda a famosa Mátria.

Suspirava por alguém que quer mais da vida, que exige felicidade, que teime em andar por mares nunca dantes navegados.

Sei que dizer isto parece uma banalidade que carece de rodapé.

Falámos de livros e quadros, das artes e da bela cultura e até da Ilha dos Amores e de outros nostálgicos armazéns de ternura.

Esse é o momento sagrado. Se houver um sacramento é esse. Será essa coisa a que chamam destino? Pode ser."

 

Luis Galego

 

-------------------------

escrito no papiro por ACCB às 08:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Rosas brancas para ti

 

Rosas brancas para ti ( Óleo de Isabel Almeida )

 

O dia tinha-se lavado no céu e a luz que dele caía ainda em escassas gotas de chuva banhadas pelo sol, deslizava pelas  encostas do Douro, como se o rio, caminhasse lá em baixo, vazio de Inverno.

 

 
Tinha sido uma tarde súbita de sol e até a ponte branqueara de sorrisos.

 

De ombros derrotados pensara vê-la. Trazia na alma flores e espinhos, mas só lhe queria ofertar as flores.

 

Não sabia como fazê-lo e, quando parou o carro na Foz, em frente ao Douro, imaginou-a de rosto fechado e triste, de olhar tépido e morno mas sempre com cortinas de gelo.
 
A coragem naqueles momentos não era o seu forte. Não sabia como dizer-lhe dos assaltos súbitos de saudade. Viera de longe para lhe dizer ali, onde nem pertenciam, que a saudade ocupava todos os rios do mapa do País que era o seu corpo.
 
 
Um suspiro fundo  trespassou-lhe  o peito vergando-lhe ainda mais os ombros.
Um som de saltos na calçada sobressaltou-o e o coração pareceu saltar-lhe da alma para o leito do rio que ali, já se debatia com o mar.
 

 

A voz dela quebrou milhões de janelas que nem existiam e se estilhaçaram  na ondulação contra a muralha.
Dobrou-se ainda mais sobre si mesmo levando as mãos ao peito como se este fosse estourar para, depois, as baixar em sofrimento abertas e vazias num gesto de rendição e de orgulho desfeito, como a querer dar-lhe o presente mais precioso que um homem pode dar.

 

 
Assustada com o gesto que parecia agonizante, como se tivesse perante si um moribundo, segurou-lhe as mãos frias e trementes.
 
-Trago rosas brancas. São rosas  brancas para ti. Não tenho mais que dar-te.
 
Um sorriso triste caiu-lhe nas mãos em forma de lágrimas e o sol pincelou-as de azul, o Douro misturou-se com o Mar e, desfalecidas de amor, nas mãos dela, surgiram rosas brancas com reflexos de azul e laivos de vermelho.
 
  

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 01:01
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Madeira

escrito no papiro por ACCB às 00:31
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 21 de Fevereiro de 2010

LINDO LINDO Até dói!

escrito no papiro por ACCB às 23:41
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A menina e o pássaro encantado

 

Era uma vez uma menina que tinha um pássaro como seu melhor amigo.
Ele era um pássaro diferente de todos os demais: era encantado.


Os pássaros comuns, se a porta da gaiola ficar aberta, vão-se embora para nunca mais voltar. Mas o pássaro da menina voava livre e vinha quando sentia saudades… As suas penas também eram diferentes. Mudavam de cor. Eram sempre pintadas pelas cores dos lugares estranhos e longínquos por onde voava. Certa vez voltou totalmente branco, cauda enorme de plumas fofas como o algodão…


Menina, eu venho das montanhas frias e cobertas de neve, tudo maravilhosamente branco e puro, brilhando sob a luz da lua, nada se ouvindo a não ser o barulho do vento que faz estalar o gelo que cobre os galhos das árvores. Trouxe, nas minhas penas, um pouco do encanto que vi, como presente para ti…


E, assim, ele começava a cantar as canções e as histórias daquele mundo que a menina nunca vira. Até que ela adormecia, e sonhava que voava nas asas do pássaro.
Outra vez voltou vermelho como o fogo, penacho dourado na cabeça.


Venho de uma terra queimada pela seca, terra quente e sem água, onde os grandes, os pequenos e os bichos sofrem a tristeza do sol que não se apaga. As minhas penas ficaram como aquele sol, e eu trago as canções tristes daqueles que gostariam de ouvir o barulho das cachoeiras e ver a beleza dos campos verdes.
E de novo começavam as histórias. A menina amava aquele pássaro e podia ouvi-lo sem parar, dia após dia. E o pássaro amava a menina, e por isto voltava sempre.
Mas chegava a hora da tristeza.


Tenho de ir dizia.


Por favor, não vás. Fico tão triste. Terei saudades. E vou chorar…— E a menina fazia beicinho…


Eu também terei saudades dizia o pássaro. — Eu também vou chorar. Mas vou contar-te um segredo: as plantas precisam da água, nós precisamos do ar, os peixes precisam dos rios… E o meu encanto precisa da saudade. É aquela tristeza, na espera do regresso, que faz com que as minhas penas fiquem bonitas. Se eu não for, não haverá saudade. Eu deixarei de ser um pássaro encantado. E tu deixarás de me amar.
Assim, ele partiu. A menina, sozinha, chorava à noite de tristeza, imaginando se o pássaro voltaria. E foi numa dessas noites que ela teve uma ideia malvada: “Se eu o prender numa gaiola, ele nunca mais partirá. Será meu para sempre. Não mais terei saudades. E ficarei feliz…”


Com estes pensamentos, comprou uma linda gaiola, de prata, própria para um pássaro que se ama muito. E ficou à espera. Ele chegou finalmente, maravilhoso nas suas novas cores, com histórias diferentes para contar.

Cansado da viagem, adormeceu. Foi então que a menina, cuidadosamente, para que ele não acordasse, o prendeu na gaiola, para que ele nunca mais a abandonasse. E adormeceu feliz.
Acordou de madrugada, com um gemido do pássaro…


Ah! menina… O que é que fizeste? Quebrou-se o encanto. As minhas penas ficarão feias e eu esquecer-me-ei das histórias… Sem a saudade, o amor ir-se-á embora…
A menina não acreditou. Pensou que ele acabaria por se acostumar. Mas não foi isto que aconteceu. O tempo ia passando, e o pássaro ficando diferente. Caíram as plumas e o penacho. Os vermelhos, os verdes e os azuis das penas transformaram-se num cinzento triste. E veio o silêncio: deixou de cantar.


Também a menina se entristeceu. Não, aquele não era o pássaro que ela amava. E de noite ela chorava, pensando naquilo que havia feito ao seu amigo…
 

-

 

 

Ruben Alves

escrito no papiro por ACCB às 00:14
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas
Sábado, 20 de Fevereiro de 2010

Madeira sem jardins

 

"O temporal que assolou hoje a Madeira provocou até ao momento 32 mortos, disse à agência Lusa fonte do Governo Regional.

Além destas vítimas, deram até ao momento 68 feridos nas urgências do Hospital Dr. Nelio Mendonça, no Funchal, sendo dois casos graves de ortopedia que estão a ser sujeitos a intervenções cirúrgicas.

Este é um balanço superior face ao anterior fornecido pelo ministro a Administração Interna, Rui Pereira, no qual dava conta de 25 vítimas mortais, citando fonte da Autoridade Nacional de Protecção Civil no aeroporto de Figo Maduro, de onde parte esta tarde para a Madeira onde irá "fazer o diagnóstico da situação", Rui Pereira disse que já falou com o presidente do Governo Regional a quem manifestou o apoio imediato da tutela.

 

Ilha em alerta vermelho "

escrito no papiro por ACCB às 23:52
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Chove tanto

escrito no papiro por ACCB às 23:50
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Foto do dia

escrito no papiro por ACCB às 21:42
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Ruy Barbosa

 

 

Sinto vergonha de mim
por ter sido educador de parte desse povo,
por ter batalhado sempre pela justiça,
por compactuar com a honestidade,
por primar pela verdade
e por ver este povo já chamado varonil
Enveredar pelo caminho da desonra.

Sinto vergonha de mim
por ter feito parte de uma era
que lutou pela democracia,
pela liberdade de ser
e ter que entregar aos meus filhos,
simples e abominavelmente,
a derrota das virtudes pelos vícios,
a ausência da sensatez
no julgamento da verdade,
a negligencia com a família,
célula-mater da sociedade,
a demasiada preocupação
com o "eu" feliz a qualquer custo,
buscando a tal "felicidade"
em caminhos eivados de desrespeito
para com o seu próximo.

Tenho vergonha de mim
pela passividade em ouvir,
sem despejar meu verbo,
a tantas desculpas ditadas
pelo orgulho e vaidade,
a tanta falta de humildade
para reconhecer um erro cometido,
a tantos "floreios" para justificar
atos criminosos,
a tanta relutância
em esquecer a antiga posição
de sempre "contestar",
voltar atrás
e mudar o futuro.

Tenho vergonha de mim
pois faço parte de um povo que não reconheço,
enveredando por caminhos
que não quero percorrer...

Tenho vergonha da minha impotência,
da minha falta de garra,
das minhas desilusões
e do meu cansaço.
Não tenho para onde ir
pois amo este meu chão,
vibro ao ouvir meu Hino
e jamais usei a minha Bandeira
para enxugar o meu suor
ou enrolar meu corpo
na pecaminosa manifestação de nacionalidade.

Ao lado da vergonha de mim,
tenho tanta pena de ti,
povo brasileiro!

"De tanto ver triunfar as nulidades,
de tanto ver prosperar a desonra,
de tanto ver crescer a injustiça,
de tanto ver agigantarem- se os poderes
nas mãos dos maus,
o homem chega a desanimar da virtude,
a rir-se da honra,
a ter vergonha de ser honesto".

Rui Barbosa

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 18:25
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

FORMIDABLE

 

 

 

-

Levanta-.se uma criatura a pensar que o Sol vai ficar...FORMIDABLE!

Mas não. O Sol FOI-SE........

E Está frio Novamente. E dizem que na Madeira parece o fim do Mundo e, dizem que, o Tempo vai piorar ainda mais.

Em casa, enquanto o filho joga nos torneios de futebol a filha sai com as amigas e eu trato carinhosamente os processos e como chocolate Acho que vou engordar mas hoje não ponho o nariz lá fora.

LIVRA!

escrito no papiro por ACCB às 16:14
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quinta-feira, 18 de Fevereiro de 2010

A ler e debater

 

 

EDIÇÕES COSMOS

 

[Convite_lançamento.jpg]

tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:12
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 17 de Fevereiro de 2010

Há amores assim

 Era tanto o amor e o ciúme que lhe tinha, que fez mal à mulher que amava, minha mãe, e mal ao homem que a amava; ele próprio; meu pai.

 

Sei que as mulheres que nos amam não nos amam de maneira diferente, mas, como nunca se sabe, deixei-as de fora, falando apenas pelo meu género: a malta.

Minha amada querida. O meu pai, logo depois de se ter apaixonado pela minha mãe, disse-lhe, em pleno namoro (ela uma mulher inglesa casada, com uma filha pequena; ele um solteirão português): "Se soubesses quanto eu te amava; destruías-me já." E disse a verdade. Era tanto o amor e o ciúme que lhe tinha, que fez mal à mulher que amava, minha mãe, e mal ao homem que a amava; ele próprio; meu pai.

O amor é um castigo; é um desespero; é um medo. O amor vai contra todos os nossos instintos de sobrevivência. Instiga-nos a cometer loucuras. Instiga-nos a comprometermo-nos. Obriga-nos a cumprir promessas que não somos capazes de cumprir. Mas cumprimos.

Eu amo-te. E não me custa. É um acto de egoísmo. Mesmo que tu me odiasses mas te odiasses tanto a ti própria que não te importasses de ficar comigo, eu seria feliz e agradeceria a Deus a tua inconsciência; a tua generosidade; qualquer estupidez ou inteligência que te mantivesse perto de mim.

A sorte não é amar-te nem tu me amares. A sorte é ter-te ao pé de mim. Tu podes estar enganada. Deves estar enganada. Mas ninguém neste mundo, por pouco que me ame ou muito que te ame, está mais certa para mim.

Obrigado.

Miguel Esteves Cardoso escreve todos os dias no PÚBLICO

 

-------------------------------

 

 

escrito no papiro por ACCB às 23:51
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas
Terça-feira, 16 de Fevereiro de 2010

A Neve que o meu pé prende ( lembram-se? )

 

 

 

Mau tempo: Várias estradas cortadas devido à neve

Previsão de neve, vento e agitação marítima levam o Instituto de Meteorologia (IM) a colocar seis distritos e o arquipélago da Madeira sob alerta amarelo.

 

A formiga e a neve

 
Uma formiga prendeu o pé na neve.
–Ó neve! tu és tão forte, que o meu pé prendes!
Responde a neve:
–Tão forte sou eu que o Sol me derrete.
–Ó sol! tu és tão forte que derretes a neve que o meu pé prende!
Responde o Sol:
–Tão forte sou eu que a parede me impede.
– Ó parede! tu és tão forte que impedes o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde a parede:
–Tão forte sou eu que o rato me fura.
–Ó rato! tu és tão forte que furas a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o rato:
–Tão forte sou eu que o gato me come.
–Ó gato! tu és tão forte que comes o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o rato:
–Tão forte sou eu que o cão me morde.
–Ó cão! tu és tão forte que mordes o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o cão:
–Tão forte sou eu que o pau me bate.
–Ó pau! tu és tão forte que bates no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o pau:
–Tão forte sou eu que o lume me queima.
–Ó lume! tu és tão forte que queimas o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o lume:
–Tão forte sou eu que a água me apaga.
–Ó agua! tu és tão forte que apagas o lume, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde a água:
–Tão forte sou eu que o boi me bebe.
–Ó boi! tu és tão forte que bebes a água, que apagas o lume, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o boi:
– Tão forte sou eu que o carniceiro me mata.
– Ó carniceiro! tu es tão forte que matas o boi, que bebes a água, que apagas o lume, que queima o pau, que bate no cão, que morde o gato, que come o rato, que fura a parede, que impede o Sol, que derrete a neve que o meu pé prende!
Responde o carniceiro:
–Tão forte sou eu que a morte me leva.
 
 
------------------------------------
escrito no papiro por ACCB às 20:02
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

textos

-

 

"É claro que eu poderia ter-te ligado ou ter-te escrito, mas não o fiz, não porque não me apetecesse muito, mas porque te sei nos limites, na correria para chegar a tempo, agora que ele se encurta e o avião se aproxima, mas houve ainda outro motivo: no fundo, no fundo, eu precisava de sentir a tua falta, desta vez não a que é imposta por ti, enquanto vais digerindo a minha vertigem e tentas perceber o que ela traz, mas aquela que é imposta por mim a mim próprio, para saber quão grande ela é. E é. Grande. Sei que tenho de esperar. E espero. Espero, se for capaz e eu não sei se sou, porque, como já percebeste, eu não sou homem de ficar quieto quando o peito se atormenta."

 

O Mais Aqui

 

---------------------------------

tags:
escrito no papiro por ACCB às 17:27
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

A Propósito de amizade e "crimes " ( UpS! )

 

 

Sabe bem ter-te por perto
Sabe bem tudo tão certo
Sabe bem quando te espero
Sabe bem beber quem quero

Quase que não chegava
A tempo de me deliciar
Quase que não chegava
A horas de te abraçar
Quase que não recebia
A prenda prometida
Quase que não devia
Existir tal companhia

Não me lembras o céu
Nem nada que se pareça
Não me lembras a lua
Nem nada que se escureça
Se um dia me sinto nua
Tomara que a terra estremeça
Que a minha boca na tua
Eu confesso não sai da cabeça

Se um beijo é quase perfeito
Perdidos num rio sem leito
Que dirá se o tempo nos der
O tempo a que temos direito

Se um dia um anjo fizer
A seta bater-te no peito
Se um dia o diabo quiser
Faremos o crime perfeito

DONNA MARIA

 

escrito no papiro por ACCB às 12:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Carnaval

- - Manhã de Carnaval com chuvinha de prata..... Espera da Páscoa com promessas de Sol...
tags:
escrito no papiro por ACCB às 12:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Mimos para vocês

 

-

O Carnaval promete-se e cumpre-se chuvoso.

A Páscoa há-de trazer Sol e promessas de dias de praia.

Dizem os oráculos antigos que assim é.

Deixo-vos hoje, terça de carnaval, esta chuvinha de prata...mimos que têm anos e permanecem..

Acreditem

 

Você deve acreditar no que eu digo...la la la la la

escrito no papiro por ACCB às 11:41
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Uma Paixão

  

 

__

 

 Visita-me enquanto não envelheço

toma estas palavras cheias de medo e surpreende-me

com teu rosto de Modigliani suicidado

 

tenho uma varanda ampla cheia de malvas

e o marulhar das noites povoadas de peixes voadores

vem

 

 

ver-me antes que a bruma contamine os alicerces

as pedras nacaradas deste vulcão a lava do desejo

subindo à boca sulfurosa dos espelhos

vem

 

 

antes que desperte em mim o grito

de alguma terna Jeanne Hébuterne a paixão

derrama-se quando tua ausência se prende às veias

prontas a esvaziarem-se do rubro ouro

perco-te no sono das marítimas paisagens

estas feridas de barro e quartzo

os olhos escancarados para a infindável água

vem

 

 

com teu sabor de açúcar queimado em redor da noite

sonhar perto do coração que não sabe como tocar-te


 

Al Berto

 

 

escrito no papiro por ACCB às 00:43
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

música pela noite dentro...

escrito no papiro por ACCB às 00:42
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 15 de Fevereiro de 2010

All The Things You Are

escrito no papiro por ACCB às 18:06
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Domingo, 14 de Fevereiro de 2010

Klimt the Kiss

tags:
escrito no papiro por ACCB às 00:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Dia de ser namorado

escrito no papiro por ACCB às 00:01
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Sábado, 13 de Fevereiro de 2010

Hoje o dia esteve assim

 

--------------

 

 

_____________

________________________

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Jornais/Justiça/Governo

 

 

LIBERDADE DE EXPRESSÃO

.

 

...

.................

 

...........

escrito no papiro por ACCB às 23:49
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Sexta-feira, 12 de Fevereiro de 2010

Autor desconhecido mas não desconhecedor

 

 

"Normalmente confunde-se “Direito” como uma parte da “Jurisprudência”, o que é conveniente a certos meios políticos. A “Jurisprudência” depende da Ética e de envergadura política, o “Direito” depende exclusivamente da Justiça e esta da Filosofia.


O “círculo e a circunferência” são argumentações de forma circular, em que a imaginação demonstrativa é inexistente.


No âmbito abstracto do "Direito”. O limitar um direito, o que é diferente de lhe reconhecer regras claras e facilmente entendíveis, é despojar este da sua integridade. Tal como uma linha recta e um segmento de recta em que as regras são o espaço, as coordenadas cartesianas onde abstractamente se desenvolvem e o ponto de observação."

 

-----------

-..........................

escrito no papiro por ACCB às 15:04
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

FINALMENTE!

CREL reabre amanhã no sentido Alverca-Estádio

 

 

 

 

escrito no papiro por ACCB às 00:08
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

Miró

Caminhos

Paris , o pintor de rua e...

O temporal esta noite.......

Para ti

Engolir o Universo

Para o raio que os partis...

Eu sou a tempestade

fotos antigas a 3 de Junh...

Depus a Máscara

Fundamento

Berlim

A cadeira

Empatias

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

papiros em biblioteca

Julho 2017

Junho 2017

Maio 2017

Abril 2017

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Julho 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds