Domingo, 30 de Novembro de 2008

Para ti

click to comment

 

Farias anos..................................................

escrito no papiro por ACCB às 00:15
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (9) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 27 de Novembro de 2008

O amor acaba (?)

 

O amor acaba.

Numa esquina, por exemplo, num domingo de lua nova, depois de teatro e silêncio;

acaba em cafés engordurados, diferentes dos parques de ouro onde começou a pulsar; de repente, ao meio do cigarro que ele atira de raiva contra um automóvel ou que ela esmaga no cinzeiro repleto, polvilhando de cinzas o escarlate das unhas;

 

na acidez da aurora tropical, depois duma noite votada à alegria póstuma, que não veio;

e acaba o amor no desenlace das mãos no cinema, como tentáculos saciados, e elas se movimentam no escuro como dois polvos de solidão;

como se as mãos soubessem antes que o amor tinha acabado;

 

na insônia dos braços luminosos do relógio;

e acaba o amor nas sorveterias diante do colorido iceberg, entre frisos de alumínio e espelhos monótonos;

e no olhar do cavaleiro errante que passou pela pensão;

às vezes acaba o amor nos braços torturados de Jesus, filho crucificado de todas as mulheres;

 

mecanicamente, no elevador, como se lhe faltasse energia;

no andar diferente da irmã dentro de casa o amor pode acabar; na epifania da pretensão ridícula dos bigodes;

nas ligas, nas cintas, nos brincos e nas silabadas femininas;

 

quando a alma se habitua às províncias empoeiradas da Ásia, onde o amor pode ser outra coisa, o amor pode acabar; na compulsão da simplicidade simplesmente;

no sábado, depois de três goles mornos de gim à beira da piscina;

 

no filho tantas vezes semeado, às vezes vingado por alguns dias, mas que não floresceu, abrindo parágrafos de ódio inexplicável entre o pólen e o gineceu de duas flores;

em apartamentos refrigerados, atapetados, aturdidos de delicadezas, onde há mais encanto que desejo;

e o amor acaba na poeira que vertem os crepúsculos, caindo imperceptível no beijo de ir e vir; em salas esmaltadas com sangue, suor e desespero;

 

nos roteiros do tédio para o tédio, na barca, no trem, no ônibus, ida e volta de nada para nada;

em cavernas de sala e quarto conjugados o amor se eriça e acaba;

no inferno o amor não começa;

na usura o amor se dissolve; e

m Brasília o amor pode virar pó;

no Rio, frivolidade;

em Belo Horizonte, remorso;

em São Paulo, dinheiro;

 

uma carta que chegou depois, o amor acaba;

uma carta que chegou antes, e o amor acaba;

na descontrolada fantasia da libido;

 

às vezes acaba na mesma música que começou, com o mesmo drinque, diante dos mesmos cisnes;

 

e muitas vezes acaba em ouro e diamante, dispersado entre astros;

e acaba nas encruzilhadas de Paris, Londres, Nova Iorque;

 

o coração que se dilata e quebra, e o médico sentencia imprestável para o amor;

e acaba no longo périplo, tocando em todos os portos, até se desfazer em mares gelados;

e acaba depois que se viu a bruma que veste o mundo;

na janela que se abre, na janela que se fecha;

 

às vezes não acaba e é simplesmente esquecido como um espelho de bolsa, que continua reverberando sem razão até que alguém, humilde, o carregue consigo;

às vezes o amor acaba como se fora melhor nunca ter existido;

 

mas pode acabar com doçura e esperança;

uma palavra, muda ou articulada, e acaba o amor; na verdade;

o álcool; de manhã, de tarde, de noite;

na floração excessiva da primavera;

no abuso do verão;

na dissonância do outono;

no conforto do inverno;

em todos os lugares o amor acaba;

a qualquer hora o amor acaba;

por qualquer motivo o amor acaba;

para recomeçar em todos os lugares e a qualquer minuto o amor acaba.

Texto extraído do livro "O amor acaba",

 

 

Paulo Mendes Campos

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (41) | juntar aos escribas

OLhar o livro

Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008 - AQUI

 

Sándor Márai é um daqueles escritores que já quase vou tratando por tu.
Ficou-me no vício de ler e eu gosto de ter alguns vícios.
Sándor Márai tem o à vontade de conversar connosco em discurso indirecto, a leveza de nos pôr a ver e ouvir as personagens através de um discurso de narrador feito por uma só personagem. Coloca-nos a narrativa sob os olhos num discurso vertiginoso de três pessoas que nos contam a sua versão dos outros dois e constrói uma vida do princípio ao fim do livro.
É o que acontece no livro "A mulher certa".
O amor de uma mulher por um homem que toda a vida amou outra mulher que não era a sua, outra mulher que nunca foi sua, apesar da ilusão e que o detestava...mas fingiu que o amava, por vingança... por maldade,... por frieza....O esconder de sentimentos, o jogo de fingimentos e a crueldade de alguém que prendeu outra pessoa a si apenas pelo capricho de o fazer.
Uma época, três vidas,....em Budapeste...
Uma mulher descobre que o marido tem uma paixão....Um homem conta como abandonou a mulher por outra.... uma outra conta como casou com um homem para sair da pobreza...
Três vidas interligadas e Sándor Márai que os conhece por dentro e por fora, como quem conhece as misérias humanas.
Uma escrita plena de reacções humanas que ele não pinta de cor de rosa e descreve nu e cru........
Vale a pena ler e conhecer e saber também que foi ele quem escreveu "As velas ardem até ao fim".
 

- ACCB

 

 
tags:
escrito no papiro por ACCB às 21:48
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas

O Mar logo ali

 

 

Para quem gosta da presença do mar com sol  e sorrisos, há um restaurante na Parede que convida a um excelente almoço que dure por duas ou mais horas.

Come-se peixe pois claro e fresco, sem dúvida. O Peixe na Linha.

Vinho branco? Muito fresco que o sol estava alto e entrava pelas amplas janelas suspensas sobre as vagas que se espraiavam lá em baixo.

Ainda se pensou como seria se houvesse um tremor de terra mas, os sorrisos e a conversa, sustentaram a ideia bem mais agradável de que a janela até podia ser de um navio de cruzeiro.

Numa praia portuguesa concerteza, entre Lisboa e Cascais sobre a falésia e com pratos saborosos de tão simples e tão frescos.

Para exemplificar e fazer crescer água na boca,a grelhada mista, a cataplana de peixe, a açorda de marisco servida no pão .

Também o arroz e a  massinha de peixe... delícia...

No capítulo das sobremesas, dizem que têm o "o melhor bolo de chocolate do mundo" . mas eu sei onde comer o melhor bolo de chocolate do Mundo.

(Depois digo-vos!)

E pese embora este talvez seja bom, que eu não comi sobremesa, acreditem que o outro é muito, mas muito melhor. Não tenho qualquer dúvida. Nem me atrevo a duvidar!

Experimentem se gostam de sol e mar.

escrito no papiro por ACCB às 20:30
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (8) | juntar aos escribas

Um verdadeiro amigo é assim:

Nós ligamos e dizemos: - Podes falar? - E ele diz:

 

escrito no papiro por ACCB às 00:55
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

Somewhere in Time

 

 

  Um filme de 1980 - drama - ficção científica  com a direcção de Jeannot Szwarc que retrata a vida de um jovem e retorna ao passado  para resgatar uma mulher  que, no presente, diz ser o seu grande amor.

 O filme é baseado no romance de Richar Matheson originalmente publicado com o título de Bid Time Return em 1975  e mais tarde republicado como Somewhere in Time.

tags:
escrito no papiro por ACCB às 00:08
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

Acho piada...depois de matar saudades

tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

Cartas de Desamor - Desafio

De JR a 11 de Agosto de 2008 às 11:27
CARTA DE AMOR
 

 
Da autoria do poeta José Régio(1901-1969)
Extraída do livro póstumo "Música Ligeira"(1970)



Nem a tristeza
Me pesa
Se te encontras a meu lado

Mas onde estás, minha linda
Que te não vi hoje ainda?...
Por onde é que tens andado?

Onde foste
Que assim nada há que eu goste,
De mim próprio separado?


Valha-te Deus, não me deixes!
Se me deixas, não te queixes
Do mal que tenhas causado.

Bem sabes que é noite o dia
Que estou de ti apartado
E a noite negra alumia
Quando estamos lado a lado.

Que o meu corpo nem é meu
Se do teu
Se vê cortado.

Que tu sem mim,
Sem ti eu
Mentimos ambos ao Fado.

Que o mundo é isto: nós dois,
Peito com peito
Somado.

E venha a morte depois,
Que o calor do nosso leito
Será mais forte
Que a morte!

Será vida em duplicado!

tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas

Hipocondriaco?

 

PSIUUU, Você  é hipocondriaco?

Quer fazer o teste?

faça!!!

CLIQUE AQUI e faça o teste.

tags:
escrito no papiro por ACCB às 22:24
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas

Frase do dia

 

Um homem só encontrou a mulher ideal quando olhar no seu rosto

e vir um anjo e,

tendo-a nos braços tiver as tentações

que só os demónios provocam.

Picasso

 

(Colette, "Calascione")

escrito no papiro por ACCB às 22:16
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (6) | juntar aos escribas

Ainda o Compromisso Ético - Opinião

 

26 Novembro 2008 - 09h00
 

“O congresso dos juízes não tem legitimidade democrática para aprovar o ‘Compromisso de Ética’”

 

O ‘Compromisso Ético’ que a Associação Sindical dos Juízes fez aprovar no recente congresso é inepto e insano.

Não tem qualquer validade jurídico-constitucional ou força para vincular os juízes associados e, por maioria de razão, muito menos os não associados. A ASJP produziu um documento para o museu legislativo dos seus arquivos.

É um enunciado de princípios gerais, de vacuidades e pretensioso nos seus propósitos. Nem como instrumento de auto-regulação pode valer, porque os juízes, constitucionalmente, não se podem auto-regular em matérias que têm que ver com a forma como exercem a profissão.

O ‘Compromisso Ético’ dos juízes, no exercício da judicatura, está plasmado na Constituição, na Lei e nos seus Estatutos. Estes instrumentos de regulação são a matriz legitimadora do exercício ético e moral da profissão.

Os valores e a essência da ética não se reforçam por cartilha, antes existem ou não em cada um de nós. O juiz, comprometido eticamente com a missão que lhe foi conferida pelo cidadão de administrar a Justiça em nome do povo, não precisa desta utopia, apenas da sua consciência ética e esta não lhe é conferida por qualquer dirigente associativo, muito menos por quem se esquece de que ser ético é também aceitar a pluralidade de opiniões e o livre associativismo.

Ser ético é respeitar as pessoas e os colegas de profissão que não pensam como nós. Bem andou a pregar frei Tomás. A ética dos juízes é o seu valor pessoal, dispondo de um arsenal valioso com base na concepção piramidal sustentada pela Constituição.

E se isto tudo não bastasse, este compromisso está ferido de legitimidade. O congresso dos juízes não tem legitimidade democrática para aprovar este compromisso, que não foi sujeito a um amplo debate entre os juízes, não bastando uma simples assembleia, com fraca representatividade, para fazê-lo.

Era matéria que, a ter alguma utilidade, precisava de ser ‘referendada’ por todos os juízes, o que não aconteceu. Estas são regras da Democracia que deviam ter sido respeitadas pelos mentores desta inútil falácia.

E o que dizer da ofensa que lhe está subjacente, feita a muitos juízes associados que agora ficaram a saber que não têm ética porque pertenceram ou pertencem à Maçonaria ou ao Opus Dei ou porque exerceram ou exercem funções em comissões de confiança política?

O disparate também tem limites éticos.

A ética da convicção não pode dar lugar à ética da conveniência.

 

Rui Rangel, Juiz desembargador

P.S.:_Haverá uma gralha no texto?

tags:
escrito no papiro por ACCB às 09:01
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (16) | juntar aos escribas

Secretária com nascente no olhar

 

Só venho aqui numa corridinha dizer que a minha secretária está mais levezinha mas que continua com ar de sonsa e sorriso  irónico.

É que ainda não consegui evitar a nascente de processos que de noite e de dia se organizam e invadem o meu espaço de trabalho.

Não tarda arranjo uma janela com vista sobre a praia da Póvoa do Varzim onde decorreu o Congresso.

Aí.... quero ver se ela acha graça... Vai querer tirar os processos de cima e arranjar estratagemas para  se ver livre deles...

Ora bem...

Vamos lá ver quem vence esta luta.

Boa noite e durmam bem

Já agora façam o diagnóstico aconselhado abaixo.Eu já fiz!

-

ACCB

escrito no papiro por ACCB às 00:05
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Terça-feira, 25 de Novembro de 2008

Cartas de Desamor - Desafio

De Anónimo a 21 de Agosto de 2008 às 20:05
 
 
 
 
Me enseñaste a no fumar sin desayuno
Me enseñaste a dividir
Que la suma de uno y uno siempre es uno
Si se aprende a compartir.

Me enseñaste que los celos son traviesos
Que es mitad falta de sesos y mitad inseguridad
Me enseñaste a ser pareja en libertad.
Me enseñaste que el amor no es una reja
Y que es mentira la verdad.

Me enseñaste que no es bueno el que te ayuda
Sino el que no te molesta
(...)
Me enseñaste muchas cosas de la cama
Que es (...) también para dormir
Me enseñaste entre otras cosas a vivir
Me enseñaste que una duda puede más que la razón.

Pero fallaste mi gurú
Se te olvidó enseñarme que hago si no estás tú
Me enseñaste de todo excepto a olvidarte
Desde filosofía hasta ....................
A saber que el afrodisiaco más cumplidor
No son los mariscos sino el amor.
Pero no me enseñaste a olvidarte
Me enseñaste de todo excepto a olvidarte
A convertir una caricia en una obra de arte

A saber que los abogados saben poco de amor
Y que el amor se cohibe en los juzgados

Pero no me enseñaste a olvidarte
-

De Barcelona, con una sonrisa :-))))))))

PH
tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Compromisso Ético dos Juizes Portugueses

Deixo-vos aqui a introdução ao compromisso Ético dos Juizes Portugueses que gostaria de ir discutindo a pouco e pouco  neste espaço.
Não é um código deontológico nem pretende competir com o Estatuto dos Magistrados Judiciais.
É uma concretização em palavras, colocada à disposição do  público em geral, daquilo que é  e deve continuar a ser  estrutural e intrínsecamente um Juiz.
 
 
Num tempo em que quase tudo é efémero e está em crise, os juízes portugueses assumem como o seu mais valioso património, o seu mais seguro investimento e o seu melhor crédito, os valores inerentes à Ética de ser Juiz.

Aglutinados em torno da sua Associação representativa, os juízes portugueses querem com este documento enaltecer, valorizar e divulgar os valores essenciais da Ética Judicial, a independência, a imparcialidade, a integridade, o humanismo, a diligência e a reserva.

Querem ainda os juízes portugueses assumir, deste modo, a condição de guardiães dos valores e princípios condensados neste Compromisso Ético, de que são tributários, orientados para garantirem os direitos, liberdades e garantias fundamentais dos cidadãos e o interesse destes na boa administração da Justiça.

Se o cidadão tiver dúvidas quanto ao Sistema Judicial, que tenha sempre confiança nas qualidades dos juízes portugueses para realizarem a Justiça, “dando a cada um o que é seu”.

 António Martins,

Presidente da Associação Sindical dos Juízes Portugueses

1. Independência

 

 


Enunciado:

 

A independência do poder judicial é inerente ao Estado de direito democrático e garantia da administração, pelos juízes, de uma justiça imparcial em nome dos cidadãos

 Princípios:

 

1. Os juízes, actuando em nome do cidadão, afirmam e fazem respeitar a sua independência e manifestam-na, tanto no exercício das suas funções como fora delas.

2. Os juízes respeitam a separação de poderes e a esfera de atribuições dos outros órgãos de soberania, nos termos da Lei.

3. Os juízes julgam apenas sujeitos à Lei e às decisões dos tribunais superiores proferidas em sede de recurso.

tags:
escrito no papiro por ACCB às 08:20
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (48) | juntar aos escribas

Orquídeas na àrvore das flores de laranjeira

Não vou pôr-te flores de laranjeira no cabelo

Nem fazer explodir a madrugada nos teus olhos.

 

Eu quero apenas amar-te lentamente

Como se todo o tempo fosse nosso

Como se todo o tempo fosse pouco

Como se nem sequer houvesse tempo.

 

Soltar os teus seios.

Despir as tuas ancas.

Apunhalar de amor o teu ventre.

Não vou pôr-te flores de laranjeira no cabelo....

 

(Joaquim Pessoa)

 

 

escrito no papiro por ACCB às 07:18
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (8) | juntar aos escribas

Diagnóstico

  

 

 

Durante a visita a um hospital psiquiátrico, um dos visitantes perguntou ao director:
- Qual é o critério pelo qual vocês decidem quem precisa ser hospitalizado aqui?

Respondeu o director: - Nós enchemos uma banheira com água e oferecemos ao doente uma colher, um copo e um balde e pedimos que a esvazie.
De acordo com a forma que ele decida realizar a missão, nós decidimos se o hospitalizamos ou não.
- Entendi - disse o visitante - uma pessoa normal usaria o balde, que é maior que o copo e a colher.

- Não -respondeu o director - uma pessoa normal tiraria a tampa do ralo. O que o senhor prefere? Quarto particular ou enfermaria?

 

(Dedicado a todos os que escolheram o balde)

 

Pensamos sempre que somos NORMAIS, que
'LOUCOS SÃO OS OUTROS...'

tags:
escrito no papiro por ACCB às 07:12
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Desistir de tentar - fora do tempo

Fora de Tempo (Desistir de Tentar) - Pluma
tags:
escrito no papiro por ACCB às 07:00
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Segunda-feira, 24 de Novembro de 2008

Cartas de Desamor - Desafio

De Uma Mulher... a 10 de Agosto de 2008 às 07:01
 
'Eis-nos divorciados. Por fim, dormimos em casas separadas mas, afinal, não se me multiplicou o espaço nem o ar que respiro.
Queria tanto para mim, este tempo todo, tendido como massa fresca , este livro, esta calma.. Mas tu insistes em aparecer por entre as letras, numa dança triste, e eu distraio-me. Sinto falta de quando sorvia parágrafos onde calhasse, num prazer clandestino, antes que alguém desse conta.
Queria talvez telefonar-te e ouvir a tua voz, não porque te tenha saudades, mas só para te saber real e não apenas um projecto falhado.
Costumava ansiar por uma refeição em paz, que pudesse atravessar num ruminar mudo, mas agora que não me interrompes, levanto-me, sento-me, vou à janela, e o jantar cansa-se nas bordas do prato.
Preciso de procurar o silêncio com a urgência de alguém que perdeu as chaves e está atrasado, e não de dar com ele, assim, em cada esquina. A tua falta é como estar sentada num banco de pregos a meio de um campo e gozar de uma liberdade dolorosa.
Na verdade, ainda não senti o alívio que imaginei: em vez de expirar profundamente à espera de uma ressureição qualquer, dou por mim a arfar baixinho como um cão, a oxigenar-me com cuidado e à superfície, a ver se me aguento em pé.
Às vezes, sinto-me forte, capaz de enfrentar o mundo nesta minha nova condição de amputada; outras, em especial quando a noite cai demasiado depressa, cedo ao pânico, como se num elevador parado entre andares.
Nessas alturas, enrosco-me como um feto e só quero agarrar-me à barriga das tuas pernas e pedir-te que seja ainda antes de ires, quando chegavas a casa calado e o pior que acontecia era o tédio correr-nos nas veias.
Há momentos em que dava tudo para que os teus pés frios, que sempre me desagradaram, arrefecessem este medo que me tolhe.'

Eu, uma mulher... tu sabes quem. Prefiro manter o anonimato.
tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas

Tu não sabes

 

 

  

Tu não sabes
Quanto tempo vais poder
Dizer: «Este sou eu»,
Gritar que o chão é teu,
Tu não sabes,
Que o céu chama por ti,
Quando à noite te sorri,
Quando as pétalas se abrem
Só por si,
Tu não sabes.

Tu não sabes
Quanto tempo irás pedir
Quando o sangue te fugir,
Quando o punho se fechar
Sobre ti,
Tu não sabes,
Que o sonho não morreu
Quando o beijo se perdeu,
Que a manhã não acabou
Só por nós,
Tu não sabes.

Que palavras vais usar
Quando o sono não vier,
Quando a noite te disser:
«Vem comigo».
Que loucura irás dizer
Quando a mão que te apertar
Te pedir para ficares
Só mais um dia,
Tu não sabes,
Tu não sabes,
Tu não sabes.

Tu não sabes
Quantos rios se vão deter,
Quantos olhos vão beber
Nas palavras que colaste
Junto ao peito,
Tu não sabes,
Que os teus dedos são já meus,
Que se vão fechar nos teus,
Quando os barcos se despedem
Na maré,
Tu não sabes.
-

Pedro Abrunhosa

escrito no papiro por ACCB às 23:08
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (7) | juntar aos escribas

Secretária com nascente

 

Esta paragem no Congresso, deixou-me com a secretária pasmada a olhar para mim  disfarçando um ar de troça. Como se me dissesse:- "Ai foste à Póvoa do Varzim? Ai foste ver o Mar e o sol a nascer reflectido   sobre as águas? Ai quiseste ir para fora? Agora aguenta e despacha-te a dar ao dedo que é hora de me arrumares de novo, se algum dia me conseguires ter arrumada!"

Ai senhor , mas os juizes senhor...

E agora aqui me vejo a braços com um número aumentado de trabalho que nasceu de noite e de dia e estende os braços como um polvo ou uma planta daquelas que crescem de repente nos filmes com efeitos especiais.

Aqui nem preciso de filme... é tudo realidade.

Mas porque o Juiz é um resistente, a fúria de ter tudo a meu jeito enfurece-me contra a vaga de folhas escritas, vai de lhes deitar as unhas enquanto não se multiplicarem por muitos mais.

Do Congresso para além da responsabilidade cumprida e dos caminhos percorridos em frente,  ficam os momentos bons passados ao lado dos que como eu devem ter secretárias irónicas e sonsas, cheias de nascentes de trabalho.

Os sorrisos partilhados com os de todos os dias e os abraços de saudade daqueles que não encontrava há muito.

As rugas do tempo no rosto deles que elas , estão sempre jovens.

Os números de telemóveis que se multiplicaram na agenda  e as promessas de que amanhã nos voltaremos a encontrar para os que ficam distantes, o até amanhã para os que estão sempre perto.

 

E vai daí.... vou trabalhar.

Até já que esta secretária está mesmo a precisar de ser posta na ordem.

-

ACCB

 

escrito no papiro por ACCB às 09:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (10) | juntar aos escribas

Juizes reunidos em Congresso

Image

 

 

Os Juizes Portugueses, deste pequeno país à beira mar plantado, reuniram-se na Póvoa do Varzim durante três dias para falarem eles próprios do que para eles é ser Juiz e do que querem tansmitir aqueles que julgam, sobre si mesmos.

Para falarem dos progressos feitos e e dos impasses que ainda se mantêm;

das garantias de um Estado de Direito  e de desafios que se colocam a uma magistratura do séc XXI.

Não estou impressionada com as palavras do senhor Ministro da Justiça na sessão de encerramento: " Os culpados do estado da justiça não são, afinal, os juízes". 

Palavras proferidas a menos de um ano de eleições legislativas.

No ultimo Congresso dos Juizes o Sr. Ministro  culpava os juízes pelo entrave ao desenvolvimento económico.

Hoje Alberto Costa anunciou  o adiamento da entrada em vigor do mapa judiciário de Janeiro para Abril.

Ontem, deixou-nos elogios: "Os portugueses devem reconhecer a capacidade dos magistrados como participantes activos na mudança qualitativa." E disse ainda  que quem aponta o dedo aos tribunais e juízes como culpados está "enganado". 
 

 Ora ainda bem! Isso significa que o senhor  Ministro estava enganado e reconheceu o erro.

Em 2005 e sobre o ultimo Congresso eu escrevi  isto .

 

Depois do discurso de ontem acho que houve progressos e só espero que os mesmos não indiquem apenas vontade de ser cortejado.

Pela parte que me toca quanto à Associação dos Juizes Portugueses agora em exercício de funções, apenas posso dizer que outros poderiam ter feito o mesmo, mas niguém teria feito melhor.

 

Para além deste breve comentário dir-vos-ei que os Juizes neste Congresso fizeram ainda passar um Compromisso Ético que em breve colocarei no Blog para que todos o possam ler e comentar e que podem no entanto encontrar desde já aqui:- http://www.asjp.pt/

Trata-se de um conjunto de princípios que são parte integrante do que é  o ser Juiz e que não constando da forma de estar e de ser daquele que exerce essas funções,  certamente não teremos um Juiz inteiro nem um meio Juiz, nem Juiz algum.

-

ACCB

 

 

tags:
escrito no papiro por ACCB às 02:20
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas
Quarta-feira, 19 de Novembro de 2008

urgente

escrito no papiro por ACCB às 00:03
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (9) | juntar aos escribas
Terça-feira, 18 de Novembro de 2008

Ao longe o Mar....

click to comment

 

 

 

Fui bailar no meu batel
Além do mar cruel
E o mar bramindo
Diz que eu fui roubar
A luz sem par
Do teu olhar tão lindo

Vem saber se o mar terá razão
Vem cá ver bailar meu coração

Se eu bailar no meu batel
Não vou ao mar cruel
E nem lhe digo aonde eu fui cantar
Sorrir, bailar, viver, sonhar contigo

Vem saber se o mar terá razão
Vem cá ver bailar meu coração

Se eu bailar no meu batel
Não vou ao mar cruel
E nem lhe digo aonde eu fui cantar
Sorrir, bailar, viver, sonhar contigo


 

escrito no papiro por ACCB às 23:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (5) | juntar aos escribas

Cartas de desamor- Desafio

De Aran a 30 de Julho de 2008 às 22:28
 
Como escrever uma carta de amor, se trago a dor no meu peito?
Como escrever uma carta desamor, se a dor abafa o meu peito?

Amor,

Pudera fazer do meu corpo, a minha, tua carta de amor,
que as palavras já estão gastas, mortas no meu peito,
tão cansadas deste grito, em palavras declamadas...
Como te sorrir, se os meus nervos me atrofiam a leveza, que preciso...
Essa fatal clareza de espírito, que me solta...
e me faz ser a borboleta que te rodopia no teu corpo...
Como te fazer ver e crer, que apenas bastava tão pouco...
para fazer brotar ao de cima a chave que abriria aquela porta...
E se agora eu acalmar, será que não altercas...
que é a morte que me está a chamar...
E eu já não possuo forças para lutar, reclamar...
tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:25
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas
Segunda-feira, 17 de Novembro de 2008

Inquietação

 

 

A contas com o bem que tu me fazes 

A contas com o mal por que passei 

Com tantas guerras que travei 

Já não sei fazer as pazes

São flores aos milhões entre ruínas 

Meu peito feito campo de batalha
Cada alvorada que me ensinas 

Oiro em pó que o vento espalha

Cá dentro inquietação, inquietação 

É só inquietação, inquietação 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer 

Qualquer coisa que eu devia perceber 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei ainda

Ensinas-me a fazer tantas perguntas 

Na volta das respostas que eu trazia 

Quantas promessas eu faria 

Se as cumprisse todas juntas

Não largues esta mão no torvelinho 

Pois falta sempre pouco para chegar 

Eu não meti o barco ao mar 

Pra ficar pelo caminho

Cá dentro inqueitação, inquietação 

É só inquietação, inquietação 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que está pra acontecer 

Qualquer coisa que eu devia perceber 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei 

Porquê, não sei ainda

Cá dentro inqueitação, inquietação 

É só inquietação, inquietação 

Porquê, não sei 

Mas sei 

É que não sei ainda

Há sempre qualquer coisa que eu tenho que fazer 

Qualquer coisa que eu devia resolver 

Porquê, não sei 

Mas sei 

Que essa coisa é que é linda


(José Mário Branco)
 

 


 Ele há gente muito inquieta! LIVRA!!

tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:35
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Os homens que eu prefiro

 
Barack Obama confirmou, na sua primeira entrevista após as eleições para a presidência dos EUA, que vai encerrar Guantanamo e retirar as tropas do Iraque.
_________
Gosto do ar descontraido e jovem do novo presidente dos EUA.
Gosto do seu sorriso que gostava que não fosse permanente mas, nem por isso, deixa de ser cativante e agradável e de ter um toque de serenidade que espero não seja passageira.
Gosto de saber que ele se preocupa em acabar com um dos simbolos de abuso e violação de Direitos Humanos que não é apenas um símbolo, é uma realidade.
Gosto de pensar que é verdade. Que a preocupação e o desejo se tornarão realidade.
Sou 60% optimista. Os outros 40% ficam para as dúvidas e as certezas de que sou pessimista.
O que me preocupa é que esta decisão está em estudo e há estudos que me fazem urticária. E depois há sempre aquelas conversas do costume: - "Como sabem não é fácil. é preciso estudar uma situação que substitua esta,...é preciso saber que destino dar aos terroristas...
Como se os siuspeitos de terrorismo fossem todos terroristas e vai de os isolar e maltratar....
O que me preocupa é que me parece que Obama como todos os homens que têm de tomar decisões politicamente correctas, está mais preocupado com a logística e as consequências de alterações súbitas e radicais , do que com os Direitos humanos ou a não violação dos mesmos.
O que me parece é que, tendo em conta o número de presos existentes ( superior a 200) e de indiciados (ao que dizem cerca de 20), Obama vai deixar arrastar isto por tempo indeterminado...
 
Ou seja, o que eu quero dizer é que isto de ser  governante e ter de tomar decisões não é fácil, por isso há que ter cautelas... Prometer e não cumprir, para mais se estão em causa seres humanos a morrer aos poucos, indiciados ou suspeitos de terrorismo, sujeitos ao que parece a tratamento desumano, tira a credibilidade a quem quer parecer forte humano e inovador.
 
Não basta querer...é preciso fazer.
É por isso que eu digo que prefiro os homens de actos aos homens de Palavra(s).
-
ACCB
 
 
escrito no papiro por ACCB às 12:34
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (7) | juntar aos escribas
Domingo, 16 de Novembro de 2008

Partilhas

 
Nestas coisas de jantaradas o tempo passa a correr e é devorado entre conversas e risos, tentativas de nos desdobrarmos por todos e multiplicarmos por mais e, no fim da noite ou do jantar para ser mais verdadeiro, temos sempre a sensação de que prolongariamos as risadas, as alegrias e as partilhas por muitas e longas horas, de preferência até de madrugada.

É claro que se para alguns a idade dá para isto para outros a idade não perdoa.

Digo eu que ontem era uma das mais velhas no jantar que se organizou entre amigos  e amigos, e só me apetecia ficar até de madrugada.

Muitos amigos... alguns de há muitos anos,outros de há poucos mas amigos também.

E, a sensação sempre boa de que todos os que sentamos à mesma mesa comungam de um mesmo sentimento autêntico: - a  amizade.

Uma sensação boa de olhar para trás e sentir que muitos amigos caminharam connosco e, ainda lá estão, ao nosso lado e novos amigos nos acompanharão pelo caminho que sempre se faz caminhando.

E um pedir-lhes que lá continuem ao nosso lado, connosco...... Tanto aos de sempre como aos de agora e para sempre.

 

Só porque a amizade não se oferece por acaso, só porque a amizade não se recebe por acaso, só porque sabemos que todos aqueles com quem partilhamos a vida vão estar sempre ao nosso lado e sabemos que ficaremos sempre ao lado deles, que queremos estar ao lado deles....

Não importa a contabilidade dos anos,... importa a partilha da Vida e a construção de um caminho de alicerces seguros...

Olhar em volta e ver sorrisos e olhares sinceros de sempre, sem tempo do tanto tempo que têm....mesmo que o tempo seja de há pouco....É a melhor prenda que se pode receber em meio século de Vida.

 

Aos que estiveram presentes  um enorme beijo significado de um grande carinho.

Aos que não puderam porque a vida chamou alguém no tempo certo, outro grande beijo porque, apesar de ausentes  estiveram comigo e eu com eles.

Aos que por qualquer outra razão não estiveram...acreditem que as distâncias ou os imprevistos da Vida não vos fizeram ausentes no meu coração.

 

Se eu hoje tivesse de escrever a todos as minhas ultimas palavras, como se estivessem todos reunidos à minha volta e sem mim, dir-vos-ía que vos adoro,... que ficarei sempre convosco  e em vós e, que vous levarei sempre comigo, porque estamos ligados uns aos outros pelo elo da Amizade.

- ACCB __________________

escrito no papiro por ACCB às 22:51
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (20) | juntar aos escribas

O Olhar - João Gilberto

Este Seu Olhar - João Gilberto
tags:
escrito no papiro por ACCB às 20:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas
Sábado, 15 de Novembro de 2008

SMILE!! Você está a ser fotografado

click to comment

escrito no papiro por ACCB às 08:26
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Amor Antigo...........................

tags:
escrito no papiro por ACCB às 07:59
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (2) | juntar aos escribas
Sexta-feira, 14 de Novembro de 2008

Cartas de Desamor - Desafio

De eu mesmo a 30 de Julho de 2008 às 19:23
 
 
Meu amor, minha pequenina, minha tudo e nada
Meu passarinho indefeso, meu pedacinho de mim, meu passado e meu futuro, meu ontem meu hoje e amanhã...Minha...de mim,...
Olho-te assim tão pequena , tão doce, dormindo descansada no meu braço agarrada ainda à minha mão. Respiras e de vez enquando suspiras e o corpo abandona-se num arrepio ou num desencontro de temperaturas .
És tão dependente de mim.
Sou tão dependente de ti.
Não há palavras que descrevam com verdade o que sinto por ti.
Meu pedacinho de tudo, minha noite mal dormida, meu dia arrasado de ausência, meu encontro desejado, meu abraço delicado, meu sorriso sincero...
Meu tudo, ...minha filha.
tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:57
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (4) | juntar aos escribas

Oração....

 
Uma professora do ensino básico pediu aos alunos que fizessem uma redacção sobre o que gostariam que Deus fizesse por eles..
 
Ao fim da tarde, quando corrigia as redacções, leu uma que a deixou muito emocionada. O marido, que, nesse momento, acabava de entrar, viu-a a chorar e perguntou:
- O que é que aconteceu? '
Ela respondeu:
- Lê isto. Era a redacção de um aluno.
 
*'Senhor, esta noite peço-te algo especial: transforma-me num televisor.  
Quero ocupar o lugar dele. Viver como vive a TV da minha casa. Ter um lugar especial para mim, e reunir a minha família à volta... Ser levado a sério quando falo... Quero ser o centro das atenções e ser escutado sem interrupções nem perguntas. Quero receber o mesmo cuidado especial que a TV recebe quando não funciona. E ter acompanhia do meu pai quando ele chega a casa, mesmo quando está cansado. E que a minha mãe me procure quando estiver sozinha e aborrecida, em vez de me ignorar.. E ainda, que os meus irmãos lutem e se batam para estar comigo.. Quero sentir que a minha família deixa tudo de lado, de vez em quando, para passar alguns momentos comigo. E,por fim, faz com que eu possa diverti-los a todos. 
Senhor, não te peço muito...Só quero viver o que vive qualquer televisor.'*
 
Naquele momento, o marido de Ana Maria disse:
 - 'Meu Deus, coitado desse miúdo! Que pais'!
 E ela olhou-o e respondeu:
 - 'Essa redacção é do nosso filho'
 
 .............................................................................................
escrito no papiro por ACCB às 17:17
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (8) | juntar aos escribas
Quinta-feira, 13 de Novembro de 2008

Amanhã eu comento

Manuela Ferreira Leite

 

 

«Não pode ser a comunicação social a seleccionar aquilo que transmite»,

escrito no papiro por ACCB às 23:54
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

Chopin por Maria João Pires

escrito no papiro por ACCB às 23:36
link do post | Escreva no Papiro | juntar aos escribas
Quarta-feira, 12 de Novembro de 2008

Desafio............

 

 

Façam lá frases com estas palavras no início.

 

 

1º Quero

 

 

2º Adoro

 

 

 

3º Vergonha

 

 

 

4º Andar

 

 

 

5º O som

 

 

  

6º Ouvir

 

 

 

7º  Vou

 

 

8º Não

tags:
escrito no papiro por ACCB às 23:42
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (22) | juntar aos escribas

Qdo for grande quero ser como ela....

The Winner Takes It All - Meryl Streep

______________
tags:
escrito no papiro por ACCB às 17:32
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (3) | juntar aos escribas

12.11.2005 - 3º ano do Cleopatramoon

 

 

luar1.jpg

 

 

escrito no papiro por ACCB às 16:05
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (17) | juntar aos escribas

Cartas de Desamor - Desafio

De Frederico a 3 de Agosto de 2008 às 10:20
 
 
Amor de minhas entranhas, morte viva,
em vão espero tua palavra escrita
e penso, com a flor que se murcha,
que se vivo sem mim quero perder-te.
O ar é imortal. A pedra inerte
nem conhece a sombra nem a evita.
Coração interior não necessita
o mel gelado que a lua verte.

Porém eu te sofri. Rasguei-me as veias,
tigre e pomba, sobre tua cintura
em duelo de mordiscos e açucenas.
Enche, pois, de palavras minha loucura
ou deixa-me viver em minha serena
noite da alma para sempre escura.


Frederico GL
tags:
escrito no papiro por ACCB às 16:00
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (1) | juntar aos escribas

Portugal em grafite

sinto-me:
tags:
escrito no papiro por ACCB às 01:23
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (14) | juntar aos escribas
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

11.11.19.........

Cecília Meireles:

"Aprendi com a primavera a deixar-me cortar e a voltar sempre inteira".


click to comment

 

ERA UMA VEZ.................

 

 

 

 

 Hoje trago-te flores amor...

São meio século delas...

Dadas pela  minha mãe quando nasci...

E disse:

- Guarda-as.... floresce os seus sorrisos todos os dias. Pinta-as de vermelho todas as manhãs.

 

E o meu pai disse-me:

-Multiplica-as todos os anos. Uma centena se quiseres... Coloca-nos em cada pétala e

dá-lhes pétalas de amores que sejam só teus e que só tu saibas amar...

 

Hoje trago-te flores amor

meio século de flores...............

A melhor prenda que hoje tenho para te dar...

-

ACCB

 

 

 

 

sinto-me:
escrito no papiro por ACCB às 00:01
link do post | Escreva no Papiro | ver papiros (14) | juntar aos escribas

De Perfil

Sobre mim

Sou alguém que escreve por gostar de escrever. Quem escreve não pode censurar o que cria e não pode pensar que alguém o fará. Mesmo que o pense não pode deixar que esse limite o condicione. Senão: Nada feito. Como dizia Alves Redol “ A diferença entre um escritor e um aprendiz, ou um medíocre, é que naquele nunca a paixão se faz retórica.” online

últimos papiros

ESPLANADA

Pai

Aquele traço de escrita

Pássaros

Amigo não é nada disso

Filhos.....

Obama

A propósito de Trump

Choveu

Desiderata

8 de janeiro de 2014

Um texto que dá que pensa...

Para Fazer o Retrato de u...

Poema pouco original do m...

Poema de Jenny Londoño

Tons de escrita

Super Lua

No dia 11.11.2016

10.11.2016

"May be ...... the price ...

Não peças a quem pediu

Noite....

....contemplação....

Como é um alentejano?

Que se dane a regra e o p...

Sílaba súbita

É nos olhos....

Papéis velhos...

Papel em branco.....

. A escrever qualquer coi...

Linhas...

Chuva de lua cheia

Inércia

Adeus Meu Amigo

Esta força que ninguém po...

Portugal/França

Dois homens à beira rio

Paris En Colère

Paris Je T'aime

El embrujo de la guitarra...

A Hora de ser livre

O outro lado da rua

Tarkovsky

Bocage

Saramago - 18.6

Se partires, então, escre...

Lopetegui....Lotopegui......

Como o Sol A Pôr-se

Entrega-te ao medo e não ...

Quando a Vida Humana dá à...

papiros em biblioteca

Março 2017

Fevereiro 2017

Janeiro 2017

Novembro 2016

Outubro 2016

Setembro 2016

Julho 2016

Março 2016

Novembro 2015

Outubro 2015

Setembro 2015

Junho 2015

Maio 2015

Abril 2015

Fevereiro 2015

Dezembro 2014

Outubro 2014

Agosto 2014

Julho 2014

Junho 2014

Maio 2014

Abril 2014

Março 2014

Janeiro 2014

Novembro 2013

Outubro 2013

Setembro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Junho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Fevereiro 2013

Janeiro 2013

Dezembro 2012

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Agosto 2012

Julho 2012

Junho 2012

Maio 2012

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Janeiro 2012

Dezembro 2011

Novembro 2011

Outubro 2011

Setembro 2011

Agosto 2011

Julho 2011

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Dezembro 2010

Novembro 2010

Outubro 2010

Setembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Junho 2010

Maio 2010

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Novembro 2009

Outubro 2009

Setembro 2009

Agosto 2009

Julho 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Junho 2008

Maio 2008

Abril 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Dezembro 2007

Novembro 2007

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

Abril 2007

Março 2007

Fevereiro 2007

Janeiro 2007

Dezembro 2006

Novembro 2006

Outubro 2006

Setembro 2006

Agosto 2006

Julho 2006

Junho 2006

Maio 2006

Abril 2006

Março 2006

Fevereiro 2006

Janeiro 2006

Dezembro 2005

Novembro 2005

Outros Papiros

licensecreativecommons

Licença Creative Commons
A obra Cleopatramoon de Cleopatramoon Blogue foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição - Uso Não-Comercial - Partilha nos Mesmos Termos 3.0 Não Adaptada.
Com base na obra disponível em cleopatramoon.blogs.sapo.pt.

Outros Papiros

Março 2017

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
12
13
14
15
16
17
18
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

subscrever feeds